<
>

Físico? Tático? Por que Arrascaeta não é no Uruguai o mesmo do Flamengo e como Bielsa vive 'dilema' com meia

Desde 2014 recebendo chances com a camisa celeste do Uruguai, Arrascaeta nunca conseguiu ter uma sequência como protagonista na seleção como costuma ter em seus clubes.

Ao todo, o camisa 10 possui 43 jogos com a camisa do seu país, com 10 gols marcados. Para Ubiratan Leal, comentarista dos canais ESPN, o meio-campista é "o jogador certo na hora errada", desde os tempos de Óscar Tabárez.

"Pensando na inserção dele na seleção uruguaia, pela característica de jogo dele, parece que ele nunca era um jogador adequado para o modelo que a seleção uruguaia adotava. Então, apesar de ser um jogador com talento óbvio, no time do Oscar Tabárez, era um time muito com meio de campo muito mais rústico, muito mais operário, que contava com a velocidade e com o talento do Cavani e do Suárez na frente", disse.

"Então, por mais que a gente pudesse até pensar que de fato o Arrascaeta poderia ser um jogador importante para fazer essa ligação, para dar um pouco de talento nesse meio de campo, no final das contas, o time não se sentia bem desse jeito. O Tabárez tenta usar o Arrascaeta como titular, inclusive ele estreia como titular na Copa de 2018, mas a seleção uruguaia nunca deslanchou com elena época do Tabárez. Porque no final das contas, o time ficava mais consolidado, mais sólido, quando tinha um meio de campo mais operário, seja com Arévalo Rios, seja depois de um tempo quando chega o Torreira", acrescentou.

Atualmente, Marcelo Bielsa é o técnico da Celeste. O treinador é conhecido por, diferentemente de Tabárez, ser mais ofensivo e gostar de ter a bola. Isso, porém, não quer dizer que Arrascaeta irá se encaixar facilmente. O comandante vive um dilema entre as características das equipes e do astro do Flamengo.

“No time atual, o problema é outro. O Marcelo Bielsa quer um time até bastante acelerado, que jogue com talento. Só que aí tem uma questão física. Bielsa gosta de um time que acabe acelerando mais o jogo, jogue com transições mais rápidas, um jogo com mais liberdade”, avaliou Ubiratan.

“E o Arrascaeta é um jogador que, fisicamente, já compromete um pouco. É um jogador que tem lesões com alguma frequência, então ele não acaba podendo jogar com tanta constância ou com um ritmo tão intenso e acaba não encontrando muito lugar”, completou.

Mas nem sempre Arrasca sofreu para ser protagonista no Uruguai. Como Ubiratan relembrou, sob o comando de Diego Alonso, o uruguaio conseguiu ter destaque.

“Acho que o momento perfeito para Arrascaeta na seleção uruguaia foi naquele período do Diego Alonso, na reta final das eliminatórias para a Copa do Mundo e na Copa do Mundo. E, de fato, foi um período em que ele até foi bem. Ele teve lesão e isso atrapalhou. Mas ainda assim foi o período em que ele foi melhor na seleção uruguaia”, afirmou o comentarista.

“Não só ele jogou bem, ele fez diferença para o time. Ele até entra durante a Copa de 2022, ele ganha a posição. Então, ele mostrou que era um jogador com capacidade de estar naquele time. Mas o Diego saiu, veio o Bielsa já com outro modelo”, finalizou.

Agora, o meio-campista sonha em ter mais minutos com Bielsa. Nos quatro jogos do treinador, o meia atuou somente por 29 minutos no empate contra a Colômbia, sendo ausência na primeira convocação por conta de uma lesão. Resta saber se, aos poucos, ele conseguirá se adequar ao novo comandante.