<
>

Rangers: Michael Beale fala em entrevista sobre Gerrard, Liverpool, saída do São Paulo, Ceni e título brasileiro do Flamengo

play
'Concentração desde o primeiro minuto': o vestiário do São Paulo antes da estreia de Crespo (0:37)

Clube mostrou bastidores do empate contra o Botafogo-SP na estreia do treinador | YouTube: SPFCTV (0:37)

Michael Beale tem o Brasil guardado no peito. No final de 2016, ele foi convidado por Rogério Ceni para ser seu auxiliar no São Paulo, nesta que foi a primeira experiência do ex-goleiro e ídolo tricolor como técnico.

A passagem durou apenas seis meses, com o inglês pedindo para deixar o clube do Morumbi em 30 de junho de 2017, três dias antes de Ceni ser demitido pelo então presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

Hoje, Beale vê da Europa, mais precisamente da Escócia, o sucesso do amigo Rogério, campeão brasileiro pelo Flamengo.

E ele próprio está perto de alcançar o maior feito da carreira: como assistente-técnico de outra lenda, Steven Gerrard, no Rangers, a dupla pode conquistar o título nacional nas próximas semanas e encerrar o domínio do Celtic além do jejum de dez anos dos Gers.

Nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), a ESPN 2 e o ESPN App transmitem Livingstone x Rangers pelo Campeonato Escocês ao vivo

Em entrevista exclusiva por e-mail à ESPN, Michael Beale abriu o jogo sobre sua saída do São Paulo, o convívio com Gerrard, a amizade com Ceni e Charles Hembert, o título brasileiro e a possibilidade de voltar a trabalhar no Brasil.

Leia abaixo a íntegra da conversa

Como você pode explicar o trabalho no Rangers desde que você começou em 2018? Depois de anos de problemas fora do campo, agora o clube está próximo de finalmente conquistar o Campeonato Escocês.

Esta temporada tem sido um grande sucesso até agora: nós jogamos 43 jogos por liga, Copa da Escócia e Europa League, nós perdemos só uma partida e estamos perto de ganhar a liga. Este é um campeonato altamente importante para o clube e será o 55º título na liga.

Você está trabalhando ao lado de Steven Gerrard, uma lenda como jogador e agora próximo de ganhar seu primeiro grande título como técnico. Como vocês se conheceram e como é trabalhar com ele?

É um grande prazer trabalhar ao lado de Steven. Nós nos conhecemos durante o tempo no Liverpool. Ele é um técnico muito bom e dá muitas responsabilidades à sua comissão. Ele tem demonstrado muita confiança e fé em mim como um técnico, e estou aproveitando este momento trabalhando como seu assistente.

É uma sensação diferente trabalhar em um “gigante adormecido” como o Rangers?

Eu amo o desafio de tentar fazer este clube o maior da Escócia novamente e também recuperar o clube como um time de competições europeias. Então, esta temporada tem sido muito animadora, pois nós estamos perto de completar esta jornada. Para a próxima temporada, nós vamos tentar forçar ainda mais, mas o Rangers agora retomou seu antigo status como maior da Escócia.

Como foi seu tempo aqui no Brasil? Quando começou sua relação com Rogério Ceni? O que deu errado no São Paulo? O ex-presidente Leco foi um problema no vestiário ou com a comissão técnica?

Meu tempo no Brasil foi uma experiência muito boa, mas também com alguns arrependimentos. Minha amizade com Rogério era especial e continua até hoje. Ele me ofereceu uma excelente oportunidade de ir ao Brasil e trabalhar com ele. Nós nos conhecemos no Liverpool quando ele veio visitar o clube e observar meu treino.

O São Paulo é um clube de futebol fantástico, e nós tínhamos um time jovem e animador quando nós chegamos ao clube. Cotia é fantástico, e nós tínhamos jogadores na equipe como Rodrigo Caio, Maicon, Cueva, Luiz Araújo, Thiago Mendes, João Schmidt, Lyanco, Pratto, Gilberto, Cícero que poderiam fazer um time muito forte. No entanto, por causa das finanças ruins, o clube começou a vender os jogadores mais promissores, e isso teve um péssimo impacto no projeto.

