<
>

NFL: Cam Newton chega a New England com prêmios e polêmicas na bagagem

play
Contratado pelos Patriots, Cam Newton manda recado para NFL: 'Estou no seu pescoço' (1:11)

Quarterback assinou por uma temporada após ser dispensado pelos Panthers (1:11)

O círculo foi completo: Tom Brady deixou New England rumo aos Buccaneers; Jameis Winston deixou Tampa Bay, indo para os Saints; Teddy Bridgewater saiu de New Orleans, reforçando os Panthers; e Cam Newton, que já não fazia parte dos planos da franquia de North Carolina, agora encontrou seu novo lar nos Patriots.

Tantas mudanças no comando do ataque tem impacto claro nos power rankings (lista de times mais fortes) elaborados na intertemporada, e é claro que Brady - junto de Gronkowski - jogou os Bucs lá para cima. E será que Cam Newton pode fazer o mesmo pelos Patriots, que só caiam nas expectativas?

Após anos sendo vital aos Panthers, lesões apareceram e seu rendimento foi ofuscado pela má fase da equipe (da qual Newton também tem sua parcela de culpa), o que o tirou da briga pela vaga na prateleira de QBs elite. No entanto, muitos quarterbacks na liga chegam ao seu auge aos 31 anos, idade do jogador hoje.

Olhando para trás em sua carreira, dá para entender a animação de alguns torcedores dos Pats pela chegada do jogador. Afinal, essa é a primeira vez na história da liga que um time substitui um ex-MVP por outro na temporada seguinte.

Então vejamos o que mais Newton traz na sua bagagem chegando em New England:

De reserva de Tebow a vencedor do Heisman

Natural de Atlanta, capital da Georgia, Newton jogava beisebol, basquete e futebol americano, mas quando ingressou na Westlake High School, decidiu focar na bola oval.

Aos 16 anos, com uma temporada incrível pelos Lions, já chamou a atenção de algumas universidades, o que foi ainda mais exaltado em seu último ano de colégio. Seu atleticismo fora do comum lhe garantiu muitas bolsas, mas a escolhida foi pela Universidade da Flórida.

Em seu primeiro ano, conseguiu surpreender os treinadores, mas um detalhe o deixava de fora do time titular: Tim Tebow. Um dos melhores jogadores da história do College Football, Tebow foi o vencedor do Heisman - prêmio de jogador mais espetacular - naquele ano.

Mesmo assim, Newton conseguiu atuar em cinco partidas, o que não foi possível no ano seguinte, já que uma lesão no joelho fez com que os Gators colocassem uma medical redshirt no jogador (o afastou da atividade por questões de saúde).

Problemas extracampo logo cedo

Então se inicia um capítulo peculiar na vida do atleta. Em novembro de 2008, ele 'decidiu' se transferir para o Texas, em uma universidade junior (fora da elite do futebol americano). Por que? Newton foi afastado dos Gators pouco tempo antes da transferência ao ser preso por roubo, furto e obstrução de justiça. Ele roubou um notebook de outro estudante, e enquanto a polícia investigava seu apartamento, Newton jogou o aparelho pela janela. Além disso, posteriormente foi divulgado que ele quase foi expulso da Universidade por mais duas infrações: ter colocado seu nome no projeto de outro estudante e comprado um material para entrega escolar.

Pois bem, Newton chegou Blinn College, onde tinha um dormitório próximo a algumas vacas - universo bem diferente da Flórida e um caminho bem estranho para um jogador promissor do ensino médio.

Após ano de sucesso e título com Blinn College, Newton voltou à elite na Universidade de Auburn. E que temporada ele fez por lá.

Foi titular logo de cara em 2010 com uma vitória sobre Arkansas, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Jogador Ofensivo da Semana da divisão (SEC). E a sua sequência só melhorava com as semanas. Vários recordes da Universidade e da SEC foram quebrados nessa temporada.

Nas suas 14 partidas, venceu todas - para se ter ideia do impacto do quarterback nesse único ano em Auburn, observa-se que na temporada anterior o time ficou 8-5, mesma forma que no ano seguinte à saída do jogador.

Foram 2854 jardas aéreas, com 30 touchdowns e 66,1% de passes completos. Além disso, sua performance terrestre também foi notável: 1437 jardas e 20 TDs.

Nada mais justo que a temporada fosse coroada com o título nacional do College (primeiro de Auburn desde 1957) sobre Oregon, e os prêmios individuais a Newton de Melhor Jogador Ofensivo da divisão (SEC), de Jogador do Ano pela Associated Press e, claro, o Heisman.

Então os radares da NFL apitaram de todos os lados. Afinal, se o quarterback pôde tirar Auburn de uma campanha 8-5 para o título, talvez isso funcionasse na liga. E não havia encaixe melhor para o QB do que no time com pior campanha (2-14) de 2010: Carolina Panthers.

