<
>

Brasileiro lembra dia em que fez 'mala' e 'arrogante' Carmelo Anthony arrancar camisa e ir embora de treino: 'Matei o cara'

play
Em conversa com Wade, Carmelo conta história surpreendente sobre o dia em que ganhou o respeito de Kobe na NBA (2:56)

Ala dos Blazers relembrou partida contra a lenda do basquete (2:56)

Com passagens na pré-temporada e treinos por Los Angeles Lakers, Denver Nuggets, Seattle Supersonics e outros times da NBA no início dos anos 2000, o brasileiro Jefferson Sobral, hoje aposentado aos 40 anos, teve a oportunidade de ver de perto estrelas como Kobe Bryant, Shaquille O'Neal, LeBron James e Carmelo Anthony.

Amigo pessoal de Nenê, Sobral chegou a fazer parte do elenco de pré-temporada dos Nuggets em 2006. À época, Carmelo Anthony já era a estrela do time.

E em uma atividade, Sobral ficou encarregado de marcar o ala, um dos maiores pontuadores desta geração na NBA.

"Eu estava lá treinando, eu chego na quadra, ele (Carmelo) era o mais mala de todos, o mais arrogante. Quando ele chegou ele não tinha me visto treinar, o pessoal disse que ele ia me marcar. Aí ele pegou e falou ‘Jefferson quem? Richard Jefferson’ e deu risada", lembrou o brasileiro.

"Ele me olhou de cima a baixo, deu aquela risadinha mexendo o ombro fazendo pouco caso. O Nenê inclusive estava nesse treino. Eu marquei ele (Carmelo) o treino inteiro, matei ele no treino inteiro, no ataque fui muito bom. Aí chegou uma hora do treino, ele pegou a bola, jogou a bola no chão e ela foi lá no alto, de raiva, tirou camiseta e foi embora do treino", completou Sobral, que chegou até a fazer parte do famoso time do Harlem Globetrotters.

Sobral disse que a relação com Carmelo foi diferente dali em diante.

"Aí no dia seguinte ele me cumprimentou: ‘E aí, beleza, irmão?’. No primeiro dia ele olhou pra mim e falou pra eu ir pra academia".

Tido como um dos mais talentosos do Draft de 2003 ao lado de LeBron James, Dwyane Wade e Chris Bosh, Carmelo ficou marcado em sua carreira como um jogador 'fominha' e que não jogou pelo time, por isso não conseguiu conquistar nenhum título.

"Ele não fazia os outros jogadores serem melhores, como Kobe, o LeBron, ele queria aparecer, era mais individualista. Acho que até por isso não se tornou líder do time e nem ganhou. Ele não cumpriu a expectativa que foi criada nele", analisou Sobral.