<
>

Ex-Flamengo se diz surpreso com saída após postura irredutível de Paulo Sousa: 'Disse que eu não era necessário'

Antigo membro da comissão permanente do Flamengo, Mauricio Souza foi demitido no último dia 10 de janeiro


Paulo Sousa chegou ao Flamengo no último dia 10 de janeiro e, com ele, trouxe membros para a comissão técnica. E o dia da apresentação do português foi também de despedidas no Rubro-Negro. Mauricio Souza, o Mauricinho, foi desligado do clube.

Em entrevista ao Charla Podcast, no YouTube, o ex-membro da comissão permanente da equipe carioca afirmou que, após dar o primeiro treino de pré-temporada aos profissionais, teve sua demissão anunciada.

"Dei treino no dia 10, profissional começava a pré-temporada, dois períodos. Perguntei ao Bruno minha função. Se eu acabaria o treino e iria embora, pois passou a fase dos dois períodos. Ele pediu para esperar um pouco. Voltou, me chamou com o Gabriel Skinner, disse que teve conversa com Paulo, falando da minha função, mas disse que o Paulo estava irredutível, disse que não era necessário ter uma função dessa. Que a comissão não era necessária".

Pego de surpresa com a demissão, Mauricinho afirmou que o cargo em que atuava fazendo a transição entre o sub-20 e o profissional foi extinguido após pouco meses.

"Por isso eu falo que fui surpreendido. Todos os jogos que fiz no Flamengo, tirando os quatro últimos, eu era do sub-20. Sempre que precisou eu iria. Não mudaria nada. O que mudaria era ter uma pessoa para agregar conhecimento e poder tranquilizar as transições, o que estava sendo feito. Para mim, o Flamengo montou esse cargo para isso. Ele (Spindel) me agradeceu, falou que é grato por tudo, mas que infelizmente não teira como realocar. Eu também não aceitaria".

"Aí disse que tinha que me liberar. O que me pega de surpresa é que foi criado um cargo e durante seis meses parou. Acredito que não vai trazer. Se ele não aceitou interferência, foram essas palavras, reproduzo exatamente as palavras do Bruno. Agradeci, fim de ciclo, peguei minhas coisas e fui embora. Surpreso porque se falava que o Flamengo não iria abri mão, entendi que tinha confiança na minha pessoa. Durou tão pouco tempo um cargo que o clube entendia ser importante", completou.

Presente em 2019, quando o Flamengo encantou sob o comando do Jorge Jesus, Mauricio Souza afirmou que Paulo Sousa não irá repetir o legado do Mister. No entanto, destacou que o sucesso pode ser, sim, parecido.

"Em relação ao Paulo, eu não acho que o Paulo não possa repetir o Jorge Jesus, o Flamengo tem muita capacidade de ter um ano tão bacana quanto foi 2019. O que eu acho que é outro Jorge Jesus não vai encontrar. Outro Paulo Sousa você não vai encontrar, outro Rogério, outro Renato, outro Renato. Sucesso pode repetir".

"Em um ano que você foi vice-campeão da Conmebol Libertadores e do Campeonato Brasileiro, o ano é taxado como ano ruim. Entendo, é uma torcida apaixonada e que cobra. Mas o Flamengo chegou até o final delas. Em anos difíceis, conseguiu o resultado que tiveram, em um ano mais fácil, organizado, com treinador iniciando trabalho desde o início, acho que o Flamengo pode repetir um ano como 2019, mas temos equipes fortes para impedir o ano do Flamengo", finalizou.