<
>

NBA: Time a time, o que será imperdível no retorno da principal liga de basquete do mundo?

play
Damian Lillard lidera protestos contra racismo e violência policial (0:24)

Armador dos Blazers foi às ruas para manifestar seu apoio após a morte de George Floyd (0:24)

Já se passaram quase três meses desde que o último jogo de NBA foi disputado. Dizem que a gente só valoriza e começa a amar algo de verdade quando o perdemos. Cara, há muito o que amar em cada time que entrará em quadra em Orlando no próximo mês.

Agora que o conselho de proprietários da liga aprovou oficialmente um plano de retorno - com oito jogos de temporada regular, um torneio de play-in em potencial e os playoffs - aqui está o nosso guia para todas as 22 equipes e o que estamos mais animados para ver quando o primeiro tip-off acontecer.


Conferência Leste

1. Milwaukee Bucks: enterradas de Giannis Antetokounmpo

O que é melhor do que assistir Giannis Antetokounmpo jogar basquete? Aos 25 anos, ele já pode ser o melhor jogador do mundo - e a parte assustadora é que ele ainda está melhorando. Giannis não é apenas o atual MVP ou o jogador estatístico mais dominante no jogo, ele também é o melhor maneiro do jogo no planeta Terra.

Antes do encerramento, Giannis tinha 174 enterradas em 54 jogos, muito mais do que qualquer outro jogador. (John Collins ocupa o segundo lugar com 117). Não há nada como assistir Giannis serpentear pela defesa com suas passadas enormes e cravar na cabeça dos adversários.

2. Toronto Raptors: a criatividade de Nick Nurse

Escute aqui, Nurse pode ser o melhor treinador da NBA agora. Não, ele não tem o currículo de Gregg Popovich, Steve Kerr ou Erik Spoelstra, mas algum treinador tirar mais dos seus times nas duas temporadas do que Nurse?

Os Raptors, de alguma forma, têm uma porcentagem de vitórias melhor este ano do que no ano passado, apesar das perdas de Kawhi Leonard e Danny Green. Nurse e os Raptors estão vencendo 70% de seus jogos com um incrível trabalho em equipe e a segunda melhor defesa da liga.

É claro que os jogadores dos Raptors merecem muito crédito - Pascal Siakam melhorou ainda mais e Kyle Lowry ajudou a manter o time unido - mas Nurse está se tornando uma estrela. Ele é do tipo de técnico que tentará qualquer coisa na pós-temporada para que seu time tenha sucesso.

3. Boston Celtics: o salto de Jayson Tatum

Os Celtics estão de volta! Nesta temporada, eles substituíram Kyrie Irving por Kemba Walker, que se encaixou melhor ao lado da estrela Jayson Tatum.

Há um ano, a rotina de arremessos de Tatum consistia em muitas bolas longas de dois pontos e poucos arremessos de três. Seu arco de desenvolvimento pareceu parar. Esta temporada, ele cortou alguns arremessos longos ou de média-distância e está indo mais para dentro, além de estar acertando mais bolas de três. Tatum já voltou a ser um dos melhores alas do jogo.

4. Miami Heat: um quinteto titular escaldante

Miami é liderado por Jimmy Butler, mas tem muitas contribuições dos jovens Bam Adebayo, Kendrick Nunn e Duncan Robinson.

O quinteto titular de Miami: Butler, Adebayo, Robinson, Nunn e Meyers Leonard, é o melhor time em arremessos de três da liga. Das 34 formações que registraram pelo menos 200 minutos juntos, o quinteto de Miami é o primeiro em eficiência, convertendo 44,5% de seus arremessos de três. Mas esses caras são mais do que apenas especialistas de profundidade - eles também apresentaram uma classificação líquida escaldante de mais-13,4 em 488 minutos na quadra juntos.

Antes da paralisação, Miami estava 2-1 contra os Bucks e 2-0 contra os Raptors. Essa equipe foi feita para causar alguns transtornos.

E-5. Indiana Pacers: o incrível desenvolvimento do elenco

Apenas alguns anos atrás, Victor Oladipo, Domantas Sabonis e T.J. Warren estavam cada um lutando para encontrar suas identidades na NBA. Agora eles são o núcleo de uma sólida equipe de playoffs.

A diretoria dos Pacers merece algum reconhecimento, incluindo o GM Kevin Pritchard e o treinador Nate McMillan. Eles ajudaram na transição da saída de Paul George para a chegada de um par de jovens All-Stars em Oladipo e Sabonis. Observar esse grupo continuar crescendo juntos no Leste será fascinante.

E-5. Philadelphia 76ers: as jogadas de Ben Simmons

A construção do elenco em Philly já viu dias melhores, mas ainda há muito a amar nesse time - Ben Simmons, que se tornou um dos melhores jogadores do mundo nos dois extremos da quadra.

As pessoas obcecadas com a incapacidade de Simmons de arremessar geralmente ignoram o fato de que ele é sem dúvida o melhor jovem criador de jogadas do mundo. Simmons está entre os passadores mais talentosos da liga e, quando está com a bola, melhora a todos ao seu redor. Ele lidera a NBA em assistências para cestas de três pontos, apesar de estar cercado por um grupo relativamente fraco de arremessadores. Imagine se os Sixers o tivessem cercado de verdadeiros especialistas...

