<
>

Courtois no Real Madrid: mais gols sofridos que defesas, valor em queda livre e 'fake news'

play
Empresário lendário revela bastidores da negociação com Florentino Pérez para Luxemburgo ir ao Real Madrid (2:19)

Treinador, hoje no Vasco, comandou a equipe da capital espanhola em 2005 (2:19)

Thibaut Courtois é um dos maiores goleiros do mundo. Depois de ajudar a Bélgica a chegar ao terceiro lugar na Copa da Rússia, no ano passado, ele trocou o Chelsea pelo Real Madrid. E todos os problemas começaram.

O arqueiro não caiu nas graças da torcida. O ápice foi o empate por 2 a 2 contra o Club Brugge, pela Champions League, em pleno Santiago Bernabéu, no começo do mês. Foi substituído no intervalo por Alphonse Areola, goleiro que chegou ao clube vindo do PSG em troca pelo antigo titular, Keylor Navas.

Vaiado pela torcida, foi criticado pela imprensa naquela semana. “Courtois tem um problema com o Bernabéu”, disse o diário “Marca”. “Courtois atingiu o fundo do poço”, estampou o AS. “O Bernabéu está farto de Courtois”, destacou o catalão Mundo Deportivo.

Os números não ajudam Courtois na temporada 18-2019. Até o momento, ele disputou 9 partidas, com mais gols sofridos - 12 - do que defesas - 11 - nos 765 minutos em campo. A média é de 1 gol sofrido a cada 63,75 minutos. As estatísticas ajudam Areola: 3 jogos, 4 defesas, 2 gols contra, 225 minutos, 1 gol sofrido a cada 112,5 minutos.

O valor de mercado de Courtois despencou em pouco mais de um ano de Bernabéu. Segundo o Transfermarkt, referência em transferências, o belga custava 65 milhões de euros em 16 de julho de 2018, pouco depois da Copa e antes da confirmação do acerto com o Real. Em 11 de junho deste ano, caiu para 55 milhões, hoje apenas o 88º mais caro do mundo e o 8º entre os goleiros.

Em meio a tudo isso, o goleiro teve que lidar com “fake news”. Depois do jogo contra o Brugge, o jornal Okdiario publicou que ele teria sido diagnosticado com “crises de ansiedade”. O Real rebateu, “informações absolutamente falsas", e o próprio Courtois foi à imprensa para classificar a publicação como "mentira" e "falta de respeito".

Somado a tudo isso, o passado parece condenar Courtois em Madri. Ele defendeu o arquirrival Atlético entre 2011 e 2014, com 154 jogos e 125 gols sofridos, média de 0,81 por partida. No Bernabéu, por exemplo, são 44 gols e 60 gols contra, 1,36 de média. A ida para o adversário não foi bem recebida pelos torcedores colchoneros, e o fato de ele ter beijado o escudo do Real na apresentação o tornou “inimigo” da outra metade de Madri.

O primeiro passo de Courtois para iniciar uma retomada no Real pode ser dado na terça-feira, quando o time de Zinedine Zidane visita o Galatasaray, na Turquia, pela terceira rodada da Champions League. A equipe está na última posição do grupo A, com 1 ponto, ao lado justamente do time turco. O PSG lidera, com 6 pontos, enquanto o Club Brugge, rival dos franceses no mesmo dia, somam 2.