<
>

Real Madrid: Cris lembra início de Benzema no Lyon: 'Quando tocou na bola, vi que era goleador nato'

Neste domingo, o atacante Karim Benzema fará seu retorno ao Real Madrid no clássico contra o Atlético de Madrid, pelo Campeonato Espanhol, às 12h15 (de Brasília), com transmissão exclusiva da ESPN Brasil e do ESPN App.

Se hoje é um dos principais centroavantes do mundo e destaque da linha de frente merengue, o francês de origem argelina um dia foi apenas um jovem promissor revelado na base do Lyon, Um brasileiro, porém, assegura que Benzema sempre esteve pronto para os grandes feitos no futebol.

Trata-se do ex-zagueiro Cris, que jogou por clubes como Corinthians, Cruzeiro, Vasco e Grêmio na carreira, além de ter representado a seleção brasileira e ser um dos maiores ídolos da história do próprio Lyon.

Atualmente trabalhando como técnico do GOAL FC, vice-líder do grupo C da Championnat National 2 (a 4ª divisão francesa), Cris concedeu entrevista ao ESPN.com.br e relembrou a ascensão meteórica de Benzema da base ao profissional.

A história começa em 2004/05, quando o franzino centroavante de 1,84m foi puxado das canteras para o time principal pelo técnico Gérard Houllier, falecido em dezembro do ano passado.

"O Benzema, quando foi levado para treinar com a gente no profissional, ainda era muito jovem, mas logo nos primeiros treinos, quando a gente viu ele tocar na bola, deu para perceber que era um goleador-nato. Era muito rápido e tomava atitudes inteligentes demais para um atleta tão jovem", recordou o ex-zagueiro.

"Ele desempenhou bem nos treinos, foi cavando espaço logo de cara e passou a ser muito elogiado por todo mundo. Além disso, escutava bastante os jogadores experientes e trabalhava forte", elogiou.

"Ele pedia para fazer trabalhos extras. Lembro que o (ex-atacante brasileiro) Sonny Anderson fazia parte da comissão técnica e treinava os atacantes, fazia muitos trabalhos específicos para o Benzema. Desde sempre foi um menino muito batalhador", rememorou.

Cris também confirmou que Benzema sempre foi extremamente tímido e retraído, e revelou que Gérard Houllier desenvolveu uma estratégia "diferente" para que o jovem atacante se enturmasse no Lyon.

"Quando o Karim subiu, era um menino muito tímido, praticamente não falava nada no vestiário. E ele nem se trocava dentro do nosso vestiário, fazia tudo no vestiário da base, que ficava do outro lado do CT. O Houllier, que vinha de treinar o Liverpool, falou pra gente: 'Vamos com calma. Ele não vai vir para o vestiário do profissional ainda porque é muito jovem e precisa amadurecer. Ele precisa merecer a vinda para o vestiário dos profissionais. Vai ser um trabalho de dia-a-dia'", contou.

A ideia do comandante serviu como motivação para o centroavante seguir trabalhando na máxima potência.

"O Karim entendeu a questão de que deveria trabalhar e provar que poderia conquistar o espaço dele. Não me lembro o tempo exato, mas, do jeito que ele se destacou, não demorou muito tempo para ele ganhar um armário no vestiário dos 'adultos'", relatou Cris.

'VOU DESCER O SARRAFO NELE'

As primeiras oportunidades de Benzema na equipe principal do Lyon foram entrando nos minutos finais de jogos do Francês na temporada 2004/05.

No ano seguinte, após ganhar corpo e mais experiência, ele ganhou até chances como titulares em torneios como a Copa da França e Copa da Liga Francesa, além de partidas menos importantes da fase de grupos da Champions League.

"Os titulares jogavam sempre a Ligue 1 e a Champions, e, por isso, sobrava espaço para o Houllier rodar o elenco. Com isso, os jovens atuavam bastante na Copa da França e na Copa da Liga. Foi assim que o Benzema foi somando minutos e se destacando cada vez mais", lembrou Cris.

Aos risos, o ex-zagueiro também recordou os treinos "pegados" contra Benzema e revelou que não aliviava na marcação para o garoto.

"O que sempre me impressionou no Karim era a maturidade dele, mesmo tão jovem. E olha que a gente não dava moleza para ele nos treinos! O negócio pegava fogo, era pior que nos jogos (risos)", brincou.

"Como ele era moleque, a gente pensava: 'Vou descer o sarrafo e chegar duro, para ele aprender que no futebol não tem brincadeira'. Mas ele não tinha medo e queria mostrar serviço. Ele apanhava, mas levantava e voltava (risos)", divertiu-se.

"E tudo o que ele fazia nos treinos ele repetia depois nos jogos. Ele sempre foi jogador de partida grande, nunca sumia em treinos ou jogos. Treinava forte e jogava forte também", exaltou.

Com o tempo, o centroavante foi perdendo um pouco da timidez e passou a se entrosar bastante com os colegas de equipe, principalmente os vários brasileiros do plantel.

"A gente brincava muito com ele no vestiário, porque ele era amigo do Abidal e eles sempre tentavam falar palavras em português, geralmente só besteiras ou palavrões (risos)", gargalhou.

"Ele também era muito amigo do Fred. Eles faziam dupla de ataque e eram bem próximos também fora de campo. Teve até um ano que o Karim foi passar férias no Brasil com o Fred e gostou demais, sempre dizia que aproveitou bastante", recordou.

Benzema jogou cinco temporadas pelo profissional do Lyon, faturando muitas taças, e, em 2009/10, foi negociado com o poderoso Real Madrid, que é seu clube até hoje.

Cris diz que segue acompanhando as partidas do amigo até hoje e assegura: tudo o que o atacante faz hoje no gigante espanhol ele já fazia quando ainda era um garoto da base no Lyon.

"Ele sempre foi esse jogador muito rápido, inteligente e de boa colocação. Os gestos técicos que ele faz hoje no Real Madrid ele já fazia quando começou no Lyon, principalmente os dribles curtos e rápidos dentro da área e os chutes potentes e certeiros", finalizou.