<
>

Presidente do Bahia desabafa sobre 'escândalo' contra o Flamengo e dispara contra Gaciba e CBF

Dirigente do Bahia se irritou com a arbitragem do jogo contra o Flamengo em entrevista ao Sportscenter


O Flamengo recebeu o Bahia, na noite desta quinta-feira (11), no Maracanã pela 31ª rodada do Brasileirão. A partida foi marcada por conta de um pênalti assinalado contra o Tricolor de Aço na primeira etapa.

Após a partida, o presidente Guilherme Bellintani participou do Sportscenter e fez duras reclamações sobre a arbitragem, detonando a gestão de Leonardo Gaciba.

Acompanhe as repercussões, com entrevistas e análises, de Flamengo x Bahia no Sportscenter desta quinta-feira, às 20h55 (de Brasília), ao vivo pela ESPN no Star+

“O juiz certamente não viu o pênalti, mas deu o pênalti, porque cego ele não é. Ele teve a chance de corrigir a bizarrice, a coisa horrível que ele fez e vai manchar a biografia dele. Mas não tem problema, daqui a dois jogos, ele está sendo escalado de novo. O momento não é difícil para o Bahia, é para o futebol brasileiro. Vocês citaram o lance contra o Juventude, um lance sem goleiro, a bola direcionada para o gol, o juiz não dá pênalti. O juiz diz que foi braço de apoio. E a própria Comissão de Arbitragem disse que foi um erro. Depois, no jogo contra o São Paulo, mais um erro absurdo, em que Miranda pisa no pé de Juninho Capixaba, e o juiz no áudio disse que não foi pênalti, porque Miranda não tinha outro lugar para colocar seu pé”, disse.

“Ou seja, está inaugurada a era de que se você não tem outro lugar para colocar seu pé, pode pisar no adversário que não é pênalti. Eu nunca vi isso. Novamente, a Comissão diz que houve erro. E hoje, algo que chega a ser escandaloso, passa a ser histórico. Histórico para o VAR, para a verdadeira vergonha que é a liderança de Leonardo Gaciba, mas não apenas dele. A partir que toda CBF compactua com a permanência de Gaciba nessa vergonha que é a Comissão de Arbitragem do Brasil, todos são responsáveis. A gente fala muito de Gaciba, mas todos são corresponsáveis”, completou.

O mandatário tricolor ainda questionou a mudança do árbitro na véspera da partida e denunciou irregularidades na escolha de trios até janeiro deste ano.

“Por que o árbitro foi modificado ontem, antes do jogo? Ele ficou doente, ele teve algum problema de deslocamento? Por que a troca foi ontem? O artigo 32 da Lei Pelé é taxativo ao dizer que os árbitros devem ser sorteados ou que haja uma audiência pública ou via internet que justifique a colocação de um árbitro para o jogo, sob pena de nulidade. E a Comissão de Arbitragem substituiu ontem um árbitro sob nenhuma justificativa, sem audiência pública, sem sorteio. Isso era prática comum, até janeiro”, afirmou.

“A Comissão do Arbitragem afrontava a Lei Pelé sob pena de nulidade até janeiro. O Bahia fez essa denúncia, e a partir da rodada seguinte, a Comissão de Arbitragem tem feito audiências ao vivo até ontem. Eu só precisava dessa resposta. Alguém em sã consciência que tenha condição faça uma declaração. Eu não sei quem estão querendo beneficiar, mas certamente não é o Bahia. O Flamengo não precisa disso, tem futebol de sobra para vencer o Bahia sem precisar disso. Mas a gente quer no mínimo que seja um jogo de igual para igual”, relatou.

Por fim, o presidente explicou a tentativa dos atletas de não voltarem ao campo para a segunda etapa, explicando que o fizeram de cabeça quente.

“Nosso vice-presidente estava lá, me ligou no intervalo e disse que os jogadores estavam resistentes a voltar para campo, porque entendiam que, a partir da decisão da arbitragem, o jogo já estava decidido. Lógico, todos pensando de cabeça quente. Mas com a seriedade e pensamento que o Bahia tem de não fugir do enfrentamento, decidiu por voltar”, finalizou.