<
>

Escócia encara Inglaterra na Euro em busca de vitória histórica na rivalidade mais antiga do futebol

Em 30 de novembro de 1872, no Hamilton Crescent, Escócia e Inglaterra se enfrentavam pelo primeiro amistoso entre seleções nacionais na história do futebol. Quase 150 anos depois daquele empate sem gols, os dois países se encaram pela fase de grupos da Eurocopa.

Para os ingleses, uma vitória significará a garantia de uma vaga nas oitavas de final da competição. Para os escoceses, derrotados na estreia para a República Tcheca, o duelo pode valer bem mais do que isso.

Por questões políticas, a rivalidade dentro das quatro linhas entre os dois países é bastante acirrada, com alguns duelos históricos, mas uma ampla vantagem inglesa no retrospecto geral.

Por isso, a partida ganha um clima de decisão para os escoceses e a Tartan Army, como é conhecida a torcida fanática do país. Afinal, é comum se dizer que, na Escócia, se torce para a equipe nacional e qualquer adversário da Inglaterra.

Não à toa, a Tartan Army canta uma versão da canção ‘Hokey Cokey’ em homenagem a Diego Maradona. O motivo? O craque argentino ter sido o grande algoz de seus rivais na Copa do Mundo de 1986.

Os dois países já se encontraram uma vez na Euro, em 1996, também na fase de grupos e, também, em Wembley. A Escócia saiu atrás com gol de Alan Shearer, mas teve a chance de empatar com Gary McAllister, em cobrança de pênalti.

Em uma sequência de dois minutos, porém, tudo foi por água abaixo, quando David Seaman defendeu a penalidade e Paul Gascoigne marcou um gol lendário para confirmar a vitória dos donos da casa por 2 a 0.

Wembley, que será palco da partida história desta sexta mais uma vez, já viveu outros grandes momentos desta rivalidade. Como em 1977, quando o cantor Rod Stewart comandou uma festa histórica da Escócia.

Em 4 de junho daquele ano, durante o extinto Home British Championship, torneio que colocava frente a frente os países do Reino Unido, o time escocês, embalado por Sir Kenny Dalglish, ídolo do Liverpool, venceu os rivais por 2 a 1 e, pela combinação da pontuação do quadrangular, conquistou o torneio.

Na celebração, o famoso cantor e a torcida escocesa invadiram o gramado do estádio e fizeram uma grande celebração, com algumas pessoas, inclusive, roubando tufos de grama do local. Há quem diga que, até hoje, existem casas no país que cultivam aqueles tufos em seus jardins.

Além de toda rivalidade, a Escócia e sua torcida não sabem o que é celebrar um gol em um torneio oficial desde a Copa do Mundo de 1998, última competição disputada. No dia 16 de junho daquele ano, Craig Burley empatou o duelo contra a Noruega, consumando o único ponto do time naquela fase de grupos. Seria esta a hora da Tartan Army ser feliz?