<
>

Como a lesão de Kevin Durant pode mudar todo o futuro da NBA

Kevin Durant, astro do Golden State Warriors, lesionou o tendão de Aquiles na vitória sobre o Toronto Raptors no Jogo 5 das Finais da NBA.

O acontecimento tem consequências gigantes. A não ser que um verdadeiro milagre aconteça, o astro não jogará o Jogo 6 (nem um possível Jogo 7) das Finais. Mais do que isso, ele pode perder os próximos meses de sua carreira.

Assim, as chances dos atuais bicampeões conseguirem o tri diminui consideravelmente, uma vez que KD foi MVP das Finais nos últimos dois anos.

Entretanto, um passo a frente, as consequências vão muito além da atual temporada. Com Bob Myers, presidente das operações de basquete da franquia, anunciando sua lesão no tendão de Aquiles aos prantos, o futuro da NBA recebeu um grande ponto de interrogação.

Kevin Durant tem mais um ano de contrato opcional - ou seja, se ele quiser, fica com os Warriors, recebendo um salário de 31,5 milhões de dólares (R$ 122,4 milhões) apenas em 2019-20.

Mas, até agora, tudo indicava que ele pretendia optar por um novo desafio, rompendo seu contrato e buscando um vínculo que pode render até 221 milhões de dólares (R$ 852 mi) nos próximos cinco anos.


Uma vitória incrível, uma perda horrível': Como Warriors resistiram à lesão de Durant e sobreviveram nas Finais da NBA


Historicamente, a ruptura do tendão de Aquiles deixa jogadores fora das quadras por tempo considerável. Por isso, olhar para as estrelas que sofreram contusão parecida se torna algo importante para as franquias que estão de olho em Durant - o caso, principalmente, do New York Knicks, o destino mais mencionado nos rumores sobre o futuro do camisa 35.

O último grande exemplo está exatamente nos Warriors: DeMarcus Cousins.

O pivô, então com 27 anos no New Orleans Pelicans, rompeu o tendão em janeiro de 2018. Cousins estava em grande momento, mas não voltou a ser o mesmo desde o problema físico. Tanto que, antes da temporada 2018-19, assinou um contrato pequeno com Golden State. Ele demorou cerca de um ano para voltar a atuar.

O caso que pode servir de exemplo para Durant é o de Rudy Gay. Em 2017, o então ala do Sacramento Kings tinha 30 anos, a mesma idade de KD, quando sofreu a lesão no tendão. Gay era o astro dos Kings, mas perdeu parte de sua habilidade atlética desde seu retorno - apesar de ainda sendo eficiente no San Antonio Spurs.

Talvez o caso de Kobe Bryant seja o mais famoso de todos. Com 34 anos de idade, a lenda do Los Angeles Lakers não estava mais em seu auge, mas atuava em alto nível - com média de 27.3 pontos na temporada 2012-13. Depois da lesão, Kobe jogou por mais três anos, porém, viu seu nível cair pouco a pouco - algo que, principalmente pela idade, não é a melhor das comparações para o caso de Durant.

Estatisticamente, os problemas no tendão de Aquiles afetam mais os jogadores com pelo menos 30 anos - Durant completa 31 antes do começo da próxima temporada.

Outra consequência notável é o fato de que atletas que sofrem a lesão dificilmente voltam a jogar como antes - a grande exceção foi Dominique Wilkins, que se contundiu aos 32 anos, em 1992, mas voltou e teve números ainda melhores do que os pré-ruptura do tendão.

Os detalhes da lesão de Durant ainda não foram confirmados, e a recuperação pode levar de seis a oito meses, caso ocorra sem complicações. Ou seja... o próximo time de Durant - ou, quem sabe, o próprio Golden State Warriors - só poderá contar com ele a partir da metade da próxima temporada.