<
>

Palmeiras busca mais três reforços, mas intensificará negociações após acerto definitivo com Miguel Ángel Ramírez

play
Técnico interino do Palmeiras elogia Miguel Ángel Ramírez: 'Treinador emergente' (0:33)

Andrey Lopes comandou o time alviverde na derrota para o Fortaleza pelo Brasileirão no último domingo (0:33)

O Palmeiras está praticamente acertado com o Independiente Del Valle para contar com o técnico Miguel Ángel Ramírez.

O ESPN.com.br trouxe na última segunda-feira que as conversas entre as partes caminharam de maneira positiva e que a única pendência é o pagamento da multa de R$ 5,5 milhões para que o espanhol seja o novo treinador do clube paulista.

O ESPN.com.br apurou ainda que o técnico chegará ao Brasil nesta sexta-feira e acompanhará o duelo diante do Atlético-GO.

Porém, o Palmeiras não deve parar por aí e observa o mercado atrás de pelo menos três reforços para o elenco. Um dos nomes observados pela diretoria é o do lateral-direito Ángelo Preciado, do próprio Independiente Del Valle.

Após as vendas de Diogo Barbosa, Vitor Hugo e Bruno Henrique, o Palmeiras entende que precisa de reforços para equalizar o elenco e manter a mescla com revelações das categorias de base. O ESPN.com.br apurou que, no entanto, a missão do time paulista em anunciar novos nomes não é tão simples quanto parece e passa estritamente por dois fatores: preço e condições de pagamento.

Em apuração com fontes ligadas à cúpula do Palmeiras, o ESPN.com.br obteve informações das estratégias utilizadas pelo clube no mercado de transferências para trazer novos nomes ao elenco. Ao contrário do que foi feito nos últimos anos, o Palmeiras dá preferência a nomes mais jovens e que tenham potencial de venda no futuro.

Além disso, o time paulista evitará ao máximo pagar valores à vista nas possíveis contratações. O ESPN.com.br antecipou no início do mês de outubro informações a respeito das condições financeiras do Palmeiras neste ano de pandemia. A diretoria do time alviverde sabe que vai terminar o ano com as contas no vermelho, principalmente por ter uma diminuição de R$ 200 milhões em arrecadações de bilheteria, cotas de televisão e de torcedores Avantis, que pagam o sócio-torcedor.

Por conta disso, o Palmeiras trabalha apenas com o formato de parcelamento de valores neste período. Assim como as negociações pelo atacante Rony e pelo lateral-esquerdo Matías Viña, o time paulista dividiu os pagamentos em parcelas. Para este final de ano, a ideia é empurrar a maior parte dos gastos com supostos reforços para a temporada 2021, uma vez que o Palmeiras acredita que terá ao menos parte dos R$ 200 milhões de volta ao fluxo de caixa por conta da perda de força da pandemia da covid-19 e da retomada dos torcedores no estádio.

Ainda de acordo com a apuração do ESPN.com.br, o Palmeiras não trabalha com uma posição do time em específico para contratar. Mesmo com os problemas recentes na lateral esquerda, por conta das saídas de Diogo Barbosa e Victor Luís, além da convocação de Viña e a lesão de Lucas Esteves, o time paulista analisa o mercado num todo e observa as chamadas 'oportunidades de mercado' para tentar reforçar o elenco de 2020.

Na avaliação da diretoria, o fato do clube ter conseguido renovar os contratos, aumentar as multas rescisórias e ainda segurar nomes em potencial do elenco como os garotos Patrick de Paula, Gabriel Menino, Gabriel Verón e Wesley, são 'vitórias' perante ao mercado em um ano atípico e no qual o Palmeiras luta para manter os pagamentos em dia e a manutenção de grande parte dos novos talentos do plantel.