<
>

França é 'favoritaça' para Copa? Por que atuais campeões são 'melhor seleção do mundo' e o ponto que preocupa

play
Griezmann comandou celebração da França com o troféu da Nations League (0:15)

Via @equipedefrance | Craque do Atlético de Madrid se divertiu com a taça no vestiário da seleção francesa | Assista ao Campeonato Francês pela ESPN no Star+ (0:15)

Título da França na Uefa Nations League foi tema de um debate no podcast Futebol no Mundo, que analisou o possível favoritismo dos franceses às vésperas da Copa do Mundo de 2022, no Catar


Campeã em 2018, na Rússia, a França voltou a mostrar que está entre as grandes favoritas para o título da Copa do Mundo em 2022, e provou novamente a força de sua atual geração ao derrotar a Espanha por 2 a 1 no último domingo (10), conquistando a taça da Uefa Nations League.

Mas os elegidos de Didier Deschamps podem chegar ao Catar como um 'time imbatível'?

Este foi um dos temas que agitaram o debate no episódio #45 do Futebol no Mundo, podcast original da ESPN Brasil com Alex Tseng, Gustavo Hofman, Leonardo Bertozzi e Ubiratan Leal analisando o futebol internacional com informação e descontração.

A conquista na Nations League deixa no passado a imagem ruim pela queda ainda na fase de oitavas de final da Eurocopa, quando os Blues chegaram com status de campeões mundiais, mas foram superados pela Suíça nos pênaltis após o empate em 3 a 3.

Ainda que a força da geração que conta com nomes como Kylian Mbappé, Karim Benzema e Antoine Griezmann seja obvia, a equipe mostrou um lado do que pode ser uma verdadeira dor de cabeça no Mundial.

Veja abaixo a opinião dos comentaristas sobre o momento da França a pouco mais de um ano para o início da Copa do Mundo de 2022.

Clique no player abaixo e ouça NA ÍNTEGRA o episódio #45 do Futebol no Mundo:

Gustavo Hofman

“Está tudo certo, tudo tranquilo no reino francês. Apesar daquela eliminação traumática e assustadora na Euro para a Suíça [nas oitavas de final], a França permanece como o time mais forte do mundo”

“Disputa com a Itália, com a Espanha, com a Inglaterra, com a Alemanha, que está evoluindo bastante, com a Argentina, que tem a maior invencibilidade do momento no futebol mundial, com a seleção brasileira, que compete, mas hoje, para mim, em um nível abaixo do melhor futebol que estas seleções estão jogando. Mas a França mostrou 'permaneço aqui, o que aconteceu na Euro foi um acidente, acidentes acontecem. Nós permanecemos firmes e fortes'”

Leonardo Bertozzi

“Era o título que faltava. A França já ganhou tudo que é possível com a seleção principal, olímpica, base, faltava esse título, que é um título novo, foi apenas a segunda edição da Nations [League], mas já não falta mais. E é o time da virada! Foram duas partidas em que a França saiu atrás, contra a Bélgica um 2 a 0 no primeiro tempo, com a França dando a volta no segundo, e contra a Espanha, todos os gols saindo mais para a frente depois de um primeiro tempo muito modorrento até, e no segundo tempo, depois do gol da Espanha, do Oyarzabal, a França apareceu e como com Benzema e Mbappé, para variar”.

“E acho que esta é a grande notícia da França. Uma maneira de jogar diferente, atuando com três zagueiros. Na semifinal jogou o Rabiot no meio, o Kanté estava com COVID, então não estava disponível, aí o próprio Rabiot testou positivo e acabou jogando [na final] o Tchouaméni, que é um excelente jogador do Mônaco e merece espaço na seleção francesa, mas o assunto é, e não vou nem falar no trio, apesar de o Griezmann ser um jogador importante, é a dupla mesmo, Benzema e Mbappé como parceiros de ataque”.

“Porque coletivamente, você pode até argumentar que a Espanha jogou mais a final, dominou mais o jogo, teve mais presença ofensiva, mas a bola cai nos pés desses caras e aí é brincadeira. Então, a França hoje tem essa parceria que por muito tempo não aconteceu por causa das questões extracampo do Benzema. E os dois jogaram pra caramba”.

“E a França sai vencedora com essa peculiaridade. É um time que precisa tomar gol pra jogar. Porque desde o começo da Euro, são sete jogos que a França sai atrás no placar, é muito jogo. E não perdeu nenhum. Sempre conseguiu no mínimo buscar o empate ou até mesmo a virada, como aconteceu nesses dois jogos”.

Ubiratan Leal

“A Liga das Nações mostrou que a França é a grande seleção do futebol mundial no momento, mas isto tem uma coisa boa e uma ruim para a torcida francesa. A coisa boa é: O time é bom. Virar como virou contra um time muito forte como o da Bélgica. E virar como virou contra a Espanha não é qualquer um que consegue. E virou com autoridade”.

“Agora, o que é preocupante ainda é como muitas vezes este time, e não é só por causa das viradas na Liga das Nações, mas em Eurocopa também, nas eliminatórias para a Copa do Mundo, às vezes precisa de um empurrão. Esse time, às vezes, é muito autossuficiente, ele sabe o quanto ele é bom e parece que às vezes joga no piloto automático, nem sempre acelera um pouco mais. E quando acelera um pouco mais, é um trator!

“Mesmo no jogo contra a Suíça, sai perdendo, vira o jogo para 3 a 1 e daí parecia que estava tudo controlado, dá aquela relaxada, toma dois gols no final e aí vira pandemônio, vira aquela maluquice. A França é um time que falta um nível de concentração maior nos 90 minutos”.