<
>

Guia dos playoffs da NFL: a chave, os favoritos e a análise dos confrontos no caminho para o Super Bowl LIV

Chegou a hora. A bola vai voar para os playoffs da NFL.

Os doze times da NFC e da AFC estão definidos e o caminho para o Super Bowl LIV, em Miami, no dia 2 de fevereiro, já foi traçado.

O ESPN.com.br analisou os times, os favoritos e os confrontos que vão definir os passos até o próximo campeão. Está no ar o guia dos playoffs da NFL!

NFC: 1. SF | 2. GB | Wild Cards
AFC: 1. BAL | 2. KC | Wild Cards

A chave

1. San Francisco 49ers (13-3)

Primeiro jogo: Contra o pior classificado da NFC para a segunda rodada

Chance de chegar no Super Bowl: 49,3% (segundo o Índice de Forças da ESPN)

Por que acreditar: San Francisco é um dos melhores times da NFL e jogará em casa durante toda a pós-temporada na Conferência Nacional. A defesa foi a segunda melhor em jardas cedidas em 2019 e se destacou em pressionar o quarterback rival, além de roubar a bola dos adversários. Vale mencionar George Kittle, uma das armas de ataque mais poderosas da liga, assim como do treinador Kyle Shanahan, ótimo escolhendo as jogadas ofensivas.

Por que se preocupar: Há lesões importantes na defesa, como Dee Ford, Jaquiski Tartt e Kwon Alexander. Além disso, o nível de experiência do time não é dos maiores: um quarterback em sua primeira temporada completa como titular, um grupo de recebedores cujo atleta de mais nome foi adquirido no fim de outubro (Emmanuel Sanders) e corredores competentes, mas longe de serem estrelas. Na famosa “hora da onça beber água”, eles terão tamanho para decidir os jogos?

2. Green Bay Packers (13-3)

Primeiro jogo: Contra o melhor classificado da NFC para a segunda rodada

Chance de chegar no Super Bowl: 20,6%

Por que acreditar: É consenso que 2019 não foi o melhor ano de Aaron Rodgers e, mesmo assim, Green Bay venceu 13 partidas. Se o quarterback – que é um dos mais talentosos da história – resolver jogar, os Packers são muito perigosos. E melhor: desta vez, ele terá uma grande ajuda de um corredor. Aaron Jones vem de excelente temporada e o ataque é diferente quando ele está em campo.

Por que se preocupar: A campanha de 13 vitórias pode ser enganosa, pois a tabela ajudou. Quais foram os grandes triunfos dos Packers? Talvez os dois contra os Vikings e nada além disso (a vitória diante dos Chiefs não conta, porque Mahomes estava machucado). Quando enfrentou os 49ers, levou 37 a 8 na cabeça, e perdeu até mesmo para os Eagles. Sem falar que oito dos triunfos da equipe de Matt LaFleur foram por apenas uma posse de bola. Além disso, o grupo de recebedores é muito dependente de Davante Adams.


Confrontos de Wild Card

3. New Orleans Saints x 6. Minnesota Vikings

Domingo (05/01), 15h, na ESPN e WatchESPN

Chance de chegar no Super Bowl: 15,4% (Saints) x (Vikings) 6,4%

Por que os Saints: Os Saints ficaram a um erro de arbitragem do Super Bowl no ano passado e parecem tão fortes quanto neste ano. Michael Thomas teve uma das grandes temporadas da história para um recebedor e Drew Brees... É Drew Brees. Mas mesmo quando o quarterback se machucou, New Orleans venceu todas as partidas nas quais o reserva Teddy Bridgewater começou como titular – uma prova da qualidade da equipe e dos técnicos. Vale lembrar que este é o time que melhor cuida da bola na NFL: foram só oito turnovers.

Por que os Vikings: Os Vikings estão entre os melhores ataques terrestres da NFL e o sucesso nos playoffs passa pelas corridas de Dalvin Cook. O dinâmico corredor não só é a estrela do ataque, mas também importante para tirar a pressão e possibiltar o play action de Kirk Cousins. O quarterback, que tem fama de amarelão, esteve entre os cinco melhores ratings (espécia de nota dos QBs) da liga. Mas se Minnesota depender exclusivamente do seu braço, será complicado marcar os pontos necessários.

4. Philadelphia Eagles x 5. Seattle Seahawks

Domingo (05/01), 18h30, na ESPN e WatchESPN

Chance de chegar no Super Bowl: 4,8% (Eagles) x (Seahawks) 3,5%

Por que os Eagles: Os Eagles venceram quatro seguidas para se classificarem aos playoffs graças à precisão do braço de Carson Wentz, que está praticamente sozinho no ataque: Jeffery, Jackson, Agholor, Sanders e Ertz sofreram ou sofrem com lesões. A defesa também já teve alguns bons jogos neste ano, mas é inconstante. A esperança está no brilho individual do quarterback e no "embalo" da Philadelphia, acostumada a vencer como azarão, mas mesmo os triunfos recentes aconteceram contra equipes reconhecidamente fracas (Giants duas vezes, Redskins e Cowboys).

