<
>

Baiano fala sobre novidades e comenta crescimento do CBolão: 'O sentimento é indescritível'

play
Com presencial e personalidades internacionais, Baiano fala sobre planos para expandir o CBolão (6:08)

O streamer fala também sobre a ida para outros jogos (6:08)

Streamer fala sobre o crescimento do campeonato amador, novidades para a nova edição e planos para expandir o projeto para novos horizontes no próximo ano


Encaminhando-se para sua quarta edição, que acontece ao longo de novembro e começo de dezembro, o CBolão é um dos campeonatos amadores mais esperados pela comunidade brasileira de League of Legends. Idealizado pelo streamer Baiano, o evento beneficente mostra jogadores profissionais, destaques do cenário e até mesmo mono champions do MOBA da Riot Games se enfrentando em jogos focados em trazer o melhor do entretenimento aos espectadores.

Aproveitando o sucesso do projeto para ajudar causas sociais, o CBolão busca unir em um só lugar diversas tribos e personalidades em um período em que os torneios oficiais já não estão mais acontecendo. Em entrevista ao ESPN Esports Brasil, Baiano fala sobre o patamar alcançado pelo projeto, novidades para a próxima edição e os planos para a expansão do campeonato.

Surgindo apenas como uma ideia de atender àqueles que clamavam por um campeonato de League of Legends nos períodos de hiato, e também com o propósito de ajudar em causas sociais através de doações, atualmente, mais de um ano após a estreia de sua primeira edição, o CBolão é reconhecido ao redor do Brasil como um dos maiores campeonatos beneficentes (e amadores) da modalidade, alcançando picos de audiência de 193 mil espectadores, por exemplo.

Realizado por Baiano e contando com a presença de várias personalidades, como Toboco, as expectativas iniciais para a brincadeira não eram das maiores. A ideia era criar um ambiente onde as pessoas pudessem se divertir assistindo jogadores conhecidos e desconhecidos se enfrentando dentro do Rift, com tudo sendo colocado dentro de um ambiente descontraído e totalmente diferente do que a comunidade está acostumada a consumir. Hoje, o patamar alcançado pelo evento é outro.

“O sentimento é indescritível. Hoje eu vejo que o CBolão tomou proporções internacionais, tem time de fora que quer jogar o campeonato hoje, jogadores de outras regiões, é uma coisa surreal. O brilhantismo todo vem dessa mistura de entretenimento junto com competitividade e é o campeonato da comunidade, sacou? Tudo e qualquer decisão sobre o CBolão é pautada no que a comunidade vai achar. Então cada mínimo detalhe, desde o começo até hoje, sempre foi feito desse jeito”, comenta Baiano.

“Tem muitos planos que já dá [pra fazer], hoje já tenho estrutura pra fazer isso, de fazer um presencial ou trazer time de fora para jogar. Tudo isso está na ideia, não estamos em uma situação tão boa ainda em relação à pandemia, então optamos por fazer online ainda essa edição. Mas, para o ano que vem, é mais um reset de poder fazer qualquer coisa com o futuro do CBolão, de poder realmente fazer presencial e pensar em trazer time de fora”, adiciona.

Em sua quarta edição, o campeonato trará algumas novidades que ainda não puderam ser reveladas totalmente pelo ex-jogador profissional. No quesito estrutura, como o campeonato é realizado de forma online, não existem meios de trazer muitas novidades, no entanto, quando pensamos em atrações, a história é outra.

“Não anunciamos ainda, mas vou deixar o spoiler que o Liu vai seguir, ele é meio que um padrinho nosso. Mas estamos trazendo outros artistas também, vai ter artista da cena do rap que está entrando no mundo dos games e em relação à questão geral do campeonato vamos tentar mudar o formato da competição também, mas assim, sempre ao redor das personalidades do jogo. Não tem jeito, não tem como fugir, são os jogadores que tem maior destaque da comunidade”, revela o streamer.

Contando com a câmera 360º dentro de jogo como uma das inovações tecnológicas trazidas pela produção do evento, Baiano também afirma durante a entrevista que a parte de tecnologia do CBolão será outra frente que também contará com novidades: “em questão de tecnologia tem umas novidades também pra trazer pra galera”.

