<
>

Antes de clássico, Paulo Bonamigo coloca Re-Pa entre as dez maiores rivalidades do Brasil

play
Salário, tempo de contrato e mais: Nicola diz que Miguel Ángel Ramírez está fechado com o Inter e passa detalhes (2:29)

Treinador se despediu do Independiente del Valle (2:29)

A Série C está em um estágio avançado da competição, com as equipes disputando a segunda fase de grupos, em busca do acesso para a segunda divisão. Quis o destino que os grandes rivais Remo e Paysandu ficassem juntos no Grupo B.

Neste domingo (20), as duas equipes se enfrentam pela segunda rodada. Para o treinador Paulo Bonamigo, comandante do Leão Azul, o clássico entre esses dois times está entre os dez maiores do país, como disse em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br.

“Eu considero entre os 10 maiores clássicos do futebol brasileiro. Independente da série que disputa, pela rivalidade, pela grandeza das duas torcidas. Sempre jogos especiais, de muita competitividade”, avaliou.

Este não será o primeiro duelo da temporada na Série C. Na primeira fase, o Remo levou a melhor em um dos confrontos. Para Paulo, porém, o que se disputou não influenciará no jogo de domingo.

“Acho que clássico, independente do momento de cada equipe, não tem favorito. Nós fizemos um clássico muito equilibrado, onde nós vencemos por 3 a 2, talvez um dos melhores clássicos realizados, até pela própria imprensa foi muito enaltecido pela qualidade que as duas equipes apresentaram”, disse.

“Um jogo técnico e com muita ofensividade. Enfim, é o momento diferente, outra situação, as equipes mais encorpadas, com maturidade emocional e tática. Tem tudo para ser uma partida de um excelente nível, novamente”, completou.

O Remo busca um acesso para a segunda divisão depois de 13 anos fora do lugar. O treinador vê esse período longe como uma forma de motivar ainda mais seus jogadores nesta fase final.

“Sem dúvida, uma forma de motivação. A gente sente o clamor da nossa torcida, é impressionante o carinho, a força que tem essa torcida do Remo. A gente vive isso no dia a dia, mesmo com a pandemia, que a gente não pode ter nosso torcedor acompanhando”, afirmou.

“Mas a gente sente antes de viajar, o apoio o suporte. Nas cidades que a gente vai jogar, sempre tem torcida do Remo esperando o time, passando confiança, energia positiva para que a equipe possa alcançar os êxitos”, finalizou.