<
>

Libertadores: para enfrentar Athletico Paranaense, Boca Juniors faz pré-temporada em grama sintética

Uma grande polêmica no futebol brasileiro é a Arena da Baixada, principal estádio da elite a utilizar gramado sintético. Muitos rivais já sofreram no campo artificial de Curitiba – entre eles, o Boca Juniors.

Adversário do clube rubro-negro nas oitavas de final da Copa Libertadores, os xeneizes já visitaram o Athletico Paranaense na fase de grupos da competição. E o resultado não foi nada animador para os argentinos: 3 a 0, fora o baile.

Sabendo disso, a equipe azul e amarela faz agora uma pré-temporada em gramados sintéticos. São dois amistosos : no último sábado, vitória por 2 a 0 sobre o Chivas Guadalajara no campo artificial de Seattle, o CenturyLink Field. Nesta quarta, outro amistoso em campo sintético, contra o Tijuana, no Estadio Caliente mexicano.

“Em Seattle e Tijuana se recriará algo parecido com o Paraná. Isso serve para quando formos visitá-los no primeiro jogo da Libertadores. O Athletico é uma equipe que joga igual em casa e fora de casa, mas tem rendimento maior como mandante”, disse Gustavo Alfaro, técnico do Boca.

Além do gramado, os argentinos tentam superar também a falta de ritmo, uma vez que começam sua temporada nesta metade de ano, enquanto os brasileiros estão no meio da Série A nacional.

“A desvantagem que temos é que eles chegam num ritmo competitivo que nós não temos. A vantagem que temos é que sabemos os enfrentar, dentro e fora de casa. Jogamos no sintético, incorporamos movimentos para ficarmos atentos a essa superfície e buscamos escrever uma nova realidade nas oitavas de final”, disse Alfaro.