<
>

Olimpíadas: Rebeca Andrade exalta coragem de Simone Biles e diz que 'teria feito história mesmo sem medalha' em Tóquio

play
Rebeca Andrade faz história, leva a prata e vence a primeira medalha na ginástica feminina do Brasil em Olimpíadas (1:48)

Veja como foi a conquista da brasileira em Tóquio (1:48)

Rebeca Andrade fez história pelo Brasil nos Jogos Olímpicos. Com a prata conquistada nesta quinta-feira (29) na final individual geral, a primeira na ginástica feminina na competição, a atleta do Flamengo levou a outro patamar o esporte brasileiro.

Após o feito conquistado no Centro de Ginástica de Ariake coroou o trabalho de anos de muitos profissionais da modalidade e de outros atletas que batalharam pelo sonho olímpico.

Clique aqui para ver o Quadro de Medalhas das Olimpíadas atualizado e siga os Jogos de Tóquio em TEMPO REAL!

Para Rebeca Andrade, todas essas pessoas foram representadas na medalha de prata que foi conquistada em Tóquio.

“Essa medalha, como eu falei, não é só minha, é de todo mundo. Todo mundo sabe da minha trajetória e tudo que eu passei. Se eu não tivesse cada uma dessas pessoas, eu não estaria aqui, tenho total ciência disso. Deus sempre me protegendo e me capacitando para eu brilhar hoje aqui. Então sou muito grata a todo mundo”, disse Rebeca em entrevista à TV Globo, brincando sobre fato de ainda não ter, até aquele momento, conseguido falar com a mãe no Brasil.

play
1:48

Direto de Tóquio: 'Rebeca Andrade teve um desempenho histórico'

A ginasta conquistou a medalha de prata na final individual geral feminina, a 5ª geral da história da modalidade para o país e a primeira de uma mulher.

“Fui tentar ligar para ela [Dona Rosa], mas ela não me atendeu. Mandou um áudio dando parabéns e falando que me ama muito. Tá todo mundo acordado no Brasil. Muito obrigado. Mesmo longe eu senti a energia de vocês. Muita paixão, muita garra que é o que tem o Brasil. Estou levando a medalha para a gente. Estou muito feliz e muito orgulhosa de mim e de ter as pessoas ao meu lado”.

“Mesmo se não tivesse ganho a medalha, teria feito história. Justamente pela minha história, pelo processo até chegar aqui. Gostaria de dizer para vocês não desistirem, acreditarem no sonho de vocês e seguirem firme. Dificuldade a gente sempre vai ter, tem que ser forte o suficiente para passar por cima. Graças a Deus eu tive pessoas maravilhosas que me ajudaram a passar no meu processo e eu espero, de verdade, que vocês tenham pessoas incríveis como vocês que lhes ajudem a chegar no topo como eu cheguei. Eu sou muito grata e mando todo meu amor para todos vocês. Todo o sucesso do mundo. Todas as ginastas que já passaram por aqui sabem como é essa emoção, como é difícil e estão todas felizes por mim”.

play
2:08

'A Rebeca Andrade se torna imortal do ponto de vista esportivo', diz André Kfouri

Com SHOW de Rebeca Andrade ao som do funk Baile de Favela, a atleta brasileira conquistou a inédita medalha de prata na decisão individual geral feminina.

Rebeca entrou na final individual geral com a maior nota na classificatória após a decisão de Simone Biles de não competir para poder cuidar da saúde mental. Para a brasileira, a postura da norte-americana foi correta, principalmente pelo alerta público em torno de algo que deve receber todo o cuidado.

“Acho que o fato dela ter saído não foi nada negativo. As pessoas têm que entender que o atleta não é robô, é humano. A decisão que ela tomou foi a mais sábia que ela poderia tomar por ela, nem pelos outros. Não se brinca com a cabeça”, disse Rebeca, revelando que sempre admirou a norte-americana também pela força mental para competir.

“Trabalho muito com a minha psicóloga por causa disso. Hoje, sou uma atleta diferente justamente pela cabeça que eu tenho. Se eu tivesse em 2016 quando era muito nova, muito crua, isso não teria acontecido. Precisei passar pelo processo. O que eu sempre admirei nela é o psicológico. Todo mundo sabe que ela é a melhor do mundo, tem todo o talento. Ela é incrível. Sempre admirei muito isso porque a pressão nela era muito grande, muito constante, então ela acabava se cobrando muito. Ela tem que entrar no ginásio para se divertir e não pensando 'tenho que ganhar isso, isso e isso'. Então eu fiquei orgulhosa dela por ter tido essa atitude e pensado nela antes de qualquer outra coisa. Estou muito feliz de estar aqui também e ter conquistado minha medalhinha”.

Após a final desta quinta-feira, Rebeca Andrade volta a competir em mais duas decisões pelo sonho dourado em Tóquio. No domingo (1º), a ginasta do Flamengo disputa o aparelho salto, e na segunda-feira (02) volta ao Centro de Ginástica de Ariake para a disputa da medalha no solo.

O Brasil ainda terá na terça-feira (03) a final da trave, que terá Flávia Saraiva, outra atleta do Flamengo, como representante.

Além das ginastas finalistas no feminino, os brasileiros seguem com esperança de duas mais medalhas na ginástica masculina em Tóquio com dois atletas confirmados em finais: Arthur Zanetti, nas argolas, e Caio Souza, no salto.

As competições estão agendadas para 02 de agosto, a partir de 5h (de Brasília).