<
>

UFC 253: Adesanya frustra na distância, deixa Borrachinha ineficaz como nunca e acerta 5x mais golpes

play
UFC | Promessa de morte, 'ele é burro' e muito mais: relembre as ofensas trocadas entre Adesanya e Borrachinha desde antes da luta ser marcada (1:04)

Rivais se cutucam há muito tempo pelo cinturão dos médios (1:04)

Uma das lutas mais esperadas do ano acabou não sendo lá tão competitiva quanto se achava. Israel Adesanya não deu muitas chances a Paulo Borrachinha e acabou nocauteando logo no 2º round. Um pequeno atropelo.

Mas como entender o que aconteceu? Por que a luta não foi tão disputada como se achava que seria? O que o brasileiro poderia ter feito diferente?

Os números do combate nos ajudam a entender um pouco a questão.

Conteúdo patrocinado por Sportingbet

O primeiro número que chama a atenção é o de golpes. E a diferença grande entre os lutadores: Adesanya acertou quase 5x mais golpes que o rival (55 a 12).

E o que explica isso é o número que vem a seguir: 45 dos 55 golpes que Adesanya acertou foram conectados à distância.

O nigeriano conseguiu fazer valer a principal vantagem que ele tinha: a envergadura. Com 2,03m no quesito, ele acertava Borrachinha (que tem 1,83m) muito antes de o brasileiro conseguir fazer qualquer coisa.

A principal arma acabou sendo o chute nas pernas: foram 26 conectados. A maioria dele acertou em cheio na perna esquerda de Paulo e deixou o lugar bastante machucado - e até sangrando.

Com essa dificuldade, Borrachinha foi ineficiente como nunca havia sido em sua carreira no UFC.

O brasileiro entrou na luta com a melhor média da história de 8,43 golpes desferidos por minuto em suas lutas. Contra Adesanya, esse número caiu para apenas 1,3.

O resultado disso tudo foi um nocaute decretado aos 4 minutos do segundo round. E a frustração de Borrachinha e do Brasil em voltar a ter o cinturão dos pesos médios do UFC.

Veja todos os resultados do UFC 253:

CARD PRINCIPAL

Israel Adesanya (NIG) nocauteou Paulo Borrachinha (BRA) aos 3:59 do 2º round – pelo cinturão dos pesos médios
Jan Blachowicz (POL) nocauteou Dominick Reyes (EUA) aos 4:36 do 2º round – pelo cinturão vago dos meio-pesados
Brandon Royval (EUA) finalizou Kai Kara-France (NZL) com uma guilhotina a 0:48 do 2º round - moscas
Ketlen Vieira (BRA) venceu Sijara Eubanks (EUA) na decisão unânime dos jurados (29-28, 29-28 e 29-28) – galos feminino
Hakeem Dawodu (CAN) venceu Zubaira Tukhugov (RUS) na decisão dividida dos jurados (28-29, 30-27, 29-28) - penas

CARD PRELIMINAR

Brad Riddell (NZL) venceu Alex Leko (BRA) na decisão unânime dos jurados (29-28, 29-28 e 29-28) - leves
Jake Matthews (AUS) venceu Diego Sanchez (EUA) na decisão unânime dos jurados (30-26, 30-26 e 30-26) – meio-médios
Ludovit Klein (SVK) nocauteou Shane Young (NZL) aos a 1:16 do 1º do 1º round - penas
William Knight (EUA) venceu Aleksa Camur (EUA) na decisão unânime dos jurados (29-28, 30-27 e 30-27) – meio-pesados
Juan Espino (ESP) finalizou Jeff Hughes (EUA) com um neck crank aos 3:48 do 1º round - pesados
Danilo Marques (BRA) venceu Khadis Ibragimov (RUS) na decisão unânime dos jurados (29-28, 29-28 e 30-27) – meio-pesados