Impacto imediato e Jogador Mais Valioso em 2015

Mesmo com as discussões sobre o comportamento extracampo de Newton, os Panthers apostaram no jogador com a primeira escolha geral do Draft da NFL de 2010.

Titular desde a primeira oportunidade, sua força, velocidade e porte físico incomum para um quarterback foram problemas para os defensores da liga. Mesmo que os Panthers tenham terminado a temporada com mais derrotas do que vitórias (6-10), a performance de Newton rendeu elogios e prêmios.

Completando 60% de seus passes, o QB fechou o ano com 4051 jardas, 21 TDs e 17 INT. No chão, fez sua temporada com mais TDs da sua carreira na NFL (até hoje), com 14 ; ainda teve 706 jardas correndo. Tudo isso resultou na sua escolha para Calouro Ofensivo do Ano, além de uma vaga no Pro Bowl pela NFC.

Com nova campanha negativa, o quarterback teve uma temporada mais discreta em 2012, mas logo na sequência mostrou que poderia ser mais do que um estrela passageira. Depois de começar a temporada de 2013 muito mal, os Panthers emendaram oito vitórias a partir da semana cinco. O comeback foi crucial na caça aos playoffs. Mas logo na primeira aparição do jogador na pós temporada, em round Divisional: derrota para os 49ers. A performance rendeu nova vaga para o jogador no Pro Bowl.

Sua primeira vitória em playoff viria no ano seguinte, quando bateu os Cardinals no Wild Card da NFC, apenas para cair novamente no Divisional, diante dos Seahawks. 2014 foi a primeira temporada na qual o jogador perdeu jogos por lesão: um por lesão na costela e outro após se envolver em acidente de trânsito, fraturando duas vértebras.

Antes do início da temporada seguinte, os Panthers ofereceram um novo contrato a Newton, de cinco anos, no valor de US$ 103,8 milhões, logo nesta que seria sua melhor temporada da carreira.

O auge

Titular em todas as oportunidades, Newton levou Carolina ao melhor começo de temporada da história da franquia, com 14 vitórias consecutivas em 2015. A única derrota daquela temporada regular foi diante dos Falcons, terminando com 15-1 (melhor campanha da franquia) rumo aos playoffs pela terceira vez seguida.

Na temporada regular, o jogador teve 35 TDs lançados e rating de 99,4 - ambas melhores marcas de sua carreira nas categorias. Ainda pelo ar, foram 3837 jardas, e no jogo terrestre, 10 TDs e 636 jardas. E Newton liderou o time à sua segunda aparição em Super Bowl após vitórias sobre Seahawks e Cardinals na pós-temporada. Pela temporada incrível e pela vitória imensa de 49 a 15 contra Arizona na final da NFC (em que Newton teve quatro TDs), Carolina chegou como favorito para enfrentar os Broncos. Para aumentar ainda mais a moral do QB chegando no SB 50, ele foi eleito o Jogador Mais Valioso (MVP) da temporada no dia anterior à decisão.

Mas não deu para os Panthers, que perderam por 24 a 10 no SB para a poderosa defesa de Denver e ataque liderado por Peyton Manning, em sua última temporada.

2016 foi uma decepção para o torcedor dos Panthers ao ver o time falhar em chegar aos playoffs com campanha 6-10 - Newton ainda foi punido, ficando de fora de uma partida, ao quebrar um código de vestimenta, quando não vestiu uma gravata em voo da equipe.

Mais polêmicas e lesões

A franquia voltaria à pós-temporada no ano seguinte, quando perdeu no Wild Card por 31 a 26 dos rivais de divisão Saints. Durante a temporada regular, Newton foi foco de uma polêmica ao fazer comentário visto como sexista durante coletiva. Uma repórter perguntou sobre as rotas corridas pelo wide receiver Devin Funchess e Newton respondeu: "É engraçado ver uma mulher falando sobre rotas". A polêmica lhe rendeu a perda de alguns patrocinadores.

Em nova temporada coletiva ruim em 2018, Newton foi afastado no final da campanha para passar por cirurgia, voltando apenas na temporada seguinte. Mas 2019 foi ainda mais cruel em termos de lesão. Ele disputou apenas os dois primeiros jogos antes de ser afastado e colocado na reserva de lesionados, perdendo toda a temporada.

Uma nova esperança

Alguns davam sua carreira como em reta final, de forma que seu corte do elenco pelos Panthers não foi exatamente um surpresa.

Los Angeles era o destino mais cotado pelas casas de apostas para Newton. Afinal, os Chargers se separaram de Philip Rivers e, tendo draftado Justin Herbert, um jogador experiente poderia ajudá-lo a evoluir (Tyrod Taylor está lá, caso ajude).

Mas quem levou o QB foi New England, e será bem interessante vê-lo sob as rédeas de Bill Belichick, tanto em questões extracampo - pela filosofia Patriots - quanto pelo sistema de jogo, que passa de um dos pocket passers mais puros da liga para um QB móvel.