<
>

NBA: O melhor quinteto titular de cada um dos times da Conferência Oeste

E se os Splash Brothers – Steph Curry e Klay Thompson – tivessem jogado com Wilt Chamberlain? Quantos títulos os Lakers teriam vencido se Magic Johnson se juntasse a Kobe Bryant e Shaquille O'Neal? Imagine Hakeem Olajuwon e James Harden juntos em Houston!

Pedimos aos nossos especialistas da NBA que criassem o time ideal de cada franquia da NBA. Apenas as contribuições de um jogador com a equipe em questão foram consideradas (então, não, LeBron não está no time dos Lakers). Nesta era do basquete "sem posição", as posições tradicionais não importam como antes, por isso tivemos flexibilidade na escolha dos jogadores, mas você não verá um time com três pivôs ou quatro armadores. A ideia era mergulhar na história de cada equipe e criar um grupo que pudesse, pelo menos potencialmente, compartilhar a quadra.

A Conferência Leste foi publicada na terça-feira. Vamos aos times ideais do Oeste:

Dallas Mavericks

G: Derek Harper
G: Jason Terry
F: Rolando Blackman
F: Mark Aguirre
C: Dirk Nowitzki

Terry se junta a Nowitzki como o único jogador nas duas equipes de Finais dos Mavs e foi o segundo maior pontuador de ambos os times. Há uma razão pela qual Harper e Blackman, que jogaram em algumas boas equipes, mas que simplesmente não conseguiam superar o Showtime Lakers, têm seus números aposentados no American Airlines Center. A camisa de Aguirre provavelmente nunca será aposentada em Dallas por causa de sua saída conturbada, mas você não pode jogar fora seus 24,6 pontos por jogo em oito temporadas com os Mavs.

Os mais difíceis de deixar fora: Michael Finley e Jason Kidd, um dos quais ajudou um jovem alemão a encontrar seu caminho na NBA e o outro que ajudou aquele jovem alemão a finalmente conquistar o título.

-- Tim MacMahon


Denver Nuggets

G: Fat Lever
G: David Thompson
F: Alex English
F: Carmelo Anthony
C: Dikembe Mutombo

Você provavelmente está se perguntando a mesma pergunta que eu fiz por 48 horas: Espere, cadê o Nikola Jokic? Há uma boa chance de Jokic se tornar o maior jogador da história da franquia, mas ele tem apenas 25 anos.

Mutombo, por outro lado, é um membro do Hall da Fama e produziu provavelmente a imagem mais icônica da história da franquia, comemorando a virada histórica contra o Seattle SuperSonics nos playoffs de 1994. Mutombo é a âncora defensiva por trás de um time de pontuadores que pode superar qualquer equipe. English, Anthony e Thompson tiveram uma média superior a 20 pontos por jogo em suas carreiras, mas em seus picos estavam chegando em 30.

Adicione um general como "Fat" Lever para puxar as cordas, e isso poderia funcionar. Com Fat, Melo e Dikembe, os Nuggets também têm os melhores nomes.

-- Royce Young


Golden State Warriors

G: Stephen Curry
G: Klay Thompson
F: Kevin Durant
F: Draymond Green
C: Wilt Chamberlain

Colocar Chamberlain às equipes dos Warriors que ganharam títulos consecutivos com Kevin Durant seria injusto. Você consegue imaginar como esse time seria dominante? Curry, Thompson, Durant e Green já conquistaram títulos juntos - e agora eles têm um dos melhores pivôs de todos os tempos? Inacreditável. A defesa é ótima, o ataque é de outro mundo.

É difícil deixar Rick Barry e Chris Mullin fora do grupo, mas quem sairia? Curry e Thompson formam a melhor dupla de arremessadores de todos os tempos. Durant é um dos melhores jogadores de sua geração e Green fornece a intensidade defensiva e o combustível que os impulsionam há anos - além do fato de que os quatro já jogaram juntos. Não tem como parar esse time.

-- Nick Friedell

Houston Rockets

G: James Harden
G: Calvin Murphy
F: Tracy McGrady
F: Rudy Tomjanovich
C: Hakeem Olajuwon

Antes de começar, peço desculpas aos membros do Hall da Fama: Elvin Hayes, Moses Malone e Yao Ming, mas não há debate sobre a vaga de Olajuwon, que continua sendo o melhor jogador da história da franquia, mesmo após a série de produções ofensivas históricas de Harden.

