<
>

Um resumo da Premier League: Depois de Liverpool, Leicester e Manchester City, tudo é uma bagunça

Mais um fim de semana maluco se foi na Premier League. Se você perdeu algo, vamos te contar tudo aqui mesmo.

A Premier League se tornou divertidamente mediana

Que temporada estranha estamos tendo. Toda equipe entre Tottenham (5°) e Everton (17°) venceu quatro ou cinco partidas. Essas 13 equipes estão separadas por seis pontos. Dois jogos atrás, o Tottenham estava em 14°, e agora está quase na Champions League. A diferença entre líder e 5° colocado é de 20 pontos; a diferença entre lanterna e 5° colocado é de 12 pontos.

Além disso, o Tottenham está na quinta posição com 20 pontos: nunca tivemos, na era dos "três pontos por vitória" na primeira divisão da Inglaterra, um quinto colocado com apenas 20 pontos. Na última temporada, o próprio Tottenham estava na quinta posição, mas com 30 pontos.

Você poderia dizer que tudo isso é relativo, ou você pode dizer que temos o argumento "diferença entre a elite e o resto" todos os anos, mas parece (ainda) mais forte nesta temporada. Não sabemos o motivo, mas parece que a Premier League se transformou em uma versão de luxo da segunda divisão. Ainda assim, como a segunda divisão inglesa é, rotineiramente, uma das divisões mais divertidas do mundo, isso pode não ser uma coisa totalmente ruim.

Ljungberg precisa de mais do que DNA para mudar o Arsenal

O Arsenal marcou sete gols fora de casa nesta temporada. Pierre-Emerick Aubameyang é responsável por seis. O único que ele não marcou foi o menos importante de todos eles, Torreira contra o Liverpool. É um pouco aterrorizador, do ponto de vista do clube de Londres, pensar onde eles estariam sem o atacante do Gabão.

O mensageiro de Stan Kroenke, seu filho Josh, disse na semana passada que Ljungberg tem o "DNA do Arsenal". Se analisarmos como o Arsenal jogou na maior parte desta década, pode não ser aquele elogio que pensavam ser.

Claro, o Arsenal teve bons momentos contra o Norwich, mas você tem que se preocupar com um time que não vence o vice-lanterna do campeonato.

Tudo que o jogo realmente fez foi enfatizar que, embora a equipe do Arsenal seja talentosa, seus problemas não estão apenas no técnico. Os jogadores de talento que a equipe tem não vão conseguir resolver para sempre. Na melhor das hipóteses, vão mascarar o que está de errado - por algum tempo.

Momento de mais sorte do fim de semana

Dezembro está começando, então não vamos estragar esse bom clima natalino falando do VAR - pela primeira vez.

Bom, por pouco tempo, porque Aubameyang teria perdido o pênalti contra o Norwich, mas os cadarços de Max Aaron foram flagrados invadindo a área antes da cobrança. O atacante do Arsenal acertou na segunda chance.

Brendan Rodgers deveria ficar no Leicester

Brendan Rodgers não fez um trabalho brilhante em acabar com qualquer tipo de especulação sobre ele como novo treinador do Arsenal, mas isso não deve ser usado contra ele. Ele não deve nada ao Leicester, e torcedor que fique incomodado com o fato de que ele pode deixar o Leicester para um clube maior, vamos nos lembrar como ele chegou ao King Power.

Não é de surpreender que o Arsenal queria contar com Rodgers. A questão deveria ser: por que Rodgers iria querer o Arsenal?

No Leicester, ele tem um time jovem e vibrante, onde a maioria das pessoas já o ama; seu time já é aquele que mais ameaça o Liverpool, e uma vaga na Champions League do ano que vem parece realidade. No Arsenal, ele teria jogadores talentosos, mas um clube cheio de problemas, a expectativa de ganhar troféus ontem, mas, a curto prazo, pelo menos, menos chances de realmente fazer isso. É claro que o dinheiro seria bom, o status também. Ah, tem aquela história de reerguer os gigantes adormecidos, como Rodgers quase fez com o Liverpool. Mas, Rodgers, nos escute: fique no Leicester.

O Manchester City precisa se redescobrir

Pep Guardiola não parecia muito preocupado com o empate do Manchester City com o Newcastle, citando sua superioridade esmagadora e sugerindo que o time de Steve Bruce teve sorte de sair com o empate.

