<
>

Os 10 dias que abalaram Barcelona: relembre tudo o que aconteceu na novela Messi do início ao fim

play
34 títulos e... contando! Veja todas as conquistas de Messi com o Barcelona (2:17)

Dez dias após comunicar a diretoria catalã que queria deixar o Camp Nou, o argentino voltou atrás e revelou nesta sexta-feira ao site Goal que cumprirá seu último ano de contrato no clube, evitando entrar na Justiça com o Barça (2:17)

Na última sexta-feira, finalmente acabou a "novela" envolvendo Lionel Messi e o Barcelona.

Em entrevista, o craque ratificou seu "fico" na equipe catalã, a única que defendeu na vida, e afimou que jamais iria à Justiça contra o Barça.

Antes do final (teoricamente) feliz, porém, muita coisa aconteceu nos 10 dias que abalaram a capital da Catalunha.

A ESPN acompanhou o caso de perto, principalmente com seus correspondentes André Linares, Jordi Blanco, Moisés Llorens, Alex Kirkland, Rodrigo Fáez, Sam Marsden, Julien Laurens e Rob Dawson, e esteve em cima das notícias, levando ao fã de esporte as atualizações mais quentes sobre o possível adeus do argentino ao Camp Nou.

play
2:17

34 títulos e... contando! Veja todas as conquistas de Messi com o Barcelona

Dez dias após comunicar a diretoria catalã que queria deixar o Camp Nou, o argentino voltou atrás e revelou nesta sexta-feira ao site Goal que cumprirá seu último ano de contrato no clube, evitando entrar na Justiça com o Barça

Relembre, dia após dia, tudo o que aconteceu desde 25 de agosto:

TERÇA-FEIRA, 25 DE AGOSTO

No início da tarde, veio a bomba: Lionel Messi enviou um documento oficial à diretoria do Barcelona avisando que queria deixar o clube.

Imediatamente, o mundo do futebol foi à loucura, com centenas de atletas reagindo nas redes sociais. No Brasil, diversos clubes entraram na onda e, de forma bem-humorada, ofereceram vagas ao craque argentino em seus elencos.

Também houve espaço para polêmica na web. Assim que o ex-zagueiro Carles Puyol publicou mensagem de apoio a Messi, o atacante Luis Suárez, que é muito próximo do camisa 10, respondeu aplaudindo, escancarando o clima ruim nos bastidores do clube.

Enquanto isso, a ESPN e a imprensa internacional apuravam os bastidores dos motivos do pedido do atacante.

O colunista Xavier Ortuño, do jornal catalão Sport, revelou a insatisfação do argentino com as "eternas promessas" da diretoria blaugrana. Na Argentina, o Olé apontou uma frase polêmica do novo técnico do Barça, Ronald Koeman, como catalisador do adeus.

Do "outro lado", a imprensa de Madri só faltou soltar rojões com a notícia. O colunista Jesús Sánchez, do Marca, por exemplo, comparou a saída de Messi do Barcelona a um "3º título do Real Madrid" na temporada 2019/20.

E não demorou para os torcedores culés demonstrarem seu sentimento. Horas depois da "bomba" explodir, milhares de fãs foram às ruas da capital da Catalunha pedindo para o presidente da equipe do Camp Nou, Josep Maria Bartomeu, resignar ao cargo.

Os bastidores do Barça fervilharam. Em suas redes sociais, o famoso ex-presidente do time azul-grená Joan Laporta pediu para que Bartomeu e toda sua diretoria renunciassem imediatamente.

Ao mesmo tempo, as previsões sobre o futuro de Messi já começaram.

No início da noite, a ESPN mostrou que o argentino havia ligado para o técnico Josep Guardiola e avisado que gostaria de se juntar ao amigo no Manchester City.

No entanto, a questão que imperava era se o camisa 10 conseguiria deixar o Barça de graça, como queria seu estafe, ou se o time do Camp Nou conseguiria manter sua multa rescisória de 700 milhões de euros (R$ 4,5 milhões), praticamente "impagável" por qualquer outra equipe do mundo.

A ESPN explicou todos os cenários nesta reportagem.

QUARTA-FEIRA, 26 DE AGOSTO

Após passar toda a terça-feira "apanhando", a diretoria culé tentou iniciar uma "reação" na quarta-feira.

Durante a apresentação do atacante Francisco Trincão, reforço para a temporada 2020/21, o novo secretário-técnico do Barça, Ramón Planes, admitiu que a agremiação havia sido "impactada" pela notícia da possível saída de Messi, mas garantiu que o clube iria fazer de tudo para segurar seu principal jogador.

