<
>

Jesus, polêmica com DM e Paulo Sousa x Diego Alves: todas as vezes em que diretoria do Flamengo 'silenciou' em meio ao caos

Flamengo terá a chance de amenizar a crise, neste sábado (21), diante do Goiás pelo Brasileirão


Depois de uma semana de turbulência nos bastidores, o Flamengo entra em campo neste sábado (21), às 16h30 (de Brasília), para enfrentar o Goiás, no Maracanã, pela 7ª rodada do Campeonato Brasileiro, para tentar espantar a crise que assola o Ninho do Urubu.

O clube rubro-negro definiu que além do técnico Paulo Sousa, Bruno Spindel, diretor executivo, e o vice de futebol Marcos Braz também vão falar em entrevista coletiva após a partida. Será a primeira vez que um membro da diretoria será porta voz depois de uma série de polêmicas envolvendo Jorge Jesus, o departamento médico, o goleiro Diego Alves e o próprio Paulo Sousa.

Tudo começou quando o Mister revelou ao jornalista Renato Maurício Prado que gostaria de voltar para o Flamengo e deu o prazo até o dia 20 de maio para que o clube o procurasse.

"Quero voltar, sim. Mas não depende só de mim. Posso esperar até pelo menos o dia 20. Depois disso, tenho que decidir minha vida", começou por afirmar, antes de falar sobre os sentimentos que tem pelo clube carioca.

"Esse time ainda mexe comigo. Me incomoda vê-lo em dificuldades. Tenho certeza de que se eu tivesse continuado teríamos conseguido uma longa hegemonia por aqui. Estávamos bem à frente dos demais."

Insatisfeitos com o início de Paulo Sousa no Brasileirão - com apenas seis pontos somados em seis jogos - torcedores rubro-negros iniciaram um movimento nas redes sociais pedindo o retorno do técnico português.

Na ocasião, as hashtags ‘#VoltaJJ’ e ‘#MisterNoFlamengo’ entraram nas primeiras posições dos trending topics do Brasil e aumentaram ainda mais a pressão sobre Sousa, que já vivia uma situação delicada para escalar jogadores depois de uma série de baixas que escancararam uma crise profunda no departamento médico do clube.

Além dos desfalques nas partidas e da convocação de jogadores longe da condição ideal, o estado físico de quem retorna de lesão também foi motivo de preocupação. Diversos atletas acabaram se machucando novamente após uma recuperação de lesão antiga, como o zagueiro Pablo e o lateral Filipe Luís. O departamento médico chefiado por Marcio Tannure sofreu questionamentos para comunicar com mais clareza o real estado de cada jogador.

Mas esse problema começou lá atrás, ainda em 2021, com Pedro, quando o atacante entrou em atrito com o DM, que não informou o resultado do exame de seu exame após a vitória sobre o Juventude por 3 a 1, no dia 13 de outubro, e 'segurou' até onde conseguiu a informação da cirurgia do atleta. O camisa 21 ainda chegou a atuar lesionado contra o Athletico-PR, no dia 20 do mesmo mês. Irritado com toda a situação, ele decidiu realizar o procedimento para corrigir uma lesão no menisco do joelho direito fora do clube com um médico particular e esquentou o clima no Ninho do Urubu.

A segunda vez que um problema médico causou turbulência no Flamengo foi com Rodrigo Caio. O camisa 3 passou por um procedimento cirúrgico no dia 7 dezembro de 2021 no joelho direito. No entanto, como a ESPN informou em primeira mão na época, o zagueiro teve uma recuperação bastante complicada.

Em um primeiro momento, Rodrigo Caio precisou ser internado para se recuperar de uma infecção no local. O departamento médico optou por um tratamento com antibiótico na veia para acelerar a recuperação. No entanto, a medicação não fez efeito como o esperado, com Rodrigo Caio, inclusive, retornando ao hospital dias depois com febre em virtude do forte remédio tomado.

Mais recentemente o zagueiro Fabrício Bruno também teve problemas. Contratado do Red Bull Bragantino para ser o substituto de Rodrigo Caio, o atleta vivia bom momento e era titular absoluto de Paulo Sousa. No entanto, o drama começou na final do Campeonato Carioca. No primeiro jogo da decisão contra o Fluminense, no dia 30 de março, o defensor deixou o campo se queixando de dores no pé esquerdo.

Diante da importância do atleta, o Flamengo, já ciente de suas reclamações pela forte dor na região da planta do pé, mesmo assim o relacionou para o segundo jogo da final, no dia 3 de abril. Só que Fabrício Bruno sentiu logo no aquecimento e foi baixa. O departamento decidiu fazer um tratamento com corticóides que são considerados doping no futebol. Mesmo assim, não obteve melhora suficiente para um retorno. O jogador passou por cirurgia e tem prazo de retorno para dois meses.

Nos últimos dias, o caldo da panela de pressão que já fervia, entornou de vez com o atrito entre Paulo Sousa e Diego Alves. E tudo começou quando o português afirmou em entrevista coletiva após a partida contra a Universidad Católica, na última terça-feira (17), pela Conmebol Libertadores, que não relacionou o goleiro, pois o camisa 1 ainda sentia dores no púbis.

"Após o jogo contra o Botafogo, no dia seguinte, sentiu dores no púbis. O departamento médico fez ressonância médica e temos que confiar no jogador. Temos o exame para analisar, mas ouvir o que o jogador sente. Ele sentia muitas dores. Um colaborador meu fala com todos os jogadores, para ter sensações, nível de dor, se dormiu bem, dormiu mal, ir ajustando. Nesse dia de manhã, continuava a ter dores. À tarde, nosso fisioterapeuta disse que o Diego estava melhorzinho, ontem (véspera do jogo)'', disse o português na ocasião.

De acordo com Paulo Sousa, como o goleiro não treinou, não podia estar entre os relacionados para o jogo.

''Normalmente o tempo que leva a recuperação não pode ser do dia para a noite ou por uma reunião que teve com Bruno Spindel na hora do almoço e que rapidamente se recuperou e estaria disponível para jogar. Os processos não são assim, os jogadores para jogar têm que treinar, (ele) não treinou desde o jogo contra o Botafogo. Se não treinou, por isso, não poderia estar relacionado", explicou Paulo.

No entanto, na conversa citada pelo treinador entre Bruno Spindel, diretor executivo de futebol, e Diego Alves, o goleiro teria falado que já estava recuperado e que teria condições de jogo.

De acordo com apuração da reportagem, Diego Alves teria falado o oposto para Bruno Spindel, dizendo que não teria condições de atuar diante da Católica por conta de uma dor.

Diante de uma série de polêmicas, a diretoria rubro-negra se calou. Agora, o Flamengo terá a chance de amenizar o clima turbulento. Uma vitória diante do Goiás neste sábado daria aos flamenguistas a paz que há um tempo não reina no Ninho.