<
>

Futuro de Paul George, agentes livres e investimentos: o que esperar dos Clippers na próxima temporada

Uma grande decepção. Isso resume a temporada do Los Angeles Clippers, especialmente a eliminação para o Denver Nuggets, na semifinal da Conferência Oeste.

Um ano atrás, os Clippers fizeram muito barulho, adquirindo Kawhi Leonard e Paul George em uma das melhores off seasons da história da NBA.

Agora, em vez de chegar na primeira série de final de conferência da história da franquia e talvez seu primeiro título, os Clippers estão voltando para casa, pensando em como perderam três jogos seguidos para os Nuggets.

Leonard e George poderão ser agentes livres daqui um ano. Nesta off season, os Clippers podem explorar conversas de extensão contratual com George. Mas sua primeira prioridade pode ser as decisões sobre os agentes livres já desta temporada: Montrezl Harrell, Marcus Morris Sr. e JaMychal Green.

Nota: Os dados são baseados no teto salarial de 2019-20, conforme esperado. Números estão sujeitos a ajustes.


Os agentes livres: Harrell, Morris e Green

Os Clippers não irão atrás de grandes agentes livres nesta off season. A ideia é manter os que já estão no elenco e podem deixar a franquia.

LA tem US$ 114 milhões (R$ 597 milhões) em salário comprometido, US$ 18 milhões (R$ 94,3 milhões) abaixo do limite de imposto projetado. Para trazer de volta os três agentes livres, os Clippers provavelmente mergulharão no imposto de luxo pela primeira vez desde 2016-17.

Permitir que os três saiam pela porta da frente deixaria os Clippers com apenas US$ 9,3 milhões (R$ 48,7 milhões) de nível médio e US$ 3,6 milhões (R$ 18,8 milhões) de exceção semestral para usar em uma classe de agentes livres médios na melhor das hipóteses.

Considerando que a diretoria da franquia desistiu de três escolhas de primeira rodada, e George e Leonard podem ser agentes livres em 2021, este não é o momento para os Clippers serem conservadores. Os Clippers certamente terão dinheiro, mas também terão o luxo de recursos financeiros praticamente ilimitados.

Enquanto outras equipes da NBA estão sentindo a crise financeira por causa da pandemia de COVID-19, esse não é o caso dos Clippers. O proprietário da equipe Steve Ballmer tem um patrimônio líquido estimado em cerca de US$ 75 bilhões (R$ 392,8 bilhões) e recentemente comprou o The Forum por US$ 400 milhões (R$ 2,09 bilhões) em dinheiro. O local será usado para construir uma arena com 18 mil lugares, instalações para treinos e escritórios. O custo total é de US$ 1,2 bilhão (R$ 6,3 bilhões).

Aqui está uma olhada nos principais agentes livres dos Clippers, começando com o Sexto Homem do Ano em 2020.

MONTREZL HARRELL

Em 2018, os Clippers fizeram um contrato amigável com Harrell: dois anos, US$ 12 milhões (R$ 62,8 milhões). Nas últimas duas temporadas, Harrell teve uma média de 17,5 pontos com 59,8% de aproveitamento nos arremessos de quadra e jogou todas as partidas da temporada regular, exceto em um (por conta de gripe). Apesar de ter saído do banco em todos, menos sete jogos (de 145), Harrell teve uma média de quase seis minutos no quarto período.

Desta vez, embora ele seja um agente livre irrestrito, a situação financeira da NBA, juntamente com as equipes que o veem como um defensor fraco, vai atrapalhar seu próximo contrato.

Defensivamente, Harrell ficou em 43° entre os jogadores da posição ala-pivô (também em 43° entre os pivôs) na estatística de plus-minus real. Segundo o Cleaning the Glass, ele ficou 19° em rebotes defensivos. Na derrota no jogo 6 para o Denver, os Clippers foram derrotados por 19 pontos nos 15 minutos de Harrell em quadra, e Harrell teve apenas um rebote.

