<
>

Gabriel Santos tem pena por doping aumentada e pode perder Olimpíada; defesa estranha decisão e vai recorrer

O Brasil pode ter uma perda enorme para a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. O nadador Gabriel Santos teve a pena por doping aumentada de oito meses para um ano, o que o faria perder a seletiva brasileira e ficar fora da principal competição esportiva do mundo. Ele é um dos grandes nomes da modalidade no país, nome certo na disputa dos 100m livre e também peça fundamental no revezamento 4x100m.

A única chance de Gabriel disputar a Olimpíada é se a decisão for novamente revista em um novo julgamento. Em contato com o ESPN.com.br, a defesa do atleta já deixou claro que vai recorrer, mas disse ainda não ter recebido a documentação que fundamental a revisão do tempo de suspensão.

Os advogados não consideram normal esse tipo de revisão em tão pouco tempo depois da decisão original – que havia sido tomada há três dias, na última sexta-feira.

Gabriel Santos foi pego em exame antidoping pelo uso da substância clostobol, um anabolizante. O nadador se defendeu dizendo que havia sido contaminado quando passou um tempo na casa do irmão – o que poderia acontecer através do uso compartilhado de toalhas e roupas, por exemplo. O clostebol é uma substância que aparece em pomadas cicatrizantes.

A Federação Internacional de Natação (FINA) aceitou que ele não teve culpa no caso e, por isso, deu uma punição menor – o caso poderia ser punido até com quatro anos de afastamento.

Os oito meses inicias o tiraram da disputa do Mundial de Esportes Aquáticos e também o tirariam dos Jogos Pan-Americanos, mas o permitiriam disputar as seletivas para os Jogos Olímpicos.

A revisão da punição também mudou a data de início do afastamento. A primeira sentença era retroativa e começava em maio, data do exame. Agora, a punição começa apenas em julho, na data do julgamento.

O ESPN.com.br apurou que Gabriel Santos terá um substituto no Pan, mas o nome ainda não foi anunciado. O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) não se pronunciará sobre o caso.

Gabriel Santos se consolidou nos últimos anos como um dos grandes velocistas da natação brasileira – venceu os 100m livres no Troféu Maria Lenk, a principal competição da modalidade no país, nos dois últimos anos.

Por isso ele é peça fundamental no revezamento 4x100m livres. Com ele na equipe, o Brasil conseguiu uma histórica medalha de prata no Mundial de 2017 e venceu o Pan-Pacífico do ano passado, o que deu ao país a primeira colocação no ranking mundial.

Sem ele, o Brasil ficou em 6º lugar no Mundial, em prova disputada no domingo. A equipe foi formada na final por Marcelo Chierighini, Pedro Spajari, Bruno Fratus e Breno Correia. André Calvelo nadou a eliminatória no lugar de Fratus.