<
>

Por que Everton perdeu 10 pontos na Premier League? Entenda buraco financeiro no clube prestes a ser comprado pela 777, dona do Vasco

Estátua de Dixie Dean em frente ao Goodison Park, estádio do Everton Bradley Collyer/PA Images via Getty Images

O futebol inglês foi impactado nesta sexta-feira (17) com o anúncio da forte punição imposta ao Everton, que teve deduzidos 10 pontos na classificação por violar regras de lucratividade e sustentabilidade da Premier League durante a temporada 2021/22. Essa é a maior pena já imposta a um clube no futebol inglês por violação aos regimentos financeiros.

A regra é conhecida na Inglaterra como PSR, sigla para 'profitability and sustainability rules'.

A decisão, que tem efeito imediato e leva o clube de Merseyside da 14ª à 19ª colocação, é o resultado de uma queixa da Premier League apresentada no início do ano contra o clube, que teve seus resultados financeiros avaliados por uma comissão independente.

De acordo com o regimento de competição do Campeonato Inglês, todos os clubes são avaliados anualmente quanto ao cumprimento das PSRs. A conformidade com as regras é avaliada com base em um cálculo resultante do agregado de lucros (considerando o valor bruto, antes das aplicações de impostos) durante o período.

Sobre esses números ainda são considerados outros 'aditivos' em comum aos clubes ingleses, aqueles considerados de interesse geral como investimento em infraestrutura, serviço voltado à comunidade e o desenvolvimento do futebol feminino e de base.

O regimento da Premier League prevê ainda, excecionalmente durante as edições 2019/20, 2020/21 e 2021/22, que os prejuízos em relação à COVID-19 fossem incluídos também entre os 'aditivos' para as regras de lucratividade e sustentabilidade.

Mas então, o que indica que um clube tenha infringido as PSRs? A regra prevê que isso ocorre quando um clube registre perdas superiores a £105 milhões durante três anos. O Everton, na análise feita pela comissão independente, apresentou perdas de £124,5 milhões.

O que a Premier League disse?

“Uma comissão independente impôs uma dedução imediata de 10 pontos ao Everton FC por violação das Regras de Rentabilidade e Sustentabilidade (PSRs) da Premier League.

A Premier League apresentou uma queixa contra o clube e encaminhou o caso para uma comissão independente no início deste ano. Durante o processo, o Clube admitiu que violou os PSRs para o período que termina na temporada 2021/22, mas a extensão da violação permaneceu.

Após uma audiência de cinco dias no mês passado, a Comissão determinou que o cálculo do PSR do Everton FC para o período relevante resultou numa perda de £ 124,5 milhões, conforme alegado pela Premier League, que excedeu o limite de £ 105 milhões permitido pelos PSRs. A Comissão concluiu que deveria ser imposta uma sanção desportiva sob a forma de uma dedução de 10 pontos. Essa sanção tem efeito imediato”.

O que o Everton disse?

O Everton Football Club está chocado e desapontado com a decisão da Comissão da Premier League.

O Clube acredita que a Comissão impôs uma sanção desportiva totalmente desproporcional e injusta. O Clube já comunicou a intenção de recorrer da decisão à Premier League. O processo de apelação começará agora e o caso do Clube será ouvido por um Conselho de Apelação nomeado de acordo com as regras da Premier League no devido tempo.

O Everton afirma que tem sido aberto e transparente nas informações que prestou à Premier League e que sempre respeitou a integridade do processo. O Clube não reconhece a conclusão de que não agiu com a máxima boa-fé e não entende que esta tenha sido uma alegação feita pela Premier League durante o curso do processo. Tanto a dureza como a severidade da sanção imposta pela Comissão não são um reflexo justo nem razoável das provas apresentadas.

O Clube também monitorará com grande interesse as decisões tomadas em quaisquer outros casos relativos às Regras de Lucro e Sustentabilidade da Premier League.

Everton não pode comentar mais sobre este assunto até que o processo de apelação seja concluído.

Impacto pesado por novo estádio

Outra alegação do Everton é a dos gastos elevados para a construção de seu novo estádio, na região de Bramley Moore Dock, em Liverpool, que substituirá o Goodison Park a partir da temporada 2024/25.

Entre os impactos alegados pelo clube está o fracasso no acordo com a holding, propriedade do bilionário russo Alisher Usmanov, que pagaria £ 200 milhões (cerca de R$ 1,2 bilhão) para assumir os naming rights para o estádio. O acerto, no entanto, não foi concluído após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Como a decisão impacta o processo de compra pela 777 Partners?

A punição imposta pela Premier League ao Everton poderá impactar no processo de aprovação da venda do clube à 777 Partners, proprietária da SAF do Vasco.

Segundo informações do jornal The Guardian, cláusulas contratuais do acordo preveem a redução no valor da negociação com o fundo de investimentos norte-americano caso a punição seja mesmo mantida após a apelação dos Toffees.

Ainda de acordo com o diário, Leeds, Leicester e Burnley já comunicaram à 777 Partners que pretendem processar o Everton por danos se a Premier League mantiver a punição ao clube.

Os três times foram rebaixados nas últimas temporadas do Campeonato Inglês, enquanto os Blues se mantiveram por pouco na elite inglesa.

Acordo com a 777 Partners segue travado

Segundo revelou o jornal norte-americano New York Times em meados de outubro, a venda do Everton para o 777 Partners estagnou porque o fundo de investimento não apresentou a um regulador britânico as garantias financeiras necessárias.

A Autoridade de Conduta Financeira (FCA) da Grã-Bretanha formalizou uma demanda à 777 Partners neste mês. Se a empresa não apresentar os dados financeiros necessários ou então uma explicação aceitável, a aquisição do clube de Liverpool pode não acontecer.

Uma fonte de bastidores da negociação, no entanto, disse à agência Reuters que a negociação está em andamento e que o acordo não está paralisado.

O Everton foi vendido à 777 Partners no mês passado em um acordo estimado em mais de 550 milhões de libras (cerca de R$ 3,4 bilhões).