<
>

Ex-CEO do Cruzeiro defende exames de sangue para elenco: 'Tomam cachaça e vão pra gandaia'

Fora do Cruzeiro desde 6 de janeiro, quando deixou o cargo de CEO do clube, Vittorio Medioli segue disparando frases fortes sobre a equipe celeste.

Em entrevista divulgada pelo canal de YouTube "Cruzeiro Sports", o prefeito da cidade de Betim-MG defendeu que o elenco da Raposa tenha que passar por exames de sangue regularmente, o que evitaria que os atletas exagerassem nas baladas.

"Os atletas (do elenco atual do Cruzeiro) não tem uma regra como temos no vôlei [a equipe de vôlei Sada/Cruzeiro]. Tem que se abster de bebida alcoólica, fazer análise de sangue, tem que ter nutricionista.... Não nutricionista de araque, nutricionista de verdade! Tem que ter todo um sistema para levar os atletas ao máximo desempenho", disparou.

"Lá (no Cruzeiro), não tem. Um sai para tomar cachaça, fica na gandaia a noite inteira e fica por isso mesmo. Ninguém toma providência", afirmou.

"O atleta tem uma vida útil no profissionalismo até 34, 35 anos. Então, tem que se dedicar à profissão dele. Depois disso, aí vai beber, tomar a cachaça que quiser. Mas lá (no Cruzeiro) não tem isso. Não tem regra", acrescentou.

Medioli também disparou contra os diretores e funcionários do Cruzeiro, que, segundo ele, "ficam distraídos tentando ganhar dinheiro com trambiques" na equipe e não tem qualquer moral para cobrar os atletas.

"Lá (no elenco) também tem grandes atletas desmotivados. Ele vê o colega tomar umas e outras, não vai aos treinos... Não tem (controle), as pessoas ficam distraídas tentando ganhar dinheiro com trambique lá dentro que não cuidam dos atletas, não impõem moral dentro do clube. É igual amarrar cachorro com linguiça. Não tem controle das coisas", reclamou.

"Tem dirigente que vai para a gandaia junto com os atletas. Como vai fazer isso (cobrar)? Tem outro que vende roupas lá dentro (do clube), outro que some com cerveja, com gasolina... É o fim do mundo! É caso de polícia!", denunciou.

"Tem que entrar lá (com intervenção judicial), colocar em ordem, despoluir essas questões e depois reconstruir", complementou.