<
>

Jornal diz que Bordeaux quer Marcos Paulo, ex-Fluminense, e monitora Vitinho, do Athletico, nesta janela

Ainda em busca da sua primeira vitória na Ligue 1, já que vem de um empate e uma derrota nas duas rodadas iniciais, o Bordeaux quer se reforçar para a atual campanha e mira a contratação de jogadores brasileiros. De acordo com informações do jornal francês "L'Équipe", o clube monitora as situações dos atacantes Marcos Paulo, ex-Fluminense e atualmente no Atlético de Madrid, e Vitinho, do Athletico-PR.

Em relação ao primeiro nome, Marcos Paulo já é um desejo antigo de Gerárd López, mais novo dono do Bordeaux e que até então era presidente do Lille. Na época, o atacante de 20 anos ainda atuava no Tricolor e tinha uma cláusula de 45 milhões de euros (R$ 278,3 milhões na cotação atual), o que dificultou o avanço das negociações.

Agora, porém, o cenário é diferente: Marcos Paulo recém-chegou ao Atleti, onde sequer fez a sua estreia oficial pela equipe espanhola, e o Bordeaux tenta a sua contratação por empréstimo com uma opção de compra ao final do período.

Vitinho, uma das principais revelações da base do Furacão nos últimos anos também interessa os franceses. Na atual temporada, o atacante de 22 anos tem 27 partidas disputadas, nove gols marcados e ainda três assistências.

Além da dupla de atacantes, o Bordeaux ainda busca um terceiro brasileiro: o meio-campista Fransérgio, de 30 anos, que pertence ao Braga, de Portugal.

Até o momento, o clube da elite do futebol francês já trouxe três reforços, e todos por empréstimo. São eles: os laterais esquerdos Gideon Mensah e Ricardo Mangas, além do zagueiro Timothée Pembele, que veio do Paris Saint-Germain.

O Bordeaux vive um momento de transição após ter sofrido um rebaixamento administrativo na última temporada, já que o fundo de investimentos King Street decidiu deixar de apoiar o histórico clube francês e seu presidente, Frédéric Longuépée, decidiu colocá-lo sob a tutela do tribunal comercial.

Entretanto, em julho, a Direção Nacional de Controle de Gestão (DNCG), órgão que zela pelo cumprimento da regulamentação financeira do futebol francês, deu luz verde ao projeto de López, um empresário espanhol-luxemburguês, e o clube permaneceu na Ligue 1.