<
>

Depois de Sterling, Balotelli também ataca Bonucci por caso de racismo com garoto: 'Sua sorte é que eu não estava ali'

Os insultos racistas sofridos pelo jovem italiano Moise Kean na última terça-feira, na vitória da Juventus sobre o Cagliari por 2 a 0, seguem repercutindo na imprensa internacional.

Muito pelo fato em si, mas bastante também pelas declarações de Leonardo Bonucci, capitão da equipe. Após o duelo, o zagueiro afirmou que “50% da culpa” era do atacante, e teve o pensamento reprovado por diversos atletas, entre eles Mario Balotelli.

Em um comentário na publicação de Kean nas redes sociais, em que o atacante sensação da Juve e da seleção italiana publicou uma foto de braços abertos com a legenda: “A melhor maneira de responder o racismo”, Balotelli demonstrou seu apoio e aproveitou para condenar e cutucar as declarações de Bonucci.

“Bravo! E diz ao Bonucci que ele teve sorte por eu não estar lá. Em vez de te defender, fez aquilo? Wow, estou honestamente chocado. Amo-te, irmão”, escreveu o atacante do Olympique de Marselha, da França.

O atacante Raheen Sterling, que também passou pelo problema em partida recente da seleção da Inglaterra contra Montenegro, foi mais um a se dirigir a ao zagueiro. Em sua conta no Instagram, o atacante do Manchester City postou nos stories a seguinte frase: “A culpa é 50-50, Bonucci? Tudo que eu posso fazer é rir”.

No país dos atuais campeões mundiais, inclusive, a polêmica com os atos racistas contra o jovem Moise Kean e o meio-campista Blaise Matuidi ganharam repercussão desde o início. Após a partida contra o Cagliari, o francês, que também foi vítima de insultos na última temporada, saiu em defesa do companheiro nas redes sociais. “Bianco + Neri” (branco + negro, em tradução literal do italiano, as cores do time), comentou.

A Revista France Football, nesta quarta-feira, publicou um conteúdo com algumas declarações de jogadores e ex-atletas que atuaram na Itália e sofreram com o racismo nos estádios. Paul Pogba, que defendeu a Juventus antes de acertar sua transferência para o Manchester United, reprovou os atos. “Eu apoio qualquer luta contra o racismo, somos todos iguais. Bons italianos, acordem, não deixem que um grupo racista pequeno fale por você”.

O Presidente da Federação Francesa de Futebol, Noel Le Graet, emitiu um comunicado em que rechaçou o ocorrido em solo italiano na última terça-feira e se mostrou solidário com os jogadores ofendidos.

“Estes insultos são inaceitáveis. Em nome da FFF quero expressar o meu apoio e a minha amizade a Blaise Matuidi e Mosie Kean, que foram vítimas de comentários intoleráveis. Através da sua história, cultura e universalidade, o futebol é o oposto do racismo, de todas as formas de discriminação”, disse.

Por fim, a revista francesa ainda publicou uma declaração de um ex-jogador que atuou na liga italiana, mas preferiu não se identificar. Segundo ele, os casos de racismo são comuns. “Tenho tanto ódio”, declarou.