<
>

Flamengo e Adidas: novo contrato pode gerar R$ 75 milhões por ano, maior liberdade e até R$ 11 mi de bônus por Libertadores e Brasileiro

play
Preparador de goleiros do Flamengo propõe mudanças: 'O que eu quero é muito diferente do que tinham' (0:47)

Via Twitter @Flamengo | Paulo Grilo deu entrevista à Fla TV nesta sexta-feira (0:47)

O Flamengo está próximo de fechar um acordo milionário com a Adidas até 2025


Na segunda-feira, dia 17 de janeiro, o Conselho Deliberativo do Flamengo uma vez mais se reúne para apreciar e aprovar - ou não - o novo contrato do clube com a Adidas. Depois de rodadas de negociações, os termos foram firmados em 30 de dezembro de 2021.

O novo compromisso, se aprovado, terá validade retroativa a partir de 1º de maio de 2021 com término em 30 de abril de 2025. A previsão da diretoria é de que o clube embolse R$ 75,1 milhões líquidos no primeiro ano de contrato - contra a previsão anterior de R$ 39,2 milhões do acordo atual, assinado em 2013 - e R$ 74,2 milhões no segundo ano - anteriormente de R$ 39,4 milhões.

No total, a estimativa é de R$ 185 milhões líquidos em vendas de produtos nos quatro anos de contrato. As premiações por conquistas também engordam: são R$ 5,2 milhões com todas as fases em caso de título da Libertadores e R$ 5,5 milhões com mais uma taça do Brasileiro. Os rubro-negros também entendem que terão uma maior liberdade em relação ao contrato atual.

Celebrado em abril de 2013 e com validade até maio de 2023, o vínculo vigente prevê, por exemplo, um repasse de 8,5% de patrocínios que não sejam master e costas superior à fornecedora. Cabe também à Adidas o controle das operações do e-commerce oficial e da loja existente dentro da Gávea. No novo contrato, os repasses de patrocínios são extintos, além de uma possibilidade de o Flamengo ter até dez patrocinadores nos uniformes das equipes profissionais do futebol masculino e feminino e do basquete.

Ao clube também será permitido desenvolver e comercializar a tipografia de nome e número dos uniformes, até mesmo com outros patrocinadores. Em outros esportes olímpicos há a possibilidade de o Flamengo ter uma marca própria ou até fechar com outra marca - neste caso seria necessária a aprovação da Adidas em caso de haver concorrência direta. E o Flamengo retoma as operações do e-commerce e também da loja dentro da Gávea, além de voltar a ser permitido ao clube realizar uma partida promocional ou um amistoso com membros do futebol profissional.

Há um mínimo de R$ 32 milhões por ano a ser pago pela fornecedora ao Flamengo. R$ 7 milhões a cada dia 30 de maio mais R$ 25 milhões em duas parcelas - 30 de maio e 30 de novembro - ou o valor equivalente a 35% dos royalties sobre os produtos comercializados. No contrato atual esse percentual variava em torno de 10% a 14%. É justamente neste item do novo acordo que o clube projeta o salto para um ganho em média de R$ 70 milhões líquidos anuais em todo o novo pacote com a fornecedora.

A Adidas também é obrigada a fornecer 60 mil peças ao clube por ano, no valor máximo de R$ 11,5 milhões. No contrato atual, as bases estipulavam 90 mil peças ao ano, com um teto de R$ 9,8 milhões. Há também a previsão de investimento em marketing de promoção dos produtos de 1% da receita obtida pela Adidas, com valor mínimo de R$ 1,5 milhão. Caso o contrato seja aprovado na segunda-feira, de acordo com os termos estipulados, a empresa fará um pagamento imediato de R$ 15 milhões.

A Adidas, por sua vez, terá contrapartidas, tais como: uma placa publicitária em jogos com mando do clube e quatro em campos do CT - no contrato atual são sete; opção de compra de 70 ingressos de jogos em casa com desconto de 50%; banner no site oficial do clube; cinco credenciais do clube; um camarote para no mínimo 20 pessoas em jogos com mando do clube; dez ingressos em até três jogos realizados em campo neutro; 25 ingressos para o setor Leste inferior e 25 ingressos no setor Norte do Maracanã em jogos com mando do clube.

E não para por aí. A empresa terá direito a mais coisas no contrato. Exposição dos produtos na mesa de coletiva de imprensa durante quatro semanas; dois disparos de email de marketing por mês; pré home no site oficial do clube durante lançamento de camisas; cinco vezes ao ano permitir que membros da equipe realizem atividades promocionais; um local para instalação de um escritório na Gávea e também no Ninho do Urubu; direito de uso do campo da Gávea quatro vezes ao ano; cinco postagens por mês nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter; visita para 30 pessoas na Gávea, no Ninho do Urubu ou no museu do clube quatro vezes ao ano; compartilhar conteúdos na FLaTV quando houver solicitação; 150 itens da Adidas autografados pelos jogadores - o contrato atual prevê 200 itens; 20% de exposição no backdrop em coletivas - o contrato atual prevê 30% do espaço.

O Flamengo também conseguiu um aumento significativo em relação às premiações referentes a conquistas de títulos. No total elas podem chegar a R$ 12,7 milhões por temporada no novo contrato. O atual tem previsão de no máximo R$ 4,315 milhões. O padrão no novo documento desconsidera o Campeonato Carioca e a Copa do Brasil, que não têm bonificações previstas por taça. As Copas Libertadores e Sul-Americana rendem prêmios de forma progressiva, a cada avanço de fase. Brasileiro e Mundial somente rendem bônus em caso de conquista de título. Confira abaixo os valores estipulados:

Mundial de Clubes Fifa - R$ 2 milhões

Libertadores: Máximo R$ 5,2 milhões Campeão - R$ 4 milhões Vice - R$ 1,5 milhão Semifinal - R$ 500 mil Quartas de final - R$ 260 mil Oitavas de final - R$ 140 mil Fase de grupos - R$ 300 mil

Campeonato Brasileiro: R$ 5,5 milhões

Sul-Americana: Máximo de R$ 2 milhões Campeão - R$ 1,3 milhão Vice - R$ 650 mil Semifinal - R$ 350 mil Quartas de final - R$ 200 mil Oitavas de final - R$ 150 mil Fase de grupos - R$ 60 mil