<
>

Olimpíadas: Medalha de prata, Rebeca Andrade começou em projeto social e foi apelidada de 'Daianinha de Guarulhos'

play
Rebeca Andrade faz história, leva a prata e vence a primeira medalha na ginástica feminina do Brasil em Olimpíadas (1:48)

Veja como foi a conquista da brasileira em Tóquio (1:48)

Nesta quinta-feira, Rebeca Andrade entrou para a história da ginástica artística do Brasil.

A ginasta conquistou a medalha de prata na final individual geral feminina, a 5ª geral da história da modalidade para o país e a primeira de uma mulher.

Clique aqui para ver o Quadro de Medalhas das Olimpíadas atualizado e siga os Jogos de Tóquio em TEMPO REAL!

Conteúdo oferecido por Sportingbet

Como é de costume com todas as ginastas que vieram depois de Daiane dos Santos, a maior ginasta da história do Brasil é parte fundamental da trajetória de Rebeca. Atualmente com 22 anos, a atleta começou sua trajetória no mundo da ginástica aos 4 - e por obra do acaso.

De acordo com Rosa Rodrigues, mãe de Rebeca, a tia da ginasta, que era funcionária pública, teve que cobrir uma licença de outra funcionária no ginásio de Guarulhos, cidade natal da família. Na primeira semana de trabalho da tia de Rebeca, estavam abertas as inscrições para novas ginastas.

Rosa, então, decidiu levar sua filha para um teste. Foi nele que Mônica Barroso dos Anjos, técnica da equipe de ginástica de Guarulhos, descobriu o talento de Rebeca e surgiu o apelido de "Daianinha de Guarulhos".

"Me lembro que peguei na mãozinha dela e perguntei: 'Quer fazer o teste?'. Pedi para que ela pulasse no tablado e na hora eu brinquei: 'Uau! essa é a futura Daiane dos Santos!'. Depois pedi para ir para a barra, abrir espacate, dar estrelinha. Eu, que trabalho há muito tempo na área, já via que ela levava jeito, era veloz, explosiva, tinha o biotipo com muito músculo, bem definida", disse a técnica em entrevista ao G1.

Foi, então, que Rebeca passou a fazer parte da equipe de alto rendimento de Guarulhos através do projeto social do município que atende crianças e jovens entre 7 e 17 anos, e ficou lá até 2010.

play
1:22

Olimpíadas: Rebeca Andrade é profissional desde os 13 anos e colecionou ouros no Mundial antes de fazer história em Tóquio

Rebeca foi prata e conquistou primeira medalha olímpica da ginástica brasileira feminina

Neste meio tempo, chegou a parar de treinar por dificuldades financeiras. Sua mãe conta que os treinadores criaram um esquema de rodízio para conseguir levá-la aos treinamentos. Com isso, Rebeca conseguiu se manter no mundo da ginástica.

A partir de 2012, a medalhista brasileira se tornou atleta do Flamengo. Foi já no clube, por exemplo, que venceu o Nadia Comaneci Invitational, em 2013, conquista que foi lembrada pela própria lenda da ginástica ao parabenizar Rebeca.

A competição une jovens promessas da ginástica, que era o caso da brasileira, então com 13 anos, a mesma idade com que conquistou seu primeiro título brasileiro.

Nem todo foi alegria nessa trajetória, porém. Em quatro anos, a ginasta passou por três cirurgias de ligamento no joelho. Ela pensou em desistir. Mas persistiu no sonho...

A menina que saiu de Guarulhos foi fazer seu nome em Tóquio.

play
2:08

'A Rebeca Andrade se torna imortal do ponto de vista esportivo', diz André Kfouri

Com SHOW de Rebeca Andrade ao som do funk Baile de Favela, a atleta brasileira conquistou a inédita medalha de prata na decisão individual geral feminina.