<
>

Manchester City: como Gabriel Jesus trabalha fora de campo para viver auge na Champions League

play
Gabriel Jesus brilha, Manchester City vence Real Madrid e vai às quartas da Champions League (0:55)

Vale lembrar que a equipe de Josep Guardiola já havia vencido pelo mesmo placar na ida, no Santiago Bernabéu. Com isso, a classificação veio com 4 a 2 no placar agregado. (0:55)

Com 23 gols e 12 assistências em 52 jogos na atual temporada, Gabriel Jesus vive a melhor fase desde que chegou ao Manchester City, no início de 2017.

O atacante é uma das armas do treinador Pep Guardiola para eliminar o Lyon nas quartas de final da Champions League, neste sábado, às 16h (de Brasília), em Portugal.

Para entender a evolução do jogador, o ESPN.com.br conversou com André Cunha, gestor de performance do atleta.

Em parceria com o clube inglês, André desenvolve um trabalho baseado em quatro pilares: nutrição, parte mental, prevenção e treinamento.

“Minha função é entender a rotina e ver como melhorar sono, hábitos e outros aspectos que possam impactar na performance. A ideia é criar um programa que seja uma extensão do trabalho do City. Eu me reúno com os especialistas e determinamos as prioridades e vemos como podemos ajudar o Gabriel”, explicou.

Treinamento

Como os treinos no City são geralmente feitos em apenas um período, André manda o planejamento semanalmente para a aprovação do clube.

“Nosso foco foi desenvolver mais e refinar a coordenação e qualidade do movimento dele. Fazemos muitos trabalhos de rotação, controle e na parte preventiva, com exercícios de mobilidade com yoga, e na parte de estabilidade, com exercícios de respiração e pilates”.

Alimentação

“Inserimos mais cores e variedade na alimentação dele para melhorar a nutrição. Também trabalhamos para educar o Gabriel a se alimentar de acordo com o dia. Quando ele precisou melhorar Ômega 3, nós aumentamos o salmão na dieta dele, ou quando precisou aumentar o nível de magnésio, nós colocamos castanha de caju pela casa para ficar mais acessível”.

“O Gabriel evita ao máximo comer doces, sorvetes, fritura e farinha branca – que tem nos pães. Tem alguns dias que ele pode comer, mas é geralmente quando tem um treino mais puxado, com um desgaste maior”.

“Na folga, como ele queima menos energia, a gente muda a dieta. O Gabriel come mais salada e proteína. Ele tem muito bom senso e gosta de aprender”.

Parte mental

“A gente trabalhou no processo de autoanálise e ver o que pode ser melhorado. A relação dos processos simples do dia a dia com os grandes sonhos e conquistas. Valorizar os treinos que parecem simples, mas que, feitos com consistência, formam a performance como a que ele teve contra o Real Madrid. Tirar o foco do resultado final e trazer para o dia a dia”.

“Outro aspecto é focar no que está no nosso controle. Falamos muito sobre isso e ele soube lidar muito bem com os altos e baixos da temporada”.

“Ele foi amadurecendo e chegou na Champions League na melhor condição física e mental. Ele está no auge”.

Prevenção

O objetivo é ensinar o jogador a usar os músculos corretos para estabilizar o tronco e evitar lesões.

“Fizemos muito trabalho de respiração e de consciência. Na temporada passada, ele sofreu duas lesões e tínhamos que entender como criar uma estratégia nova para que isso não se repetisse”.

André quer que Gabriel utilize da grande explosão e se especialize em arrancadas de 5 a 10 metros, assim como era Ronaldo Fenômeno, ídolo do atacante.

“Ele precisa ter a confiança de que irá chegar à frente do defensor em uma jogada. No jogo anterior contra o Real Madrid, o Gabriel deu dois sprints muito fortes e surpreendeu. Em um, roubou a bola, e no outro, ele fez o gol”, lembrou.

“Isso é algo natural do Gabrie. Queremos que ele faça isso da forma mais eficiente possível, para otimizar a performance e reduzir o estresse nos músculos ou ligamentos”.

Desde que chegou ao City, foi a primeira temporada que o atacante não perdeu nenhuma partida por causa de lesão.