<
>

Guia de mudanças de regras da NFL 2021: O que esperar do 'VAR', novos números de camisas e muito mais

play
Julio Jones fora dos Falcons: qual o destino ideal para o astro da NFL? (3:13)

Veja a análise completa de Paulo Antunes no YouTube dos canais ESPN/Fox Sports (3:13)

As mudanças nas regras da NFL para a temporada 2021 seguiram um padrão familiar: grandes ideias acabaram sofrendo ajustes.

É possível que uma ou duas regras adicionais sejam aprovadas em uma reunião de proprietários antes do início da temporada regular. Mas depois de se reunirem duas vezes, os donos da NFL mostraram acreditar que o esporte dentro de campo permanece intacto após a temporada 2020 impactada pela pandemia. Cinco fatores-chave rastreados anualmente pelo comitê de competição da NFL se movimentaram "na direção que os fãs gostariam que eles fossem", disse o presidente do comitê, Rich McKay. O tempo médio de jogo, a margem de vitória e as penalidades totais caíram. Os pontos por jogo e as jogadas por jogo subiram.

No entanto, vamos analisar mais de perto como o jogo mudará - e não mudará - pelas decisões que a NFL tomou.

Conteúdo patrocinado por Ipiranga, Mitsubishi, Samsung Galaxy, C6 Bank e Magalu

Mais ajuda de árbitros de vídeo

O mais longe que eles estão dispostos a ir é permitir que um árbitro existente, que já está em um camarote no estádio, mas está limitado à assistência em jogos que são revisados, aconselhe os árbitros em um punhado de outros "aspectos específicos e objetivos de uma jogada quando evidências claras e óbvias em vídeo estão presentes", de acordo com a regra.

Os árbitros podem agora, por exemplo, aconselhar os árbitros caso vejam a bola encostar no chão no que foi considerado uma jogada completa. Se o técnico afetado não desafiar a chamada, o árbitro pode ouvir as informações do árbitro de replay e decidir mudar a regra. Eles não serão capazes, por exemplo, de apontar fatores em chamadas subjetivas, tais como interferência de passe.

"É aqui que os oficiais, os árbitros estão todos envolvidos, parece que queriam manter o controle do jogo", disse Troy Vincent, o vice-presidente executivo de operações de futebol da NFL. "O jogo deve ser disputado em campo com o apoio do oficial de replay no estádio, bem como em Nova York, quando apropriado".

Será que vai funcionar? Não vai doer. Na verdade, alguns árbitros já pedem a ajuda de seus oficiais de replay durante os jogos, através de sua conexão sem fio com microfone. Mas a maioria dos árbitros de replay não trabalhou no campo, e seus conselhos não serão obrigatórios. Os árbitros podem ignorá-los completamente. Outros árbitros estarão altamente motivados para evitar erros que possam impactar a avaliação de sua equipe. Em última análise, ainda haverá um grande volume de chamadas questionáveis que são claramente visíveis na transmissão, mas que não poderão ser discutidas com o oficial do replay.


Ajuste do onside kick

As mudanças de regras em 2018 para tornar os kickoffs mais seguros tiveram um claro efeito colateral. Os onside kicks se tornaram significativamente mais difíceis de recuperar, em parte porque a equipe que chuta não tinha mais permissão para começar a correr. Outro fator foi a criação de uma zona de "preparação" para o time receptor, projetada para minimizar o primeiro contato dos jogadores após correr uma longa distância. Com efeito, a configuração permitiu que as equipes que recebem o chute colocassem todos os 11 jogadores a uma distância de 25 jardas da bola para onside kicks.

Em 2020, apenas três onside kicks foram recuperados em 67 tentativas, o menor número de recuperações da NFL desde pelo menos 2001. A taxa de recuperação total desde a mudança da regra de 2018 foi de 8,3%, muito inferior à sua média durante as duas décadas anteriores (19,7%).

Várias equipes propuseram uma alternativa que daria a uma equipe que pontuou a opção de substituir o kickoff por uma única jogada ofensiva em sua linha de 25 jardas. Se eles ganharem 15 jardas ou mais, eles poderiam manter a posse de bola. Mas os proprietários rejeitaram essa proposta várias vezes, incluindo uma proposta recente feita pelo Philadelphia Eagles. Em vez disso, adotaram uma sugestão dos treinadores de equipes especiais para limitar o número de jogadores na zona de preparação a nove.

