<
>

Fernandinho é apresentado no Athletico-PR, diz o que pesou para voltar ao Brasil e indica que vai encerrar carreira no clube

Volante assinou contrato com o Athletico-PR até 2024


Depois de nove anos no Manchester City, Fernandinho está de volta ao Brasil. O volante foi apresentado como novo reforço do Athletico-PR nesta segunda-feira (27).

O jogador, revelado para o mundo do futebol pelo clube paranaense, assinou contrato válido até o fim de 2024.

Na apresentação, Fernandinho falou que está realizando um sonho de poder voltar ao Athletico e indicou que pretende encerrar a carreira no Furacão.

''Sem dúvida estou realizando um sonho, um desejo pessoal de voltar a vestir a camisa do Athletico-PR. Estabelecer uma marca que encerrarei minha carreira jogando por apenas três clubes: dois na Europa e um no Brasil. Então estou muito feliz. Agradeço a minha família, que me apoiou desde sempre nessa decisão. Não só o meu coração, mas o de todos nós acabou falando mais alto nesse momento. Tivemos inúmeras propostas, de vários clubes diferentes, do Brasil e de fora. Mas a decisão mais sensata foi voltar para casa e tentar entregar o meu melhor aqui no Athletico agora'', afirmou.

Depois de atuar no Furacão entre 2002 e 2005, Fernandinho foi para o Shaktar Donetsk. No time ucraniano, atuou por oito temporadas até ser transferido para o Manchester City, onde estava até o momento. Pelo equipe inglesa, conquistou cinco Premier Leagues, seis Copas da Liga, uma Supercopa da Inglaterra e uma Copa da Inglaterra. O volante também foi vice-campeão da Champions League na temporada 2020/2021.

Pela seleção brasileira, o veterano ainda disputou duas Copas do Mundo (2014 e 2018) e foi campeão da Copa América, em 2019.

Agora, aos 37 anos, Fernandinho está de volta ao Athletico-PR e quer que a sua experiência contribua para o jovem elenco rubro-negro.

''Saiu uma estatística que o Athletico é o clube mais jovem do Campeonato Brasileiro, com média de idade de 23 anos. Então, chega o 'vovô' aqui para ajudá-los (os jogadores) a amadurecer no dia-a-dia. Tentar fazer com que eles entendam e saibam da capacidade que eles têm para jogarem ao alto nível para que dentro de campo possam ser melhores do que estão sendo agora para lá na frente colherem frutos'', concluiu.