7. Brooklyn Nets: ... existe alguma chance de vermos Kyrie ou KD?

Os Nets venceram a offseason de 2019 quando conseguiram contratar Kevin Durant e Kyrie Irving. Aos 31 anos, Durant é um dos melhores pontuadores do mundo. Assim que ele voltar de sua lesão no tendão de Aquiles, os Nets se tornarão imediatamente candidatos ao título.

A paralisação da temporada cria uma abertura para Durant voltar antes? Rich Kleiman, seu agente, disse que a ideia é que KD não jogue nesta pós-temporada. E Irving passou por uma cirurgia no ombro no final da temporada antes da paralisação, apesar de não ter sido oficialmente descartado para o reinício da liga em julho.

Se os Nets aparecerem em Orlando com Kyrie e KD saudáveis e no time titular, de repente eles serão os azarões mais perigosos da história recente dos playoffs. As chances de título já estão aumentando. Ainda parece um tiro no escuro, mas vale a pena assistir.

8. Orlando Magic: Markelle Fultz chegou

A melhor história de redenção na NBA neste ano já estava acontecendo em Orlando antes da paralisação da liga. Basta ler esta frase: Markelle Fultz é titular em um potenial time de playoff.

Fultz começou 59 de 64 jogos este ano e estabeleceu os melhores números de sua carreira em eficiência pontuação e de arremessos. Fultz, que foi amplamente chamado de “bust” após seus dois primeiros anos com os 76ers, melhorou muito. Seu arremesso está melhorando, e ele ainda é um grande atleta com muito potencial.

9. Washington Wizards: todos os pontos

Se você gosta de pontos, vai adorar assistir aos jogos dos Wizards. Eles combinam um ataque acima da média com um pontuador elite com a pior defesa da NBA.

Bradley Beal está atrás apenas de James Harden na pontuação desta temporada, com média de 30,5 pontos por jogo. Beal pode e pontuará de todos os lugares da quadra ... mas os oponentes dos Wizards, que têm em média 115 pontos por 100 posses, também. Washington não só tem a pior classificação defensiva da liga, mas também uma das piores da última década. Então prepare-se para algumas boas cestas.


Conferência Oeste

1. Los Angeles Lakers: outra corrida de título de LeBron

Desde 2003, LeBron James cativou o público da NBA e se tornou a maior estrela da liga. Dezessete anos depois, ele ainda está no topo de seu jogo, encontrando novas maneiras de vencer. Ele lidera a NBA em assistências (pela primeira vez) e tem um caso legítimo para vencer o prêmio de MVP.

Ninguém sabe por quanto tempo James permanecerá neste nível, então temos de aproveitar. Se James, de alguma forma, liderar esse grupo do Lakers para um título, será um dos grandes triunfos da história da liga.

2. Los Angeles Clippers: Patrick Beverley

Quando você pensa nos Clippers, provavelmente pensa em Kawhi Leonard e Paul George. Eu também, mas uma das melhores coisas de assistir esse time é ver o show de Patrick Beverley. Ele é uma força estimulante e um provocador nato, que guarda suas melhores frases para os playoffs. Em uma liga repleta de grandes pontuadores no perímetro, Beverley é um dos triunfos dos Clippers na disputa pelo primeiro título da história da franquia.

Leonard e George fazem dos Clippers candidatos, mas Beverley lhes dá uma vantagem que eles não teriam de outra maneira. Se LA enfrentar James Harden, Russell Westbrook, Donovan Mitchell, Luka Doncic ou LeBron, Beverley pode ajudar bastante – e é muito divertido de assistir.

3. Denver Nuggets: um ataque esquisito

Ninguém joga como Denver. Nikola Jokic é a estrela mais única da NBA, e é o seu jeito estranho que dá aos Nuggets uma sensação única. Ele é o único cara na liga liderando seu time em pontos, rebotes, assistências e roubadas de bola. Como os pivôs estão se tornando espécies ameaçadas de extinção na NBA, o domínio geral de Jokic é absolutamente refrescante.

Os Nuggets jogam através de seu pivô, dando a eles um estilo único. Jokic lidera a NBA em handoffs por muito, segundo o Second Spectrum, registrando quase 28 por 100 posses. Ninguém na liga tem mais de 18.

4. Utah Jazz: o comando de Gobert na defesa

A perda de Bojan Bogdanovic é um golpe devastador. No entanto, essa equipe ainda tem o potencial de avançar com Rudy Gobert ancorando uma das defesas mais fortes da NBA.

Gobert é um jogador defensivo maravilhoso de se assistir. Ele é esperto, é grande e tem tanto impacto quanto qualquer um na NBA. Se Utah puder mantê-lo em quadra contra times menores (e isso é um grande se), sua defesa os manterá em todos os jogos.

E-5. Oklahoma City Thunder: o time dos momentos decisivos

O Thunder não deveria ser tão bom. Você não troca seus melhores jogadores e melhora. Mas qual é exatamente o segredo de OKC? Estatisticamente falando, o Thunder tem um dos melhores times nos momentos decisivos das partidas de toda a liga.

