<
>

Sem Cousins, veja 9 opções de reforços para os Lakers

O Los Angeles Lakers levou um baque em suas aspirações na última quinta-feira, quando o pivô DeMarcus Cousins sofreu uma ruptura no ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, colocando em risco a sua participação na próxima temporada da NBA.

E agora, como a franquia vai agir? Como suprir a ausência do All-Star?

O caminho mais simples é dividir o tempo de garrafão entre a sua maior contratação, Anthony Davis, e o sempre útil JaVale McGee. Mas, além das lesões de Davis, que sempre preocupam, o ala-pivô já admitiu que prefere atuar mais como ala do que como pivô.

O outro caminho é ir ao mercado e analisar as opções que mais se encaixam no perfil de Cousins. Algumas estão longe de passar perto da qualidade do pivô, mas são jogadores ainda disponíveis na free agency.

Hoje, os Lakers têm 14 jogadores com contrato garantido e não planejam assinar com o 15º, tendo a chance de esperar os últimos instantes do período de trocas para fazer algum negócio. De qualquer forma, o esperar o momento certo pode significar perder uma oportunidade de se reforçar em meio à necessidade.

Veja, abaixo, quem pode se encaixar – ou não – na vaga de Cousins nos Lakers:

Joakim Noah

Joakim Noah está longe de ser um cestinha como Cousins, mas voltou a mostrar efetividade no Memphis Grizzlies na última temporada. Os embates com LeBron James no Leste, em sua passagem pelo Chicago Bulls, não são de boa lembrança para o “King”, mas se trata de um jogador que pode trazer uma solidez defensiva para um time que precisa chegar aos playoffs e, quem sabe, ser campeão.


Kenneth Faried

Parece a situação oposta a Noah. Kenneth Faried foi muito bem no ataque nos 31 jogos em que defendeu o Houston Rockets na última temporada, com 12 pontos e 8,2 rebotes por partida. Na defesa, no entanto, se mostrou incapaz de acompanhar as trocas constantes de rivais que se mexem demais ofensivamente, como Golden State Warriors.


Carmelo Anthony

Sim, ele mesmo! Quer saber mais, leia “Carmelo Anthony, em sua pior versão, merece ser titular em pelo menos sete times da NBA de hoje”.


Nenê Hilario

O brasileiro é um veterano da liga, entrando em sua 18ª temporada, e quem o contrata sabe o que vai receber: um jogador consistente na defesa, com desempenho honesto no ataque e brigador por rebotes cá e lá. Seria uma bela aposta, pensando em um atleta que poderia ficar em quadra 15min por jogo.


Deyonta Davis

Uma espécie de versão jovem de Nenê? Talvez. Uma espécie de versão jovem de McGee? Sim. Recentemente liberado pelo Atlanta Hawks, o pivô de 22 anos ainda é um jogador em formação, mas com mostras de excelente atleticismo e lampejos de ser um belo defensor, protegendo muito bem o garrafão.


Amir Johnson

Amir Johnson tem 32 anos e vem de 51 jogos pelo Philadelphia 76ers. Ele é um jogador que faz muitas coisas boas em quadra, mas não tem nenhum ponto que possa ser apontado como “sim, aqui ele é forte”. Isso pode soar bem ou mal, depende do que seu time precisa. Ele encaixaria nos Lakers?


Marcin Gortat

É um caso semelhante ao de Nenê: um jogador experiente que pode fortalecer o time nos dois lados da quadra. Sim, seus números não são mais aqueles, mas ele começou como titular em 43 jogos do LA Clippers na última temporada, com 5 pontos, 5,6 rebotes, 1,4 assistência e 0,5 toco em 16 minutos, com 53,2% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Nada mal.


Marquese Chriss

Número 8 no Draft de 2016, Marquese Chriss ainda não se tornou o jogador que se esperava que poderia ser. Phoenix Suns, Houston Rockets e Cleveland Cavaliers, seu destino em cada uma das três temporadas na liga, que o digam. Mas ele tem potencial e, caso confirme um pouco das expectativas, pode ser uma aposta. Na última temporada ele anotou 5,7 pontos e 4,2 rebotes em 14,6 minutos pelos Cavs.


Dwight Howard

“Situações desesperadoras pedem medidas desesperadas”, diz o ditado. Seria o caso do retorno de Dwight Howard, lembrando que o pivô não deixou saudade em sua temporada desastrosa nos Lakers.