A criação de um mercado para forçar os Clippers a oferecer algo para Harrell pode ser um desafio para o seu agente, Rich Paul. Antes da pandemia, Paul poderia ter razoavelmente esperado que o novo salário de Harrell atingisse US$ 20 milhões (R$ 104,7 milhões). Com o limite projetado para estagnar em US$ 109,1 milhões (R$ 571,4 milhões), apenas Atlanta Hawks, Charlotte Hornets, Detroit Pistons, Miami Heat e New York Knicks devem ter esse espaço. As 24 equipes restantes terão as exceções de US$ 9,3 milhões (R$ 48,7 milhões) ou US$ 5,7 milhões (R$ 29,8 milhões).

Os Hawks podem ser removidos da lista com as contratações de Clint Capela e Dewayne Dedmon. O mesmo com o Heat por causa de seu desejo de preservar a flexibilidade em 2021 e também por causa de Bam Adebayo. O gerente geral Mitch Kupchak, dos Hornets, provavelmente adotará uma abordagem cautelosa ao gastar o dinheiro de Charlotte. Isso deixaria Detroit, Nova York (já com Mitchell Robinson) e os Clippers como as únicas opções.

Claro, existe a opção de sign and trade se Clippers e Harrell não conseguirem chegar a um acordo. Mas como o próximo contrato de Harrell provavelmente será superior a US$ 7,2 milhões (120% de seu contrato anterior), a regra de compensação do ano-base se aplicaria. Por exemplo, se o contrato de Harrell começar em US$ 14 milhões (R$ 73,3 milhões), apenas US$ 7 milhões (R$ 36,6 milhões) podem ser usados para o salário de saída.

Um contrato justo para os Clippers e Harrell seria de dois anos no total de US$ 28 milhões (R$ 146,6 milhões), com uma opção de jogador no segundo ano. O salário de US$ 14 milhões no primeiro ano seria quase igual ao valor que Harrell ganhou em toda a sua carreira, e o negócio daria a ele a opção de entrar na agência livre novamente em 2021. Os Clippers teriam um ativo comercial - embora Harrell possa vetar - e evitariam um compromisso de longo prazo.

Possíveis substitutos caso Harrell não fique nos Clippers: Nerlens Noel, Aron Baynes e Bismack Biyombo.

MARCUS MORRIS SR.

Se estivéssemos classificando os agentes livres dos Clippers em termos de prioridade, Morris (e Green) provavelmente ultrapassariam Harrell, com base nestes fatores:

  • Versatilidade no lado ofensivo, com capacidade para preencher qualquer posição;

  • Capacidade de marcar em três ou mais posições;

  • Arremesso de 3 pontos (50,9% nos playoffs e 40,8% na temporada regular).

Morris está fechando um contrato de um ano, US$ 15 milhões (R$ 78,5 milhões), que ele assinou com Nova York. O pagamento inicial de salário permitiria aos Clippers oferecer um salário inicial de US$ 18 milhões (R$ 94,3 milhões), apesar de ele ter apenas direitos não-Bird.

Espere que o mercado para os forwards (posições 3 e 4) comece com a exceção de nível médio de US$ 9,3 milhões e se expanda para US$ 14 milhões a US$ 15 milhões, mas por apenas um ano. Em teoria, uma equipe como Atlanta ou possivelmente Detroit (de novo) seria uma boa opção para um contrato de um ano e US$ 15 milhões a US$ 17 milhões (R$ 89 milhões). No entanto, com a receita em todo o campeonato tendo um impacto significativo, espere que as equipes, mesmo aquelas com espaço no teto salarial, adotem uma abordagem conservadora.

Quanto aos Clippers, o ponto de partida não deve ser US$ 18 milhões (o máximo permitido), mas na faixa de US$ 12 milhões (R$ 62,8 milhões) a US$ 13 milhões (R$ 68,1 milhões) por ano em um contrato de dois anos. Esse comprimento se alinha com o que resta nos contratos de Leonard e George.

JAMYCHAL GREEN

Apesar do cenário financeiro incerto da NBA, os Clippers devem estar preparados para que Green possa optar por não dar continuidade ao contrato de US$ 5 milhões (R$ 26,1 milhões).

Green tem valor em ambas as extremidades da quadra por causa de sua versatilidade para marcar em várias posições. No ataque, ele é uma opção de banco ideal, com média de 6,8 pontos em 38,7% nas bolas de três. Ele seria uma boa opção para Portland, especialmente se Carmelo Anthony não voltar na próxima temporada. Apesar de ter seus direitos renunciados no verão passado, Green terá seus Bird rights, permitindo que os Clippers excedam o limite para trazê-lo de volta.