Harden está a 22 pontos de ultrapassar Murphy pelo segundo lugar na lista de maiores pontuadores da história dos Rockets, então, por enquanto, o exuberante Murphy de 1,75m continua a ser o único jogador top-2 em pontos e assistências da franquia.

Rudy T é mais lembrado como o treinador da era Clutch City e pelo soco brutal que interrompeu sua carreira de jogador, mas ele conquistou seu lugar com cinco aparições em All-Star em uma carreira inteiramente dedicada aos Rocekts.

-- MacMahon


LA Clippers

G: Chris Paul
G: Kawhi Leonard
F: Blake Griffin
F: Elton Brand
C: Bob McAdoo

Paul e Griffin foram os autores da maior e mais emocionante era dos Clippers com a Lob City. Paul ficou seis temporadas por lá, foi considerado para o primeiro time All-NBA três vezes e liderou a liga em assistências duas vezes durante esse período.

Griffin foi o Calouro do Ano, cinco vezes All-Star e o jogador que qualquer franquia precisava. Brand passou sete temporadas na equipe e foi duas vezes All-Star como um Clipper. McAdoo iniciou sua carreira de Hall da Fama quando a franquia estava em Buffalo, onde liderou a liga em pontuação em três temporadas consecutivas e foi MVP em 1974-75. Kawhi Leonard está com apenas 51 jogos nos Clippers, mas sua produção já o coloca nessa lista.

Com média de 26,9 pontos, 7,3 rebotes e 5,0 assistências, um saudável Kawhi pode validar ainda mais essa escolha se conseguir levar os Clippers às finais da conferência pela primeira vez.

-- Ohm Youngmisuk


Los Angeles Lakers

G: Magic Johnson
G: Jerry West
G: Kobe Bryant
F: Kareem Abdul-Jabbar
C: Shaquille O'Neal

Quatro dessas escolhas foram bem fáceis de fazer. Magic (quinto na lista de assistências da história da NBA) se uniu a Abdul-Jabbar, maior pontuador da história da liga, para vencer cinco títuls. Kobe (quarto maior pontuador de todos os tempos) se juntou a Shaq (oitavo em pontuação na história) para vencer três.

A quinta escolha foi mais difícil. Seria Elgin Baylor, o melhor jogador na posição três da história da franquia? Ou o LeBron James, um dos melhores jogadores da história da NBA? E James Worthy, que se uniu a Magic e Kareem e ganhou um MVP das Finais? Em última análise, a escolha é Jerry West. Baylor nunca ganhou um anel. James não é um Laker há tempo suficiente. Baylor teria que jogar na posição quatro e você já tem Shaq e o Kareem em quadra.

“The Logo” é um bom arremessador, tem resistência e é um lúder, além de ser extremamente importante para a franquia como um todo por seus dias como membro da diretoria.

-- Dave McMenamin


Memphis Grizzlies

G: Mike Conley
G: Tony Allen
F: Shareef Abdur-Rahim
F: Zach Randolph
C: Marc Gasol

A pergunta com os Grizzlies é: quem deve ser o jogador final para preencher uma formação que apresenta os pilares do “Grit 'n' Grind” chamados de “Core Four”? (Eu pensei em fazer uma piada sobre o contrato de Chandler Parsons, mas quero ser bem recebido quando for a Memphis.) Baseado apenas no mérito, Pau Gasol seria a escolha, mas ele não se encaixa ao lado de seu irmão Marc Gasol e Zach Randolph.

Então, iremos com Abdur-Rahim, que foi um jogador muito bom para algumas equipes muito ruins em Vancouver, com média de 20,8 pontos e 8,2 rebotes por jogo ao longo de cinco temporadas em que o Grizzlies teve um histórico de 86 vitórias e 292 derrotas.

-- MacMahon


Minnesota Timberwolves

G: Ricky Rubio
G: Sam Cassell
F: Kevin Garnett
F: Kevin Love
C: Karl-Anthony Towns

Os três melhores jogadores da história da franquia são pivôs: Garnett, Love e Towns. Garnett é o líder da franquia em pontos, rebotes, roubadas de bola, assistências e bloqueios; ele é o único jogador na história da NBA a liderar um time nas cinco categorias.

Towns (22,7 pontos e 11,8 rebotes em 358 jogos) e Love (19,2 pontos e 12,2 rebotes em 364 jogos) apresentam números monstruosos, embora o sucesso nos playoffs nunca tenha acontecido.