Além das novidades tecnológicas e atrações, mesmo que direcionado à comunidade de League of Legends - tendo seus torneios sendo disputados no game -, os planos de Baiano são de tentar trazer personalidades de outros cenários, com o objetivo de juntar as comunidades e englobar os games em uma transmissão 100% focada em entretenimento e em fazer o bem.

EXPANSÃO E ABRAÇANDO NOVOS CENÁRIOS

Ainda sim, ainda há muitos lados para crescer. Um dos exemplos desse crescimento do evento nos últimos meses foi o CBolinho, que alcançou uma média de mais de 22 mil espectadores e um recorde de mais de 300 mil espectadores únicos, se tornando o campeonato da modalidade mais assistido na época no qual foi realizado.

Dono de uma das organizações mais vencedoras do Wild Rift brasileiro, a Só Agradece, Baiano revela que os planos para o próximo ano são de investir ainda mais para desenvolver o projeto no “celuLoL” e quem sabe expandir para outros títulos que não sejam relacionados à League of Legends.

“Já fizemos o CBolinho, que bateu recorde mundial de audiência, pegamos 30-35 mil espectadores na semana de lançamento. Eu tenho a ideia de tornar mais frequente, o projeto já existe e foi um sucesso total esse CBolinho que fizemos para o Wild Rift. Talvez até para outros jogos também, a ideia existe, mas o ponto é que essa agenda de final de ano pra mim é um pouco complicada, mas pra agenda do próximo ano a ideia do CBolinho vem forte ainda”, conta.

A expansão também leva em conta trazer a Riot Games para o lado do projeto. Em julho, a desenvolvedora anunciou sua parceria com iniciativas como o Inhouse, ecossistema dedicado a criar filas mais competitivas para os jogadores profissionais e aspirantes.

Acompanhando o crescimento do CBolão dentro da comunidade, a comunicação entre ambas as partes para fazer algo ainda mais épico através de uma parceria também aumentou. Quando perguntado se existem conversas entre as partes para que haja um apoio por parte da Riot no projeto, Baiano revela que existe uma “chance grande de esse CBolão já ter uma parceria forte com a Riot”.

“No começo eles não tinham muita essa ideia de dar muito apoio a coisas da comunidade, então até a última edição a gente não tinha muito contato, era mais para bater agenda. Mas, para essa edição, inclusive talvez já rolem algumas novidades em parceria com a Riot, que eles tão vindo realmente na pegada de entender que o CBolão é algo que a comunidade espera, então eles estão dando uma atenção maior”, comenta.

Focado também em transformar toda a diversão em algo que ajude o próximo, o CBolão arrecadou o valor de mais de R$ 250 mil em doações quando somamos os valores das últimas edições, visando ajudar instituições e pessoas que passaram por dificuldades durante a pandemia causada pelo COVID-19.

Enquanto na primeira edição os valores foram revertidos em doações para a compra de materiais hospitalares e demais itens que se fizeram tão necessários durante toda a pandemia no Médicos sem Fronteiras, a segunda foi enviada ao Amapá - que sofreu com quase um mês de apagão -, para a compra de máscaras de respiração não invasivas.

Desta vez, a escolhida para receber os valores arrecadados ao longo do campeonato foi a mesma que recebeu as doações da terceira edição, a Teto.

“Estamos com uma parceria forte com a Teto, que foi através de quem fizemos as doações da terceira edição. Gostamos demais de como eles trabalham, tem muita empresa forte ao redor da ONG e eles direcionam muito bem, muito focado no que a gente quer de nesse ‘’finalzinho’’ de pandemia que é estar ajudando famílias carentes, ajudando muita gente que perdeu tudo durante a pandemia, entregando alimento e moradia pra essa galera. Provavelmente vamos ter esse contato melhor com a Teto mesmo (...) pra essa 4ª edição o foco também é em relação à pandemia e consequências que trouxeram na vida das pessoas”, finaliza.

As inscrições para o campeonato acabaram na última terça-feira (16) e agora tudo será resolvido dentro do Rift. Entre os dias 19 e 20 de novembro, o campeonato apresentará o qualificatório de monochampions, enquanto de 20 a 25 deste mesmo mês será realizado o qualificatório aberto, que define a segunda equipe classificada. O evento principal acontecerá nos dias 4 e 5 de dezembro, com a transmissão acontecendo por meio do canal oficial de Baiano na Twitch.