A potencial extensão de Paul George

Foi há apenas dois anos que George assinou um contrato de US$ 136,9 milhões (R$ 717,1 milhões) por quatro anos em Oklahoma City Thunder. Como o contrato era de quatro anos (não o máximo de cinco), George agora pode ter uma extensão.

Ele também pode se tornar um agente livre no próximo ano por causa de sua opção de jogador em 2021-22, assim como Kawhi Leonard.

Mas os verdadeiros precedentes podem ser CJ McCollum e Bradley Beal, ambos acrescentando anos e dinheiro a seus contratos já existentes. McCollum recebeu mais três anos e US$ 100 milhões (R$ 523,8 milhõs); para Beal, foram dois anos com US$ 72 milhões (R$ 377,1 milhões).

Para George, os Clippers podem adicionar mais três temporadas (se sua opção de jogador for alterada) por um total de US$ 128,9 milhões (R$ 675,2 milhões) em dinheiro novo. Dito isso, não está claro se os Clippers comprometeriam esse tipo de dinheiro para um ala que fará 32 anos antes do início da extensão e tem um histórico de lesões que inclui cirurgia em ambos os ombros, lesão no tendão da coxa nesta temporada e uma fratura na perna direita em 2014.

George certamente poderia apostar em si mesmo optando por testar a agência livre em 2021 e procurando garantir um contrato de cinco anos e US$ 220 milhões (R$ 1,15 bilhão) com os Clippers ou quatro anos e US$ 140 milhões (R$ 733 milhões) com outra equipe. Espere discussões sobre uma extensão nesta off season, sem nenhuma indicação ainda se os dois lados encontrarão um acordo que funcione para todos.


Sobre o cap salarial desta off season

Os Clippers têm US$ 114 milhões em contratos garantidos para 10 jogadores. Eles terão um teto salarial de US$ 109,1 milhões (R$ 571,4 milhões) se Green desistir e não retornar.

O que LA tem em uma exceção de limite será baseado na agência gratuita de Morris e Harrell. Se os dois jogadores retornarem, os Clippers provavelmente terão a exceção de imposto de nível médio de US$ 5,7 milhões (R$ 29,8 milhões).

Os Clippers têm exceções de troca de US$ 3,6 milhões e US$ 1,5 milhão (R$ 7,8 milhões).

Recursos disponíveis para montar o elenco

  1. Seus próprios agentes livres: Harrell, Morris e Green

  2. Contrato expirando de Lou Williams

  3. Dinheiro para enviar e receber por meio de troca

  4. Exceções: até US$ 5,7 milhões de impostos de nível médio


Datas para ficar de olho

  • Green tem até o dia anterior ao início da agência livre para aceitar seu contrato.

  • Joakim Noah tem um contrato não garantido de $ 2,7 milhões (R$ 14,14 milhões). O salário fica protegido se ele não for dispensado no primeiro jogo da temporada regular.


Restrições

  • Por causa da troca de George, os Clippers não podem negociar uma escolha de primeira rodada em qualquer ano.

  • Leonard tem um bônus de troca de 15% em seu contrato. O bônus seria anulado no cenário improvável de Leonard ser trocado.

  • Green não pode ser negociado até que ele escolha o que fazer com o seu contrato.

  • O contrato de U$ 2,7 milhões de Noah não contaria como salário de saída porque não é garantido.


Ativos de Draft

A negociação com George esgotou os ativos de draft dos Clippers. LA enviará a Oklahoma City uma primeira escolha desprotegida em 2022, 2024 e 2026. Além disso, o Thunder tem o direito de trocar as primeiras escolhas em 2023 e 2025.

Da troca de Morris, os Clippers enviaram a Nova York sua primeira escolha deste ano, e os Knicks têm o direito de trocar as escolhas em 2021 (quatro primeiros protegidos).

Veja como Jonathan Givony e Mike Schmitz imaginam que os Clippers se saia no draft:

  • N° 57: Nate Richards | Kentucky | Pivô

Os Clippers têm sua própria escolha de segunda rodada em todos os anos, exceto 2021. Eles também têm uma segunda escolha de Detroit em 2023.