<
>

CS:GO | Comandando um elenco jovem, bit diz que mescla de talentos é 'muito boa'

play
Argentina x Brasil: veja como foi simulação do clássico no videogame (2:15)

Equipes se enfrentam na terça-feira, às 20h30, pelas Eliminatórias | Assista ao melhor do futebol pela ESPN no Star+ (2:15)

Em entrevista ao ESPN Esports Brasil, o capitão brasileiro Bruno “bit” conta sobre a aposta em um elenco a longo prazo, a mescla de jogadores experientes e mais novos, ida aos EUA e mais


Quieta no cenário latino americano de CS:GO e colhendo participações em campeonatos internacionais aqui e ali, um dos grandes times da região no último ano foi a 9z Team. Liderados pelo experiente capitão brasileiro Bruno “bit”, a equipe que hoje é representada por jovens talentos vem colecionando boas participações nos campeonatos da temporada de 2021. Em entrevista ao ESPN Esports Brasil, o capitão fala sobre a aposta em um elenco de longo prazo, ida aos EUA no próximo ano e também a ausência no Major.

A aposta em montar um projeto a longo prazo com nomes que possam vir a se tornar estrelas no futuro é algo bem semelhante ao planejamento da GODSENT para o ano de 2021 - e até mesmo da campeã do Major de Estocolmo, Na’Vi. No entanto, bit vê sua equipe como um desafio ainda maior, uma vez que, apesar de promissores, os nomes escolhidos não tinham tanta notoriedade em suas equipes anteriores.

“Quando eu entrei no time, o ponto chave foi realmente que eu estava entrando em uma equipe que tinha vários jogadores muito novos no cenário, acho que é um pouco diferente da GODSENT. Eles pegaram basicamente vários jogadores novos, mas todos eram muito bons no Brasil já e todos eram destaque em seus times, como o b4rtin na Team oNe”, conta o jogador brasileiro em entrevista ao portal.

“O meu time [9z Team], tirando o Max que já jogava na Isurus, nenhum jogava em alguma equipe de ponta, só no cenário argentino - que não tinha um nível tão legal na época. Eu queria o desafio de realmente ter pessoas novas, ter uma galera mais jovem e de poder ajudar a melhorar, além de criar uma coisa com um prazo um pouco mais longo”.

Seguindo uma tendência que se tornou comum nos últimos tempos do CS:GO, a equipe argentina da 9z Team hoje é formada majoritariamente por talentos promissores e que ainda não possuem uma bagagem tão grande, mas também contam com os brasileiros zakk e bit, treinador e capitão respectivamente, que possuem experiência de sobra para passar aos mais novos.

Durante a entrevista, bit revela que gosta muito dessa estratégia adotada por algumas equipes de mesclar talentos mais novos com os mais velhos, uma vez que traz a vontade daqueles que estão chegando agora com a experiência daqueles que estão há tempos caminhando.

“No modo geral, o cenário [de CS:GO] está com bastante tendência de mesclar jogadores antigos com novos, não só aqui no Brasil, mas por exemplo a Na’Vi é uma equipe que tem vários jogadores experientes e colocou o Boombl4 e o b1t que não são tão experientes. Essa mescla é muito boa porque traz uma experiência de conhecimento de jogo de jogadores antigos com uma energia nova de jogadores que tem muito a oferecer em questão de habilidade, aprendizados, vontade, etc. Nosso time é basicamente isso, a galera realmente se interessa e tem vontade de evoluir e aprender”

Alcançando bons resultados durante a temporada competitiva de 2021, a 9z Team foi uma das equipes de destaque na região sul-americana e teve diversas oportunidades de ter o gostinho dos campeonatos internacionais na Europa. No entanto, em meio a toda essa caminhada recheada de bons resultados em uma região que ainda não tem um nível tão bom, a pergunta que fica é: quando veremos a equipe atuando lá fora?

JOGANDO EM UMA NOVA REGIÃO

A verdade é que os planos sempre foram de atuar internacionalmente, inclusive a equipe poderia ter ido no começo deste ano, segundo o jogador, mas acabou não seguindo em frente devido às complicações da pandemia e também por conta da idade dos demais jogadores: “É um pouco complicado fazer essa mudança em um período tão difícil no mundo, até porque a 9z é muito responsável com os jogadores. Imagina o try, por exemplo, pega Covid fora da Argentina, longe da família… é uma questão complicada”.

“Nosso plano sempre foi de nos mudar para os EUA, no começo desse ano já era para termos ido, mas acabou não rolando por conta do COVID-19. [Por conta disso] a gente acaba aproveitando o máximo de tempo das oportunidades que temos de vir para a Europa jogar algum campeonato e aproveitamos para fazer um bootcamp também. O plano é jogar fora, é o que a gente quer, mas a pandemia acabou dificultando [...] Agora acho que vai sair em breve, espero que até o começo do ano que vem”, confessa o capitão.

No último mês, o Brasil foi representado por quatro equipes nos palcos do Major de Estocolmo: FURIA, GODSENT, Sharks e paiN Gaming - e por Fallen, que vestiu o uniforme da Team Liquid neste ano. Sem participar dos eventos RMR deste ano, a 9z Team acabou ficando de fora do torneio e ciente da força e desempenho da equipe nos últimos campeonatos, a dúvida de se seriam capazes de garantir uma vaga paira sobre a cabeça de bit.

No entanto, hoje com uma caminhada longa dentro do cenário competitivo de Counter-Strike, seja no 1.6, Source ou no Global Offensive, a não participação no Major não é algo que afetou o jogador brasileiro, ao mesmo passo que também acha que não deveria afetar os jogadores mais novos, que ainda estão começando suas carreiras e terão diversas oportunidades para pisar nos palcos de um dos campeonatos mais importantes da modalidade.

“Você olha várias equipes brasileiras, o nível que a gente tá e o fato de termos ganhado vários campeonatos no Brasil, então fica na cabeça: ‘Será que se a gente tivesse jogado a gente conseguia essa vaga?’. Então você fica se questionando, mas na verdade, todos os outros jogadores da 9z são muito novos e vão ter várias oportunidades de jogar outros Majors [...] oportunidade para eles é algo que não vai faltar, fica na cabeça por conta do momento que a gente vive, acho que teríamos a oportunidade de ganhar uma vaga, mas tá tranquilo”.

Conquistando títulos ali e aqui ao longo de 2021, a equipe ainda tem compromissos para o ano e o próximo será a BLAST Rising LATAM 2021, onde encontrarão times como DETONA Gaming, FURIA Academy, Sharks e muitos outros grandes times do cenário sul-americano. O campeonato que tem início em 30 de novembro e acontece até 12 de dezembro, terá como premiação total o valor de U$ 15 mil (aproximadamente R$ 83 mil).