Ao mesmo tempo, também foi possível ver que, na própria imprensa catalã, as opiniões começaram a se dividir. O colunista Salvador Sostres, do diário ABC, por exemplo, colocou Messi como "parte dos problemas" do Barcelona e falou em "tirania" no pedido para sair da equipe.

O interesse do Manchester City foi se tornando cada vez mais forte, e a ESPN acompanhou o caso em cima.

Primeiro, a reportagem mostrou que a equipe inglesa já havia separado cerca de R$ 1 bilhão para investir na contratação do craque, caso ele não conseguisse se livrar da multa rescisória.

Em seguida, apresentou o plano do City Football Group para seduzir Messi, com um contrato longo em Manchester e depois um plano de aposentadoria no New York City FC, da MLS, que pertence ao mesmo grupo.

A imprensa inglesa se animou, a já mostrou até mesmo os números de camisas disponíveis para o craque sul-americano no Etihad Stadium.

No entanto, ao mesmo tempo que os Citizens mostravam confiança, o Paris Saint-Germain começou a entrar na jogada...

O jornal L'Équipe revelou o interesse do time parisiense, apesar de adotar um tom pessimista. A ESPN confirmou o interesse, contando que o PSG iria entrar na briga se houvesse a possibilidade de ter o argentino de graça ou por um valor baixo.

De Barcelona, a reportagem apurou que o camisa 10 decidiu se apresentar normalmente para o início da pré-temporada, evitando uma briga jurídica com o Barça.

E, já de noite, ainda houve invasão de torcedores blaugranas ao Camp Nou, apoiando Messi, pedindo sua continuidade no Barcelona e exigindo a saída de Bartomeu e sua diretoria.

QUINTA-FEIRA, 27 DE AGOSTO

Na quinta-feira, a ESPN já soltou uma "bomba" logo cedo: a apuração de que Messi cogitava ficar uma temporada inteira seu jogar, até o final de seu contrato, no meio de 2021, caso o Barcelona não o deixasse sair em seus termos.

Na Alemanha, houve questionamentos se o Bayern de Munique, atual campeão da Champions League, não teria interesse em La Pulga. No entanto, o CEO da equipe, Karl-Heinz Rummenigge, negou qualquer chance de contratação.

Na Inglaterra, a mídia local tentou manter um olhar mais crítico sobre a possibilidade da chegada do argentino ao Manchester City, apresentando prós e contras da contratação.

Um dos maiores contas, aliás, era o fato de Messi tirar espaço de Phil Foden, meia-atacante que é apontado como maior nome do futuro do futebol inglês.

Já na Catalunha, o jornal Mundo Deportivo, que tem forte ligação com a diretoria do Barça, mostrou que os cartolas iriam mesmo fazer "jogo duro" com Messi para dificultar sua saída de todas as formas possíveis.

No entanto, o canal espanhol TV3 apurou que Bartomeu vinha se sentindo encurralado, e abriu a possibilidade de abrir mão da cadeira de presidente caso o camisa 10 assegurasse sua permanência no Camp Nou.

Na parte final do dia, quando as coisas pareciam ter se acalmado, veio mais um torpedo: o City havia começado a preparar uma "superoferta" ao Barcelona pelo craque argentino, composta de uma boa quantidade de dinheiro e mais três jogadores, entre eles o brasileiro Gabriel Jesus.

SEXTA-FEIRA, 28 DE AGOSTO

A sexta-feira começou com uma "bomba atômica": a ESPN apurou que Neymar ligou para Messi e tentou convencer o amigo a optar pelo PSG ao invés do Manchester City.

Na Espanha, os correspondentes ESPN mostraram que o grupo de WhatsApp dos jogadores do Real Madrid "explodiu" em incredulidade com as recentes notícias sobre o argentino.

Da Inglaterra, mais uma voz importante comentou o tema do momento: Jurgen Klopp, treinador do Liverpool, garantiu não ter interesse na chegada de La Pulga.

Enquanto isso, a ESPN revelou que o Manchester City passou a se sentir na "pole position" por Messi, tendo a certeza de que o sul-americano já estava decidido a trabalhar com Pep Guardiola e que iria dizer "não" a qualquer oferta de outra equipe.

Todavia, o jornal Manchester Evening News garantiu que os Citizens não pensagem em incluir Gabriel Jesus, Mahrez e Bernardo Silva em negociações com o Barcelona.

No início da tarde, o jornal El Periódico anunciou que Messi havia pedido uma reunião com a diretoria do Barça, na qual tentaria resolver as coisas de maneira amistosa para ratificar sua saída do Camp Nou.

