<
>

Lucaozy revela que Detona ainda não tem uma 'resposta definitiva' sobre liberação de v$m

Lucaozy e os companheiros ainda estão esperando pra ver se v$m será liberado Rafael Veiga / Draft5

Faltando dez dias para a seletiva sul-americana válida pelo Major do Rio de Counter-Strike: Global Offensive, Detona ainda vive a expectativa de saber se poderá contar com a principal estrela da equipe, v$m, na disputa pela vaga. Segundo lucaozy, o time ainda não recebeu uma resposta definitiva da Valve quanto a liberação do jogador.

"Estamos em contato com a Valve. Ainda não temos uma resposta definitiva, mas até a data [da seletiva] vamos saber se ele vai jogar ou não", afirmou o jogador em entrevista ao ESPN Esports Brasil. Ainda de acordo com lucaozy, Detona não foi ignorada pela desenvolvedora: "Está havendo troca de email, uma conversa".

Assim como, praticamente, toda a comunidade brasileira, os integrantes da Detona quer ver v$m sendo liberado. "É um campeonato que a gente quer muito jogar e todo mundo quer que o v$m seja liberado para jogar o Major. Agora que o Major será no Rio, todo mundo quer ver ele jogar", garantiu lucaozy.

Enquanto espera a decisão da Valve pela liberação de v$m, Detona vem disputando outros campeonatos no Brasil. Na última quarta-feira (19) a equipe foi surpreendida pela Alma Gaming pela segunda rodada do Clutch 2020, em confronto que terminou empatado.

Analisando o duelo, lucaozy apontou que a Detona sabia como Alma iria jogar o primeiro mapa: “Sabíamos que eles gostavam de agressivar em muitos pontos do mapa. Mas foi tranquilo e, no final, a gente conseguiu segurar bem, conseguiu se adaptar ao jogo deles”.

Quanto ao segundo mapa, Train, o jogador disse que a equipe estavam muito confiantes para a partida, mas que a Alma começou “a surpreender com algumas jogadas e fomos tomando round atrás de round. Eles fizeram um fake na prorrogação que caiu muito bem e acabaram saindo com a vitória”.

Na opinião de lucaozy, a Alma surpreendeu a Detona na Train porque a equipe começou a jogar mais solta. “Sentimos que eles não tinham mais nada no mapa e começaram a jogar solto, tentando buscar eliminações meio que arriscando para tentar ganhar. Foi isso que mudou e a gente tem que ficar mais esperto com isso, com mudança de ritmo [durante os jogos]”, analisou

Além da liga, a equipe de lucaozy esteve ocupada também disputando seletivas para torneios internacionais como as válidas pelo próprio Major, World Electronic Sports Games (WESG) e Flashpoint. Destes, até ser oficializada como substituta da Isurus, Detona só estava viva ainda na disputa por uma vaga no ESL One Rio.

Lucaozy, inclusive, comentou a queda que o time sofreu na seletiva para o Flashpoint. Sem tirar o mérito da Redemption, a responsável pela derrota da Detona, o jogador afirmou que o cansaço atrapalhou ele e os companheiros.

“Acabamos jogando três md3 no mesmo dia. Não tirando o mérito da Redemption, que jogou muito bem, mas estávamos muito cansados fisicamente falando por estar jogando o dia todo”, afirmou.

SUCESSORA DA PAIN?

Equipe que dominou a temporada passada com seis títulos de torneios presenciais, a paiN Gaming iniciou 2020 revelando que não ia participar do Clutch porque vai se mudar para o cenário norte-americano dentro dos próximos meses.

Muitas são as equipes que estão sendo apontadas como a sucessora da paiN, principalmente Detona. Opinião esta a qual lucaozy concorda mas deixando claro que o time não pode deixar o ego subir a cabeça..

"A gente trabalha muito para isso mas não pode esquecer que no Clutch passado os jogos eram muito próximos. Então, qualquer time pode surpreender. A gente não pode ter esse ego de querer ser o melhor time do Brasil sendo que não ganhamos nada, não dominamos o cenário", finalizou.