<
>

Cruzeiro antecipou R$ 70 milhões de direitos de TV que teria a receber até 2022, revela jornal

play
Pedro Rocha diz o que mudou com a chegada de Ceni ao Cruzeiro: 'Vida nova' (1:07)

Atacante deseja que equipe conquiste a primeira vitória fora de casa no Brasileiro (1:07)

O Cruzeiro antecipou, em maio de 2018, mais de R$ 70 milhões que teria para receber de cota de televisão até outubro de 2022. A informação é do Superesportes, que obteve documentos mostrando a ação do presidente do clube, Wagner Pires de Sá.

A quantia exata é de R$ 70.256.000,10, o que pode complicar a próxima gestão, já que utiliza receitas que seriam disponibilizadas para o próximo presidente. Pires de Sá, vale lembrar, é pré-candidato à reeleição.

A negociação, de acordo com a reportagem, envolveu o Polo Clubes Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios, criada em 2012 com a função de adiantar direitos televisivos. O Cruzeiro, no acordo assinado por Pires de Sá e pelo então diretor financeiro José Osvaldo Sobrinho, o clube informou a TV Globo que ela teria que pagar os direitos ao fundo, e não mais ao clube.

O valor total é parcelado em 31 parcelas, pagas entre julho de 2019 e outubro de 2022. Mas isso não quer dizer que o clube mineiro embolsou todo o valor.

Para antecipar o recebimento, o Cruzeiro abriu mão de cerca de 17% do total, algo em torno de R$ 12 milhões, e colocando “apenas” R$ 58 milhões nos cofres.

A publicação destaca que Pires de Sá foi informado por pessoas próximas de que a antecipação, por envolver valores referentes à anos após seu mandato, poderia infringir regras impostas pelo Profut, a lei de 2015 que fala da responsabilidade fiscal dos clubes brasileiros.

O Artigo 4º, parágrafo IV, da lei é bem claro ao dizer que é “proibido antecipação ou comprometimento de receitas referentes a períodos posteriores ao término da gestão ou do mandato”. Contudo, meses após fechar o acordo, o mandatário assinou um documento oficial, mantido em sigilo e obtido pelo Superesporte, justificando que o dinheiro seria utilizado em “substituição de passivos onerosos do Cruzeiro, implicando na redução do seu nível de endividamento”, o que não feriria o Profut.