"Não é como se estivéssemos tentando dar uma vantagem ao time de onside kick", disse McKay. "Ninguém quer que eles tenham uma vantagem". O outro time ganhou o direito de estar à frente, mas estamos tentando voltar ao número histórico de recuperações, e esse é o cerne desta proposta".

Será que vai funcionar? O ponteiro pode pender um pouco para a equipe com o kickoff, mas novamente, é uma modesta tentativa de evitar o que os donos consideram uma solução habilidosa. E é um verdadeiro experimento: os proprietários a aprovaram por apenas um ano. Mas o objetivo é importante. Em termos de engajamento dos torcedores, os onside kicks precisam ser possíveis o suficiente para manter o interesse nos jogos com uma diferença de dois pontos (ou mais).


Semana NFL #11 - Julio Jones quer sair de Atlanta e o Drama Rodgers/Packers


Mais flexibilidade na numeração de camisetas

Uma série de mudanças de regras relacionadas à pandemia na última temporada, incluindo um aumento para 16 membros do plantel de treino e a capacidade de selecionar alguns deles para os jogos, levou várias equipes a ficarem sem número de camisas. A falta de números fez com que o Kansas City Chiefs propusesse que fossem permitidos dígitos únicos para os running backs, wide receivers, tight ends, defensive backs e linebackers. Os proprietários aprovaram a mudança para a temporada 2021, e agora é hora de se divertir.

Será que vai funcionar? Sim. Não deve haver falta de números no futuro. Mais importante ainda, teremos uma reviravolta realmente divertida que reflete melhor todos os outros níveis do jogo e permite que a NFL derrube uma de suas regras mais estranhas.


Bloqueio abaixo da cintura

Uma proposta para expandir a proibição de bloqueio abaixo da cintura foi apresentada para tratar de questões recorrentes.

A regra em essência ampliaria a área onde os jogadores ofensivos não podem bloquear abaixo da cintura e os jogadores defensivos não podem levantar jogadores ofensivos que estão se movendo em direção a um bloqueio na área. Para aqueles tecnicamente inclinados, a proposta cria uma "zona de tight end" fora da zona de tackle onde o bloqueio é permitido, definido como duas jardas fora do tackle e cinco jardas em cada lado da linha de bloqueio. Além dessa área, os bloqueios abaixo da cintura receberiam uma penalidade de 15 jardas.

McKay disse que a segurança do jogador era o motivo por trás da regra, mas a NFL não revelou os dados das lesões para apoiá-la. Em ambos os casos, a mudança seria significativa e alteraria muito do que se vê nas jogadas de corrida.

Será que vai funcionar? As mudanças de regras que requerem ajustes técnicos podem levar algum tempo. Certamente menos bloqueios abaixo da cintura reduziria o risco de lesões na parte inferior do corpo. Mas seria surpreendente se isso levasse a um notável aumento das faltas. Nos últimos anos, a NFL tem usado cartas de advertência e às vezes multas - em vez de aplicar rigorosamente novas regras no campo - para impor mudanças relacionadas à segurança no jogo.

Perda de down após dois passes

Você deve se lembrar de um jogo da Semana 11 entre Tampa Bay Buccaneers e Los Angeles Rams, onde o quarterback dos Bucs, Tom Brady, pegou um passe desviado para o terceiro down e jogou para o receiver Mike Evans para ganhar 8 jardas. Esses passes são ilegais, e Brady foi penalizado. Mas o treinador do Rams, Sean McVay, recusou a penalidade porque não queria dar aos Bucs uma segunda tentativa de converter um terceiro down.

Esta semana, os donos aprovaram um ajuste que também acrescentaria uma perda de down a tais jogadas.

Será que vai funcionar? Sim. Mas esta mudança é um exemplo perfeito de porque o livro de regras da NFL é tão complicado e cheio de adendos nada intuitivos. Esta foi uma resposta a uma jogada única e rara que ocorreu ao longo de uma temporada de 40.000 jogadas.

Sem tempo extra na pré-temporada

Finalmente a NFL eliminou as prorrogações para jogos que não contam. A única coisa melhor do que acabar com o tempo extra para jogos de pré-temporada seria abolir completamente a pré-temporada. A nível de curiosidade, é claro, não havia um jogo com prorrogação na pré-temporada desde 2014, e vimos apenas 16 jogos com prorrogação desde de 2001, de acordo com o Elias Sports Bureau. Mas não valia a pena o risco desse esforço ridículo.

Será que vai funcionar? SIM!