No entanto, os cartolas se mostraram intransigentes, dizendo ao craque que só fariam uma reunião para ele renovar o contrato e seguir sendo culé. Caso contrário, não havia nada que negociar, afirmaram eles.

Na França, o L'Équipe relatou que o diretor esportivo do PSG, Leonardo, ligou para Jorge Messi, pai e representante do camisa 10, para formalizar o interesse no atleta. Contudo, ouviu de Jorge que o filho já estava decidido a jogar no Manchester City.

Isso não impediu, porém, outra bomba de proporções nucleares de aparecer na sequência: a Juventus entrou forte nas negociações para tentar contratar Messi e formar uma inédita dupla entre o argentino e Cristiano Ronaldo.

A noite foi fechada com uma notícia bizarra: o site oficial do Cruzeiro foi hackeado e anunciou a contratação do atacante mais cobiçado do futebol mundial por quatro anos.

SÁBADO, 29 DE AGOSTO

O final de semana começou com a ESPN mostrando que, caso Messi chegasse mesmo ao Manchester City, ele teria o maior salário disparado do elenco.

Logo depois, a ESPN revelou que o argentino havia ficado irritado com a recusa da diretoria do Barça em se reunir com ele, e iniciou um pensamento de boicote à apresentação com o elenco para a pré-temporada.

Horas depois, a reportagem confirmou o que começava a se armar: o camisa 10 de fato decidiu não aparecer para o 1º dia de trabalho da temporada 2020/21, abrindo guerra formal contra o time do Camp Nou.

Mesmo com o novo desenrolar dos fatos, a alta cúpula culé manteve o pé batido no chão, se recusando a marcar encontro com o camisa 10 e dizendo ainda acreditar que podia fazer o atleta mudar de ideia quanto à saída.

Fechando a noite, a rádio Cadena SER informou que Messi não seria obrigado a pagar a cláusula de 700 milhões de euros (quase R$ 4,5 bilhões) para deixar o Barcelona na sua última temporada de contrato. Jordi Blanco, repórter da ESPN, questionou a diretoria blaugrana, que discordou e disse que a multa seguia ativa.

DOMINGO, 30 DE AGOSTO

No início do domingo, confirmou-se o que a ESPN já havia antecipado, e Lionel Messi de fato não se apresentou aos treinos do Barcelona.

No entanto, LaLiga, que organiza o Campeonato Espanhol, emitiu comunicado dando razão ao Barcelona e dizendo que, à luz da Justiça espanhola, o argentino só deveria ser liberado com o pagamento da cláusula rescisória.

No entanto, a reportagem mostrou que Messi e seu estafe possuem um "carta na manga" para deixar o Camp Nou sem o pagamento da multa.

Os bastidores seguiram agitados, e o Barça dispensou os serviços do escritório de advocacia Cuatrecasas, um dos maiores da Espanha, afirmando que os profissionais da empresa auxiliaram Messi em sua "rebelião" contra a equipe.

De tarde, o jornal Mundo Deportivo revelou que Jorge Messi preparou viagem a Barcelona, onde tentaria resolver de vez a questão da saída do filho de forma "amigável".

Enquanto isso, na Inglaterra, o Manchester City seguiu traçando planos mirabolantes para ter o argentino. Segundo o jornal Daily Mirror, a equipe inglesa ofereceu sete jogadores em troca de Messi: os zagueiros Eric Garcia, Jon Stones e Nicolas Otamendi, além dos laterais Angeliño, Benjamin Mendy, João Cancelo e Oleksandr Zinchenko.

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE AGOSTO

Na última segunda-feira, a ESPN mostrou que a única forma legal de Lionel Messi deixar o Barcelona a custo zero seria prometendo não disputar nenhuma partida na temporada 2020/21.

De tarde, a reportagem mostrou que o técnico Ronald Koeman iniciou sua "era" no Barça sem Messi, que não se apresentou para a pré-temporada, e com apenas 19 jogadores.

E, de noite, para descontrair, um torcedor do Stuttgart, que subiu recentemente para a Bundesliga, criou uma vaquinha virtual para juntar "apenas 900 milhões de euros (quase R$ 6 bilhões) para sua equipe contratar Messi...

TERÇA-FEIRA, 1º DE SETEMBRO

A terça-feira começou com uma bomba: a ESPN apurou que Jorge Messi, e representante do atacante, já estava de malas prontas para embarcar para Barcelona. Ele voaria na própria terça, e tentaria resolver tudo com os culés na quarta-feira em uma reunião chave.