Antes da paralisação, 88 formaçoes de cinco jogadores haviam jogado pelo menos 100 minutos juntos, mas nenhuma delas foi tão dominante quanto o grupo principal do OKC, que inclui Chris Paul, Danilo Gallinari, Shai Gilgeous-Alexander, Dennis Schroder e Steven Adams. Esses caras têm um rating de +29,9.

Eles são ótimos na defesa, segurando os oponentes para apenas 98 pontos por 100 posses, e seu ataque tem sido excelente. Eles estão acertando mais de 40% de suas bolas de três, recuperando 34% de seus erros e chegando à linha de lance livre mais de duas vezes mais que seus oponentes. Nem tudo isso é sustentável, mas essa equipe é de verdade.

E-5. Houston Rockets: essa é a última chance?

Mike D'Antoni e James Harden estão entre as forças ofensivas mais inovadoras da história recente da NBA. Embora seu estilo possa não ser para todos, é preciso admitir que é único e difícil de parar. E talvez nunca mais vejamos um igual.

Com D'Antoni no último ano de seu contrato, esta pode ser nossa última chance de assistir a dupla D’Antoni-Harden lançar uma quantidade interminável de bolas de três em seus oponentes. Não acredito que estou dizendo isso, mas cara, se os Rockets mudarem muito o estilo na próxima temporada, vou sentir falta disso.

7. Dallas Mavericks: Luka estreando nos playoffs

Este será um dos destaques dos playoffs de 2020. Luka Doncic tem apenas dois anos na NBA, mas é evidente que ele veio para ficar. Aos 21 anos, ele está destruindo as defesas da melhor liga de basquete do mundo.

Preste atenção: os Mavs de 2019-20 têm o ataque mais eficiente já registrado, com 115,8 pontos por 100 posses. É isso mesmo, esse time de Dallas está marcando com mais eficiência do que os super-times dos Warriors.

8. Memphis Grizzlies: Ja e Jaren

Para mim, Ja Morant e Jaren Jackson Jr. formam a dupla mais eletrizante de se assistir na NBA.

Esses dois jovens jogadores não só são futuros All-Stars, mas também se complementam. Morant é um craque, tanto como pontuador quanto passador, enquanto Jackson oferece uma ameaça aterrorizante perto do garrafão.

E-9. Portland Trail Blazers: Dame time

Olhando para o grupo de possíveis equipes no play-in, é difícil escolher um vencedor. No entanto, não é difícil escolher o jogador com maior probabilidade de carregar seu time durante a rodada de play-in. Esse é Damian Lillard.

Quando os jogos são importantes, Lillard se torna um dos jogadores mais assustadores da liga. Basta perguntar aos Rockets e ao Thunder, que sabem muito bem como isso funciona. Ele dá a Portland uma chance de ir aos playoffs.

play
0:24

Damian Lillard lidera protestos contra racismo e violência policial

Armador dos Blazers foi às ruas para manifestar seu apoio após a morte de George Floyd

E-9. New Orleans Pelicans: cada movimento de Zion

Mesmo que ele nem consiga vencer o prêmio Novato do Ano, Zion Williamson é claramente o melhor jogador do primeiro ano da NBA. Ele jogou apenas 19 partidas até agora, mas seus números são surpreendentes. Ele tem uma média de 23,6 pontos por jogo enquanto acerta 58,9% do que tenta, principalmente porque 76,7% dessas chances ficam a menos de um metro da cesta.

Usando uma variedade interminável de giros e dribles potentes, Williamson, de alguma forma, encontra maneiras de chegar à cesta regularmente, e é incrível de assistir. Ele é um grande motivo para o formato de 22 equipes ser mais divertido do que ir direto para os playoffs.

E-9. Sacramento Kings: Fox e Hield

Os Kings são um dos maiores azarões da Conferência Oeste na corrida pelos playoffs, mas isso não significa que não sejam divertidos de assistir. De'Aaron Fox e Buddy Hield formam uma das jovens duplas mais divertidas da liga.

Fox pode ser o jogador mais rápido da NBA, e é muito legal assisti-lo passando por defensores com a quadra aberta. Enquanto isso, Hield se tornou um dos melhores arremessadores da liga, ocupando o segundo lugar em bolas de três, acertando pouco menos de 40% de seus arremessos à distância.

12. San Antonio Spurs: a sequência

Gregg Popovich e os Spurs foram para os playoffs por 22 temporadas consecutivas. Se eles chegarem lá este ano, 23 será o novo recorde da história da liga. Se não conseguirem, ainda é uma conquista incrível, especialmente considerando que San Antonio fez isso na Conferência Oeste, a mais dura da NBA há décadas.

13. Phoenix Suns: Baynes ... de três!

Ver Aron Baynes arremessando bolas de três pontos é simplesmente muito legal de assistir.

É isso mesmo, o pivô de 33 anos se tornou um dos jogadores mais eficazes da NBA nesta temporada. Baynes está fazendo quatro bolas de três por partida, arremessando em uma porcentagem respeitável de cerca de 35%.