(Dado interessante: Towns está a 14 bolas de três de se tornar o maior arremessador da história dos Timberwolves)

Rubio está atrás apenas de Garnett na história da franquia em roubadas e assistências. Já que Wally Szczerbiak e Andrew Wiggins foram listados como jogadores da posição três, a outra vaga de armador vai para Cassell, que jogou apenas dois anos em Minnesota, mas um deles foi o melhor de sua carreira, sendo considerado para o segundo time All-NBA em 2003-04.

-- Andrew López


New Orleans Pelicans

G: Chris Paul
G: Jrue Holiday
F: Jamal Mashburn
F: David West
C: Anthony Davis

(Apenas um lembrete: a história dos Pelicans começa em 2002, quando a equipe se mudou de Charlotte para Nova Orleans. Qualquer coisa antes pertence a Charlotte, mesmo que seja a mesma franquia. Entendeu? Beleza, vamos seguir em frente.)

Primeiro, as certezas: Davis, Paul, Holiday e West. O problema está na ala. Temos quatro jogadores - Mashburn, Peja Stojakovic, Eric Gordon e, sim, Brandon Ingram. Mashburn, na primeira temporada da franquia na nova cidade, em 2002-03, foi um All-Star e foi considerado para a terceira equipe All-NBA.

Os Pelicans não tiveram um ala como All-Star até que Ingram o fez. Mas com apenas 56 jogos no currículo, Ingram não consegue vaga no time. A passagem de Gordon pelos Pelicans não foi boa o suficiente. Stojakovic foi um dos principais jogadores da equipe de 2007-08 que venceu 56 partidas, melhor marca da história da franquia, mas sofreu com lesões.

Mashburn ficou limitado a 101 jogos pelos Pelicans, mas seu impacto no primeiro ano foi inconfundível e ele ainda ocupa o segundo lugar na lista de médias de pontuação da equipe (21,5), atrás apenas de Davis.

-- López


Oklahoma City Thunder

G: Russell Westbrook
G: James Harden
F: Kevin Durant
F: Paul George
F: Serge Ibaka

Há uma ironia no time ideal de todos os tempos do Thunder, porque apresenta o melhor sexto homem de sua história. O peso por conta do papel de Harden é grande porque impactou em suas negociações de contrato e, por fim, facilitou o fim de um dos melhores “super times” construídos de maneira orgânica de todos os tempos.

O melhor time de todos os tempos do Thunder pode se igualar a quase todos os outros, e certamente está entre os mais fortes dos últimos 20 anos. O Thunder existe há apenas 12 anos e possui talento notável: três MVPs (Durant, Westbrook, Harden) e vários All-NBAs e All-Stars. Talvez um dos melhores exemplos seja mostrar quem não entrou no time: Carmelo Anthony e Chris Paul. Não é um banco de reservas ruim.

-- Young


Phoenix Suns

G: Steve Nash
G: Kevin Johnson
F: Walter Davis
F: Charles Barkley
C: Amar'e Stoudemire

Sem Shawn Marion? Paul Westphal? Alvan Adams? Sem Larry Nance? Jason Kidd? Você pode montar um forte time titular só com os jogadores que ficaram de fora desta lista.

Os dois MVPs da história da franquia, Nash e Barkley, entram facilmente. Westphal dividiu o tempo como armador e ala-armador durante suas seis temporadas, mas demos a vaga para Johnson, que passou 12 anos em Phoenix e teve três temporadas consecutivas de 20 pontos e 10 assistências, sendo considerado cinco vezes um All-NBA. Foi difícil escolher entre Davis e Marion.

Ambos foram considerados duas vezes para times All-NBA, mas Davis é o maior pontuador da história da franquia. No pivô, Stoudemire supera Adams.

-- López


Portland Trail Blazers

G: Damian Lillard
G: Clyde Drexler
G: Brandon Roy
F: LaMarcus Aldridge
C: Bill Walton

Este quinteto titular, al igual que cualquier otro debate con respecto a la historia de los Blazers, nos causa mucha reflexión introspectiva y profunda tristeza por lo que pudo haber sido. Las lesiones sufridas por Walton y Roy causaron prematuros finales a las que pudieron ser carreras legendarias en Portland. A pesar de ello, el Walton de sus mejores versiones fue un gigante trascendental con habilidades únicas, mientras que Roy fue un talentoso encestador con olfato para convertir en los momentos clave.