Eu não tive problemas com qualquer pessoa dentro do São Paulo, amei meu tempo no clube e ainda assisto a cada jogo do time na TV nos fins de semana. Eu ainda tenho muitos amigos do meu tempo no São Paulo com quem converso até hoje, tanto jogadores como da comissão, nós dividimos sobre a jornada de cada um no futebol. Meu arrependimento foi sair da maneira como eu fiz – foi uma decisão emocional aos diretores vendendo jogadores. Eu não tive um problema pessoal com Leco, eu só não concordei com a decisão tomada pelo presidente e pelos diretores.

O que você pode falar sobre as similaridades entre Rogério Ceni e Steven Gerrard? Alguma vez o inglês comentou sobre o Mundial de Clubes de 2005, quando Ceni fez um jogo imenso contra ele?

Nós nunca falamos sobre o Mundial de 2005. É um jogo que é muito mais importante na América do Sul em comparação com a Europa. No entanto, foi uma vitória famosa para o São Paulo, como as vitórias sobre Barcelona e Milan - foi uma conquista fantástica para o São Paulo ganhar por três vezes.

Gerrard e Ceni são ícones em Liverpool e São Paulo. Eles são campeões que ganharam os maiores troféus por seus clubes e foram os líderes de suas equipes. É um prazer ser chamado por esses dois caras para ser técnico e trabalhar com eles no começo de suas carreiras como treinadores.

Como você vê o trabalho de Rogério Ceni no Flamengo? Vocês continuam em contato regularmente?

Eu acho que ele tem feito um progresso excelente como técnico. Ele já tinha ganhado a Série B e campeonatos estaduais com o Fortaleza, agora a Série A com o Flamengo. Ele é o melhor treinador jovem do Brasil em minha opinião por conquistar esses títulos em apenas 3, 4 anos de experiência. Ele mostrou que pode trabalhar em um clube menor com jogadores limitados e também no clube maior com os jogadores famosos. Ele ganhou nos dois ambientes.

Eu ainda estou em contato com ele, nós seguimos o time de cada um e enviamos mensagens para parabenizar ou mesmo oferecer conselho. Ele é um amigo que levarei para toda a vida. Eu assisti a cada jogo que ele comandou o Flamengo. Eu creio que ele fez um trabalho fantástico: a decisão de trazer Diego para o time e mover Arão para a zaga foi muito importante para o Flamengo ganhar o campeonato. Gerson e Diego como parceria foi excelente e deu estabilidade para o time, permitindo aos atacantes ficarem livres para jogar seu jogo.

Você vê Gerrard como o futuro substituto para Jurgen Klopp no Liverpool? Este é o desejo dele?

Eu acho difícil prever o futuro, você deve viver o hoje e tentar ser o melhor técnico possível. Neste momento, Klopp é um dos cinco melhores técnicos do mundo, e o melhor técnico para o Liverpool é Jurgen Klopp. Eu trabalhei perto dele como treinador do sub-23, e ele é fantástico para os jogadores e sua comissão técnica. Ele fez um trabalho incrível até agora.

No futuro, se Steven Gerrard puder continuar a ser um sucesso, conquistar troféus e ganhar experiência, então é possível que o Liverpool seja seu futuro. Mas... Todo técnico no mundo sonha em comandar uma equipe como o Liverpool. Então vamos ver o que o futuro traz.

Quais são os seus planos para o futuro, talvez ser técnico principal em alguns anos?

Eu tenho um desejo de trabalhar fora do Reino Unido novamente no futuro, estou muito feliz de trabalhar com Steven Gerrard e acredito que nós tenhamos mais alguns anos juntos antes de eu decidir ser um técnico por mim mesmo. Mas é meu plano ser um treinador por mim mesmo no futuro. Mas não estou preocupado com isso hoje. Eu só quero ganhar aqui com o Rangers primeiro.

Você tem interesse em trabalhar novamente no Brasil? Como você vê as diferenças entre o futebol jogado na América do Sul com o da Europa?

Seria ótimo voltar ao Brasil novamente no future, minhas crianças ainda falam sobre nossa casa em São Paulo e as coisas que nós fizemos como família. Nós amamos nosso tempo no Brasil. No futuro, eu visitarei o Rogério e o Charles quando a pandemia acabar e, quem sabe, eu possa trabalhar com esses dois caras outra vez no Brasil um dia. Eu ainda pratico minhas habilidades com a Língua Portuguesa escrevendo meus planos de treino nela - isso é algo que eu adoro fazer.

O futebol na América do Sul é muito diferente do Reino Unido e mais parecido ao estilo de Portugal e Espanha. Eu realmente adorei o futebol e trabalhar com os jovens jogadores da América do Sul, foi um momento especial em minha vida.