Abordando o holding ofensivo

O comitê de competição dedicou um tempo significativo trabalhando para entender por que as faltas ofensivas caíram mais de 40% em 2020, atingindo seu menor total por jogo desde 1972. A queda inesperada levou a um resultado previsível. As equipes chegaram ao limite do que os juízes permitiriam, e jogadas de linha em alguns jogos no final da temporada pareciam mais com luta livre do que com o futebol de alto nível.

De acordo com McKay, o padrão para a falta ofensiva não mudará em 2021. O que acontecerá é que o vice-presidente sênior de treinamento e desenvolvimento Walt Anderson criará o que McKay disse que será um "longo vídeo" para ensinar aos dirigentes, treinadores e jogadores o que deve e não deve ser considerado nesta temporada. Uma frase chave que você ouvirá muito nesta temporada é "restrição física", o ponto em que um jogador de linha alterou o trajeto ou o ângulo de ataque de um defensor, acionando o que deveria ser uma falta baseada no livro de regras.

"Você quer ter certeza de que todos compreendem o que é o padrão e o que será considerado", disse McKay, "e a melhor maneira de fazer isso é através de vídeo".

Será que vai funcionar? Depende de qual é a sua expectativa. Ninguém espera um aumento drástico nas faltas de ataque para contrariar a queda da última temporada. As equipes devem ter uma ideia melhor do que em 2020, mas no momento, meu conselho para 2020 continua válido: se você quer vencer, ensine seus jogadores de linha ofensiva a segurar. Há toda razão para achar que eles vão se sair bem em 2021 com mais frequência do que antes.

Ênfase na provocação

A NFL passou por um ciclo familiar com as faltas por provocação nos últimos anos. Começou em 2016, com uma onda de faltas por comemorações, giro de bolas e dancinhas. A liga recuou nos anos seguintes, especialmente por estar relacionada com as celebrações pós-touchdown, mas McKay disse que vários treinadores estão preocupados que a regra tenha se tornado "muito frouxa".

Na verdade, foram apenas 11 penalidades por provocação na última temporada e nove em 2019. Só em 2016, foram 34.

Os juízes não se concentrarão nas comemorações, mas se espera que a regra seja cumprida com mais severidade contra ações que sirvam de isca ou de outra forma gerem hostilidade entre as equipes.

Será que vai funcionar? Claro. Haverá mais bandeiras para provocação em 2021. Os jogadores podem ou não se ajustar, e o jogo continua.


Apontar e escolher

Não é raro ver equipes proporem uma regra que está um ou dois anos à frente de seu tempo. Nesta temporada, o Baltimore Ravens e os Eagles apresentaram uma que está provavelmente a uma década de ser totalmente compreendida - quanto menos aceita - por uma maioria de proprietários da NFL.

A proposta é que o vencedor de um sorteio de moeda no tempo extra escolheria entre posse de bola ou lado do campo. O perdedor ficaria com a outra escolha.

Não há muitas pessoas ao redor da liga que se opõem ferozmente aos atuais procedimentos de prorrogação, que exigem uma posse de bola por equipe, a menos que a primeira posse de bola resulte em um touchdown. De acordo com os dados da liga, a taxa de jogos que vão para prorrogação e ambos os times têm posse de bola é de cerca de 80%.

Com isso, os Ravens observaram em sua proposta que a equipe com a primeira posse de bola teve campanha de 9-1 nos últimos 10 jogos de playoff com tempo extra. Esta regra daria mais poder ao time que começa chutando. Se, por exemplo, o vencedor do lançamento da moeda escolhesse a posse de bola, a equipe que chutaria poderia garantir que ela começasse o mais longe possível da end zone - em sua própria linha de 1 jarda.

A proposta dos Ravens/Eagles seria provavelmente mais justa e certamente acrescentaria um novo nível de estratégia e entretenimento ao jogo. Mas, sem um problema urgente para consertar, e com uma ideia tão nova para absorver, não foi difícil prever sua falta de apoio. Vale notar que a Spring League, que frequentemente serve como uma incubadora de regras, vai adotar esta proposta durante sua próxima temporada.

"Eu gosto de ideias que estão fora da caixa", disse McKay. "E essa foi uma. Eu já tinha ouvido isso antes, mas não tinha ouvido a proposta articulada dessa maneira. Achei que Baltimore fez um trabalho muito bom explicando isso. Ideias como essa levam muito tempo para marinar e entender todas as implicações do que pode acontecer e todas as consequências não intencionais. Não tinha muito apoio, mas eu já tinha visto antes regras que não tinham muito apoio, mas de repente passaram a valer".

Será que vai funcionar? Sim... um dia.