Como em qualquer conversa sobre a história dos Blazers, os cinco primeiros vêm com muitos suspiros e são acompanhados de olhares para o além. As lesões de Walton e Roy abreviaram o que seriam carreiras lendárias em Portland. Mas em suas melhores versões, Walton era um pivô com habilidades únicas, e Roy era um pontuador talentoso. Drexler é um membro do Hall da Fama que era o principal jogador do time quando Portland viveu a sua melhor época. Aldridge é um dos pivôs marcantes da sua época, e Lillard provavelmente será o melhor jogador da história da franquia. Os Blazers são assombrados pela história de viver na angústia do que poderia ter sido, mas também há uma beleza neste time. Representa quem eles são e, para sempre, o que eles poderiam ter sido.

-- Young


Sacramento Kings

G: Oscar Robertson
G: Tiny Archibald
F: Peja Stojakovic
F: Chris Webber
C: Jerry Lucas

Uma dupla Hall da Fama entre Robertson e Archibald derruba Mitch Richmond. Lucas, outro Hall da Fama, teve médias de 19,6 pontos e 19,1 rebotes em seis temporadas no Cincinnati Royals. Ele é o escolhido para a posição de pivô.

Para os jogadores das posições três e quatro, olhamos para dois jogadores dos Kings do início dos anos 2000, quando Sacramento era uma equipe que disputava playoffs. Stojakovic ainda é o líder da franquia em bolas de três pontos, e Webber teve médias de 23,5 pontos, 10,6 rebotes, 4,8 assistências, 1,5 roubadas de bola e 1,5 bloqueios em 377 jogos em Sacramento.

É estranho não ter DeMarcus Cousins no time ideal dos Kings, mas quando você olha para a história da franquia - que remonta ao Rochester Royals e seu primeiro ano na NBA em 1949 - fica mais claro o motivo pelo qual ele não entrou.

-- López


San Antonio Spurs

G: Tony Parker
G: Manu Ginobili
F: George Gervin
F: Tim Duncan
C: David Robinson

Demoramos tanto tempo para chegar a este time quanto Gregg Popovich demora nas entrevistas durante o jogo. Todas essas decisões foram fáceis, considerando a combinação de grandeza e longevidade de cada jogador com os Spurs. (Kawhi Leonard provavelmente entraria aqui, mas não ficou tanto tempo no Texas.)

Duncan e Robinson estão na pequena lista de MVPs que jogaram suas carreiras inteiras por apenas uma franquia. Ginobili e Parker foram partes essenciais de uma dinastia. Gervin era uma estrela cuja presença fazia com que o basquete profissional se mantivesse relevante no pequeno mercado de San Antonio.

-- MacMahon


Seattle SuperSonics

G: Gary Payton
G: Gus Williams
F: Detlef Schrempf
F: Shawn Kemp
C: Jack Sikma

Payton, Kemp e Sikma, os três jogadores a fazer pelo menos cinco aparições em All-Star com uniformes dos Sonics, são as três escolhas fáceis aqui. No outro lado da armação, há argumentos fortes para Fred Brown (que é o segundo maior pontuador da franquia) e Ray Allen (quatro vezes All-Star em Seattle), mas o papel de Gus Williams no título de 1979 lhe dá a vantagem.

Spencer Haywood voou mais alto e Rashard Lewis teve mais longevidade, mas vou escolher Schrempf, cujo jogo versátil e eficiente estava à frente de seu tempo nos anos 90.

-- Kevin Pelton

Utah Jazz

G: John Stockton
G: Pete Maravich
F: Adrian Dantley
F: Karl Malone
C: Rudy Gobert

A arena do Jazz está localizada no cruzamento das avenidas Stockton e Malone, com estátuas das lendas em destaque, então achamos que esses caras provavelmente mereceriam uma vaga aqui. Dantley foi um grande pontuador para o Jazz, com média de 29,6 pontos em 56,2% de aproveitamento nos arremessos, e sendo o maior pontuador da liga duas vezes durante suas sete temporadas em Utah. Gobert supera Mark Eaton porque é um jogador ofensivo superior.

Foi difícil não incluir Darrell Griffith, também conhecido como "Dr. Dunkenstein", mas Pistol Pete era muito produtivo (25,7 pontos e 5,7 assistências por jogo) com o New Orleans Jazz para ficar de fora.

-- MacMahon