Isoladamente, você pode escrever dessa maneira. Mas isso continua acontecendo. Isso aconteceu contra o Wolverhampton. Aconteceu contra o Norwich, contra o Shakhtar Donetsk e contra a Atalanta na Champions League. E isso deve acontecer mais vezes. Obviamente, essa equipe do City é tão boa que, em teoria, poderia diminuir a diferença de 11 pontos para Liverpool, mas terá que se redescobrir rapidamente.

Só o Liverpool pode parar o Liverpool

Outra vitória, outro resultado um pouco mais apertado do que deveria ter sido, mais um passo em direção ao título. A vitória do Liverpool sobre o Brighton, por 2 a 1, no sábado, enfatizou algumas coisas que já sabíamos sobre o time de Jurgen Klopp. Primeiro, eles são incansáveis e continuam encontrando maneiras diferentes de ganhar partidas. Desta vez, com dois gols de seu zagueiro Van Dijk.

A única coisa que pode impedir o Liverpool de conquistar o seu primeiro título de Premier League da história é o próprio Liverpool. O cartão vermelho de Alisson acabou não custando nada aos Reds, mas é esse tipo de coisa que pode comprometer uma campanha de título.

O Watford acertou em mudar, mas pode não fazer diferença alguma

Não estava funcionando e não havia sinais de que iria começar a funcionar. O Watford acertou em mandar Sanchez Flores embora.

Mas provavelmente não adiantará muita coisa, como indicam as evidências desta temporada e históricas: o Watford se tornou o oitavo clube a demitir dois técnicos em uma temporada de Premier League. Só um sobreviveu, o Swansea em 2016-17. Além disso, apenas quatro equipes sobreviveram com seu total atual de oito pontos (ou menos) em 14 jogos.

Resumindo: não parece bom. O Watford cometeu um erro ao trazer Flores de volta e não pode se dar ao luxo de cometer outro. E mesmo se eles acertarem a próxima contratação, pode ser tarde demais.

Boas atuações serão suficientes para Marco Silva?

Marco Silva pode se animar com o bom desempenho do Everton, apesar da derrota no fim para o Leicester. O time, sem dúvidas, jogou melhor do que estava jogando. Mas é a quarta vez nesta temporada que o Everton sofre um gol nos acréscimos, e apenas o Norwich perdeu mais do que os oito do Everton.

A questão se torna se a diretoria do clube valorizará a evolução e bom desempenho do Everton e manterá Silva no cargo, ou se apenas o resultado importa.

Por que Pellegrini não colocou Martin antes?

Muitos ficaram emocionados com a atuação de David Martin contra o Chelsea, assistida por seu pai e herói do West Ham, Alvin, a quem ele abraçou com força depois. Compreensivelmente: como não se impressionar com este homem de 33 anos que passou a carreira na segunda divisão, estreou pelo seu clube do coração e venceu a partida para ele?

Mas a questão mais importante é por que Manuel Pellegrini não fez isso antes. Ficou claro desde os primeiros minutos que Roberto era uma calamidade; portanto, se tivesse testado Martin antes, ele poderia ter poupado o West Ham de alguns resultados negativos.

Pode parecer um pouco grosseiro focar nessa questão após um resultado tão fantástico, mas esse tipo de decisão atrasada é a explicação de por que Pellegrini corre perigo como técnico do West Ham.

É por isso que precisamos da campanha 'Rainbow Laces'

Qualquer torcedor do Chelsea lhe dirá que os cantos homofóbicos que os adversários cantam para eles acontecem há vários anos. Décadas, até. Mas contra o West Ham no fim de semana, parecia muito pior do que o habitual. Algumas pessoas relataram que nunca ouviram isso com tanta clareza.

Isso aconteceu justamente na semana que marcará o início da campanha Rainbow Laces, e em vários estádios da Premier League você verá banners, bandeiras, painéis de substituição e, claro, cadarços nas cores do arco-íris, para demonstrar solidariedade com a comunidade LGBT e tentar tornar o futebol um lugar mais acolhedor para seus membros.

Se alguém se perguntar por que esse tipo de campanha é necessário, basta direcionar sua atenção para Stamford Bridge no sábado.