A imprensa catalã reagiu imediatamente. Em artigo polêmico, o colunista Emílio Pérez de Rozas disse que o estafe do camisa 10 estava tentando resolver as coisas de forma "amadora", e pediu ao Barça que seguisse mantendo postura dura no caso, para não ser feito de "tonto".

Em seguida, foi divulgada entrevista do meia Frenkie de Jong a canais de TV da Holanda, na qual ele dizia que o Barcelona estava um "caos". Na conversa, ele também contou que Messi seguia no grupo de WhatsApp dos jogadores, e manifestou seu desejo que o argentino continuasse no Camp Nou.

Em outra entrevista de enorme repercussão, o diretor esportivo da Inter de Milão, Piero Ausilio, descartou publicamente qualquer chance de contratação de Messi, como a imprensa italiana vinha especulando.

O dia terminou com a imprensa inglesa reagindo e mantendo o camisa 10 próximo do Manchester City, mas salientando que não seria boa ideia ele assumir a faixa de capitão da equipe, pois isso poderia rachar o vestiário.

QUARTA-FEIRA, 2 DE SETEMBRO

A quarta-feira começou muito agitada. Jorge Messi chegou à Espanha e de cara disparou: "É difícil que Leo fique no Barcelona".

Pouco depois, o meia Ivan Rakitic, em sua entrevista de despedida do Barça antes de retornar ao Sevilla, comentou a situação vivida pelo argentino.

O time blaugrana, por sua vez, "se fez de surdo" quanto às declarações do pai de Messi e estampou o craque nas campanhas dos novos uniformes do clube.

play
0:39

O dia que Daniel Alves e Messi reinventaram o conceito de aquecimento

O brasileiro e o argentino tinham uma forma especial de aquecer antes das partidas do Barcelona

Enquanto isso, a imprensa inglesa já fazia as contas para ver se o Manchester City conseguiria contratar Messi e acomodá-lo no elenco sem quebrar o fair play financeiro.

E no final da tarde, finalmente ocorreu a tão esperada reunião entre Barça e Jorge Messi.

No encontro, a equipe catalã se manteve inflexível na postura de manter Lionel no elenco e descartou qualquer tipo de negociação tentada pelo pai do argentino, evitando qualquer acordo.

Ainda houve tempo para dois jogadores do Real Madrid comentarem a "novela". Primeiro, o volante Toni Kroos falou do tema, e o zagueiro Sergio Ramos também deu seu pitaco.

QUINTA-FEIRA, 3 DE SETEMBRO

A quinta-feira foi iniciada com uma enorme reviravolta: Jorge Messi mudou seu discurso e admitiu que o filho poderia cumprir seu ano de contrato final com o Barcelona.

Em seguida, a ESPN apurou que o Barça também já trabalhava com essa possibilidade, e desejava dar uma saída "elegante" a um dos principais jogadores de sua história.

A reportagem também mostrou que o Manchester City seguia bastante interessado em sua chegada, mas que desejava contar com o camisa 10 agora, e não em 2021.

De tarde, o lateral Andrew Robertson, do Liverpool, comentou a possível chegada do argentino à Premier League e brincou que não gostaria, pois não queria marcá-lo em campo.

E já de noite, foi a vez do brasileiro Rivaldo, lenda do Barcelona, se manifestar sobre a "novela".

Na opinião do ex-melhor do mundo, não haveria qualquer problema entre Messi e a torcida culé caso o craque confirmasse seu "fico" no Camp Nou.

SEXTA-FEIRA, 4 DE SETEMBRO

Na sexta, o volante Fernandinho, do Manchester City, participou do "Resenha", da ESPN Brasil, e disse que estava à espera de Messi no Etihad Stadium.

Pela manhã, Jorge Messi enviou carta a LaLiga, reclamando da intransigência do Barcelona e da multa rescisória "impagável" de 700 milhões de euros no contrato do filho.

E, no início da tarde, veio finalmente a "bomba" final na novela mais agitada do mundo do futebol.

Em entrevista ao Goal, Messi revelou que irá seguir no Barcelona até o fim de seu contrato, e garantiu que nunca irá entrar na Justiça contra o clube.

Na longa conversa com o site, porém, ele aproveitou para detonar o presidente da equipe culé, Josep Maria Bartomeu.

O craque ainda irrompeu contra todos os que duvidaram de seu "barcelonismo", criticou a imprensa por publicar informações erradas e reclamou da "falsidade" no meio do futebol.

O capítulo final da história foi escrito pelo jornal Marca, que publicou uma lista de prós e contras do "fico" de Messi no Camp Nou.