<
>

LeBron, Carmelo, Iverson... as reconciliações que surpreenderam - e decepcionaram - na NBA

Dwight Howard está voltando para o Los Angeles Lakers, depois de chegar a um acordo de buyout com o Memphis Grizzlies na NBA.

Embora a negociação não tenha sido uma surpresa, dados os acontecimentos recentes - especificamente a lesão de DeMarcus Cousins e a falta de interesse dos Grizzlies em manter Howard - isso choca qualquer pessoa que se lembra da primeira passagem dele nos Lakers.

Dwight Howard chegou aos Lakers em 2012 e deveria fazer parte de um 'supertime', com Kobe Bryant, Pau Gasol e Steve Nash, que também foi negociado para os Lakers naquele verão. Em vez disso, o técnico Mike Brown foi demitido após cinco partidas (1V, 4D).

Dwight Howard e Kobe teriam brigado no vestiário e Kobe sofreu uma lesão no tendão de Aquiles. Como indignidade final, Howard foi expulso do seu último jogo como um Laker, uma derrota por 103 a 82 para completar a vitória dos Spurs por 4-0 na série de playoff.

Dwight Howard assinou contrato com o Houston Rocketsno verão de 2013 e, quando ele e Bryant se encontraram na quadra, Bryant chamou Howard de 'soft' (tradução: fraco), algo que o pivô disse para a Fox Sports, recentemente, que odiava.

No entanto, apesar de toda essa história, Howard mais uma vez vestirá a camisa dos Lakers enquanto tenta ajudar o time a conquistar seu primeiro título da NBA desde 2010.


Moses Malone/Philadelphia 76ers

Três vezes MVP da Liga, Moses Malone levou o 76ers ao título em 1983, mas sua temporada 1985-86 terminou cedo devido a uma fratura no osso orbital. Temendo que os melhores dias de Malone já fossem passado - depois de uma temporada em que ele brigou com o técnico Matt Guokas - Philadelphia o negociou com o Washington Bullets em troca de Jeff Ruland e Clifford Robinson. "Estamos muito melhores para lidar com o campeonato do que 24 horas atrás", disse o gerente geral do 76ers, Pat Williams.

Ele estava errado.

Os 76ers caíram de 54 vitórias para 45, enquanto Ruland lutou contra lesões. Enquanto isso, Malone provou que estava em seu auge, sendo chamado para o All-Star Game em cada uma das três temporadas seguintes. Após passagens em Washington, Atlanta e Milwaukee, Malone voltou à Philadelphia para a temporada 1993-94. Servindo como substituto e mentor do novato Shawn Bradley, Malone jogou 55 jogos no que seria a sua penúltima temporada da NBA. Ele teve a sua camisa aposentada pela franquia no início deste ano.


Chris Webber/Golden State Warriors

Primeira escolha geral no draft de 1993, Chris Webber foi negociado pelo Orlando Magic com os Warriors em troca de Anfernee Hardaway e três futuras escolhas da primeira rodada. Ele venceu o prêmio de Novato do Ano, apesar de ter tido problemas com o treinador Don Nelson por grande parte da temporada.

Como Webber foi draftado na era anterior aos contratos de calouros, seu primeiro contrato continha uma cláusula de exclusão após a primeira temporada, que ele exerceu, tornando um free agent. Ele deixou claro que não tinha intenção de retornar aos Warriors, que fizeram um acordo com os Bullets, mandando Webber para Washington pelas próximas quatro temporadas.

Depois que sua breve passagem pelo Detroit Pistons terminou, Webber permaneceu sem contrato no início da temporada 2007-08. Ele finalmente se juntou aos Warriors, mas se aposentou dois meses depois por conta de problemas no joelho.


Kevin Garnett/Stephon Marbury

KG e 'Starbury' deveriam ser a dupla que levaria o Minnesota Timberwolves ao topo da NBA. Em vez disso, eles jogaram pouco mais de duas temporadas juntos antes de Marbury sair de Minnesota, uma decisão que muitos dizem que foi impulsionada pelo contrato que Garnett recebeu do time.

