<
>

Carlos Carvalhal: quem é o 'romântico do futebol' que está na mira para ser técnico do Flamengo

play
No Resenha, Rafinha vê dificuldade grande para o Flamengo repor Jesus: 'Nenhum técnico vai querer manter a linha dele' (2:33)

Lateral do Fla lamentou a saída do treinador português para o Benfica (2:33)

Ainda sem técnico após a saída de Jorge Jesus para o Benfica, o Flamengo vasculha a Europa em busca de um novo treinador.

E um dos que mais interessam é o também português Carlos Carvalhal, comandante do Rio Ave, 6º colocado do campeonato luso.

Carvalhal, de 54 anos, é bastante experiente e dirigiu o Sporting, um dos gigantes de Portugal, entre 2009 e 2010.

Também teve experiências em muitas outras ligas, passando por Grécia, Turquia e Inglaterra ao longo de sua carreira, iniciada em 1998 no pequeno Espinho.

Ex-zagueiro com passagens de destaque por Braga e seleções de base de Portugal, o treinador é descrito pelos que o conhecem como um dos últimos "românticos" do futebol.

Isso ficou claro em uma longa entrevista que ele concedeu ao jornal inglês The Telegraph, em janeiro de 2018, quando estava treinando o Swansea City na Premier League.

Na conversa, ele lembrou sua formação universitária em educação física, citou filósofos franceses (René Descartes é seu favorito) e falou sobre sua paixão sobre música clássica.

Além disso, ele contou sobre sua obsessão e dedicação pelos estudos.

"Meu pai era vendedor de tintas. Minha mãe trabalhava em casa, costurando roupas e tentando ganhar algum dinheiro. Eu tinha um plano: jogava futebol profissional, mas ao mesmo tempo estudava na universidade", contou.

"Certa vez, tive férias de um mês no futebol, mas eu tinha uma prova de anatomia para fazer, e era a mais difícil do semestre. Eu disse à minha namorada: 'Vou desaparecer por duas semanas', pois tinha que estudar. Não tive contato com ninguém. Passei duas semanas no meu apartamento, desapereci do mundo. Eu fiquei com uma barba igual à do Robinson Crusoé no final. Valeu à pena, pois fui bem na prova", exaltou.

"Eu poderia ter ido para as Bahamas por um mês de férias, mas quis estudar anatomia. E, quando eu quero muito alguma coisa, me dedico profundamente a isso", argumentou.

O português, aliás, foi colega de universidade de Rui Faria, hoje auxiliar de José Mourinho. E, durante o tempo em que fez o curso para tirar a licença da Uefa, foi companheio de sala de ninguém menos do que o Special One.

Em outro trecho da entrevista, Carvalhal revelou que jamais pensa em dinheiro quando conversa com algum clube e que é uma pessoa de gostos simples.

play
2:33

No Resenha, Rafinha vê dificuldade grande para o Flamengo repor Jesus: 'Nenhum técnico vai querer manter a linha dele'

Lateral do Fla lamentou a saída do treinador português para o Benfica

"Eu me sinto um pouco romântico pelo futebol ainda. Não penso muito em dinheiro. Na verdade, talvez eu já tenha ganho 10 vezes mais dinheiro do que já esperei ganhar em toda a minha vida", afirmou.

"Então, é isso que eu quero da vida: uma boa casa, um carro... Eu gosto de mountain bike, mas não gosto de motos. Eu gosto de fazer spinning na academia e sair para almoçar e jantar com a minha família", acrescentou.

Sobre sua maneira de comandar um time, o técnico se comparou a um "arquiteto".

"Quando você gere uma equipe, pode criar um modelo arquitetônico simular ao de o projeto de uma casa. Então, a gente desenha um projeto do que queremos do time e seguimos isso, entendendo também que às vezes vocês terá que fazer uma nova parede, ou entender que a cozinha não irá sair exatamente como planejado. Mas a ideia é sempre seguir o plano original", explicou.

Pelo Rio Ave, seu time atual, Carvalhal tem 41 jogos, com 19 vitórias, 11 empates e 11 derrotas.