<
>

Portugal vence Holanda e conquista primeira edição da Liga das Nações

play
Fernando Santos comemora conquista da Liga das Nações com Portugal: 'Vai ficar para a história' (0:57)

O título veio no Estádio do Dragão, no Porto, com a vitória por 1 a 0 na decisão contra a Holanda, com gol de Gonçalo Guedes no segundo tempo. (0:57)

A Europa segue sendo portuguesa!

Depois do título da Eurocopa em 2016, Portugal voltou a levantar uma taça no continente, sendo a primeira campeã da Liga das Nações.

A conquista veio no Estádio do Dragão, no Porto, com a vitória por 1 a 0 na decisão contra a Holanda, com gol de Gonçalo Guedes no segundo tempo. Portugal, anfitrião na fase final, foi campeão de forma invicta.

Cristiano, autor de três gols nas semifinais, passou em branco neste domingo, mas levantou mais um troféu como capitão de sua seleção, levando também o prêmio de artilheiro do torneio.

O apito final do jogo deu início à festa que não aconteceu na Euro de 2004, quando Portugal perdeu a decisão em casa para a Grécia. A noite promete ser longa no Porto e no resto do país.

PORTUGAL COMEÇA BEM...

A seleção portuguesa controlou o jogo e teve as melhores oportunidades do primeiro tempo, levando muito trabalho para a dupla de zaga holandesa formada por De Ligt e Van Dijk, além do goleiro Cillessen.

A melhor oportunidade holandesa poderia ter saído aos 16, quando uma bola lançada da defesa caiu nos pés de Bergwijn, que disparou contra dois portugueses e acabou desarmado por Rúben Dias.

Já Portugal assustou no chute de Bruno Fernandes que Cillessen espalmou, no cabeceio de Cristiano Ronaldo, que acabou anulado pela posição irregular, e outras boas jogadas que acabaram desviadas ou travadas no último instante.

... E TERMINOU AINDA MELHOR

A Holanda tentou reagir no começo da segunda etapa, mas foi Portugal quem mexeu no placar. Aos 15, Bernardo Silva recebeu de Gonçalo Guedes e devolveu na medica para a finalização. Cillessen tocou na bola, mas não impediu que ela morresse na rede.

O gol português exigiu uma resposta e foi a vez de Rui Patrício trabalhar no cabeceio de Depay, aos 19. Depois, aos 33, o goleiro só conseguiu olhar quando De Roon bateu forte da entrada da área.

Rui Patrício seguiu brilhando três minutos depois, quando Van de Beek desviou e parou em uma grande defesa. A pressão dos minutos finais também veio, mas estava claro que não ia ter como passar pelo goleiro. Foi a primeira vez que os holandeses passaram em branco em um jogo desde a derrota por 4 a 0 para a França, em agosto de 2017.