Após o seu tempo com o New York Knicks terminar, Marbury assinou contrato com o Boston Celtics, juntando-se a Garnett, que liderara a equipe para o título campeonato na temporada anterior. Marbury jogou 23 jogos da temporada regular em Boston e esteve em quadra para todos os 14 jogos dos playoffs do Celtics naquela temporada, mas um título mais uma vez escapou à dupla, já que as lesões de Garnett o impediram de jogar nos playoffs.


Allen Iverson/Philadelphia 76ers

Um MVP amado. Uma briga com um treinador. Uma troca repleta de controvérsia. A história se repetiu na Philadelphia 20 anos após a saída de Moses Malone. Iverson (e Webber, coincidentemente) foram colocados no banco para o final da temporada 2005-06, depois de chegarem atrasados na noite da apreciação dos fãs. Isso preparou o cenário para um verão cheio de rumores de trocas, e enquanto Iverson começou a temporada seguinte com o 76ers, não durou muito.

Após um início de cinco vitórias e 10 derrotas, os 76ers disseram a Iverson que ele não jogaria mais e o mandou para casa para aguardar uma troca. Ele acabou sendo enviado para o Denver Nuggets, onde jogou três temporadas antes de ser transferido para o Detroit Pistons.

Iverson começou o que viria a ser sua última temporada da NBA com o Memphis Grizzlies, mas deixou o time depois de apenas três jogos e se aposentou. Mas menos de uma semana depois de se aposentar, ele voltou aos 76ers, que precisavam de ajuda na posição de armador depois que Lou Williams sofreu uma fratura na mandíbula. Iverson jogou 25 jogos em sua segunda passagem pelo 76ers, sendo titular em 24 deles, antes de deixar o time para cuidar da saúde de sua filha. A equipe aposentou o número 3 em 2014.


LeBron James/Cleveland Cavaliers

É provável que nunca tenha havido, na história da NBA, um divórcio com mais holofotes do que o de LeBron James com o Cleveland Cavaliers. "A Decisão" arrancou os corações dos torcedores de Cleveland, depois "A Carta" arrancou o coração de LeBron. No momento em que ele estava em um palco em Miami, com o objetivo de vencer o campeonato "não cinco, não seis, não sete vezes", parecia que a ideia de ele voltar a usar o uniforme dos Cavaliers era um mero devaneio.

Mas o tempo cura todas as feridas, e o Rei fez seu retorno triunfante aos Cavs em 2014. Dois anos depois, ele trouxe à franquia seu único campeonato, e quando ele saiu novamente em 2018, a equipe não tinha nada além de boas coisas a dizer sobre ele.


Carmelo Anthony/Mike D'Antoni

D'Antoni teve duas temporadas negativas nas suas primeiras em Nova York, mas as coisas mudaram em 2010-11 com a contratação de Amar'e Stoudemire e a troca no meio da meia temporada que trouxe Carmelo Anthony de Denver para o Madison Square Garden. Os Knicks tiveram a sua primeira temporada de com mais vitórias do que derrotas desde 2000-01 e encerraram uma seca de seis anos nos sem ir aos playoffs. No entanto, Anthony e D'Antoni não se deram bem e, na temporada seguinte, Anthony emitiu um ultimato: Era ele ou D'Antoni.

E foi ele.

Esse teria sido o fim da história, mas os dois se cruzaram outra vez em Houston. "Acho que isso é totalmente diferente", disse o técnico ao USA Today, comparando as situações em Houston e Nova York. No entanto, não foi. Anthony jogou apenas 10 jogos pelos Rockets antes de finalmente ser mandado para casa e depois negociado para Chicago. No total, D'Antoni não treinou Anthony por uma temporada completa de 82 jogos.