Por que os Seahawks: Russell Wilson teve uma primeira metade de temporada absolutamente incrível, a nível de MVP, ainda que tenha regredido no fim. Tyler Lockett não sentiu o peso de ser o recebedor número um e correspondeu. O ataque terrestre também foi um dos melhores da liga, mas agora os três principais corredores estão machucados. Aposentado até outro dia, Marshawn Lynch tornou-se o dono da posição ao lado do calouro Travis Homer, e isso é um claro problema. A defesa, que já foi uma fortaleza da franquia, hoje não passa tanta confiança.

1. Baltimore Ravens (14-2)

Primeiro jogo: Contra o pior classificado da AFC para a segunda rodada

Chance de chegar no Super Bowl: 53% (segundo o Índice de Forças da ESPN)

Por que acreditar: Os Ravens bateram o recorde de jardas corridas em uma temporada na história da NFL. Enquanto as defesas da liga estão cada vez mais preparadas para combater o passe, Baltimore pune os adversários pelo chão e abusando da exótica formação Pistol. Não tem como não citar o provável MVP, Lamar Jackson, que é um dos corredores mais dinâmicos da NFL e ainda por cima tem “só” 36 passes para touchdown. Vale citar que a defesa dos corvos é Top-5 em jardas e pontos cedidos, além de liderar em pontos de retorno de interceptação ou fumble.

Por que se preocupar: É difícil encontrar fraquezas em Baltimore, mas há um ponto de atenção. Lamar Jackson é inexperiente e se baseia no jogo terrestre. Nas duas vezes que os Ravens deixaram o oponente abrir vantagem de mais de uma posse no placar e precisaram passar mais passar a bola do que correr com ela, foram derrotados (contra Chiefs e Browns, ainda em setembro). O poder de reação desta equipe talvez seja sua única interrogação.

2. Kansas City Chiefs (12-4)

Primeiro jogo: Contra o melhor classificado da AFC para a segunda rodada

Chance de chegar no Super Bowl: 34,5%

Por que acreditar: Patrick Mahomes é a razão para acreditar: simples assim. MVP da última temporada, o quarterback teve em 2019 outro ano sensacional. Andy Reid é um técnico que sabe abrir espaço para seus jogadores de ataque e os Chiefs podem colocar 30 pontos em qualquer um. Além disso, a defesa melhorou bastante na segunda metade da temporada, especialmente contra o passe.

Por que se preocupar: O jogo terrestre está entre os 10 piores da NFL e não gera nenhuma confiança ou equilíbrio no ataque. O lado defensivo, que é o mais fraco, perdeu o safety titular Juan Thornhill na última rodada com uma lesão que pode prejudicar muito nos playoffs. E vale lembrar que, apesar de brilhante, Andy Reid costuma cometer gafes em momentos decisivos, especialmente no controle do relógio.


Confrontos de Wild Card

3. New England Patriots x 6. Tennessee Titans

Sábado (04/01), 22h, na ESPN e WatchESPN

Chance de chegar no Super Bowl: 8,3% (Patriots) x (Titans) 1,1%

Por que os Patriots: Esqueça Tom Brady – a razão para os Patriots acreditarem em 2019 é sua defesa, que foi vice-líder em roubadas de bola e campeã em jardas e pontos cedidos na temporada. É muito difícil passar a bola contra New England, e Stephon Gilmore é um destaque. Bill Belichick, considerado um dos melhores técnicos da história, terá que encontrar um jeito de sua defesa carregar nas costas o preocupante ataque de pouquíssimas armas.

Por que os Titans: Não se engane com a campanha dos Titans... Esse time é outro desde que Ryan Tanehill assumiu a titularidade na semana 7. São sete vitórias e três derrotas, com direito ao terceiro melhor ataque da NFL desde então tanto em pontos como em jardas. O quarterback tem jogado muito e complementado a estrela do time, Derrick Henry, líder em jardas terrestres na temporada. Mas será possível manter o encanto atuando fora de casa, nos playoffs, na fria Nova Inglaterra?

4. Houston Texans x 5. Buffalo Bills

Sábado (04/01), 18h30, na ESPN e WatchESPN

Chance de chegar no Super Bowl: 2,6% (Texans) x (Bills) 0,5%

Por que os Texans: Deshaun Watson é um quarterback excelente passando e correndo com a bola, DeAndre Hopkins é um monstro recebendo e Will Fuller (quando saudável) faz desse ataque aéreo um dos mais perigosos da AFC. Houston deu um “all in” trocando duas escolhas do Draft para melhorar a linha ofensiva, mas sua defesa, uma das cinco piores da NFL em jardas cedidas, é uma pedra no sapato.

Por que os Bills: Os Bills têm uma das melhores defesas da NFL, sendo Top 3 em jardas e pontos cedidos. Se Buffalo quiser vencer, porém, terá que evoluir no ataque, que aposta sempre no jogo terrestre com Frank Gore, Devin Singletary e o próprio quarterback Josh Allen (o camisa 17, por sinal, é mais confiável correndo do que passando). Será fundamental roubar mais bolas que os adversários, não cometer erros e controlar o relógio em Houston.