<
>

NFL diz que surto de COVID em time com atletas que não se vacinaram pode resultar em W.O.

play
Brady visita Biden, desafia estagiários da Casa Branca e brinca com presidente dos EUA: '40% das pessoas ainda acham que não vencemos' (1:34)

Quarterback dos Buccaneers mostrou muito bom humor ao lado do presidente norte-americano (1:34)

A NFL enviou uma carta às 32 franquias que a compõem nesta quinta-feira com as diretrizes para atletas que optaram por não se vacinar nos Estados Unidos contra a COVID-19.

Na carta, segundo o repórter da NFL Network Tom Pelissero, se uma partida não puder ser remarcado na janela de 18 semanas da temporada regular devido a um surto de COVID-19 entre jogadores não vacinados, o time com o surto será creditado com a derrota.

Além disso, jogadores dos dois times não receberão os salários daquela partida e a equipe responsável pelo jogo cancelado devido a jogadores não vacinados irá cobrir as perdas financeiras e estará sujeita à multa pelo comissário.

Segundo dados da NFL Network, mais de 78% dos jogadores da liga tomaram ao menos uma dosa da vacina e 14 times têm ao menos 85% de seus atletas completamente vacinados.

As 32 equipes têm ao menos 50% de vacinados entre seus atletas.

Porém, existem alguns que batem o pé e não querem se vacinar. É o caso de DeAndre Hopkins, wide receiver do Arizona Cardinals.

"Nunca imaginei que fosse dizer isso, mas estar numa posição que prejudicaria meu time porque não quero tomar vacina está me fazendo ponderar meu futuro na NFL", postou Hopkins, que depois apagou o tweet e publicou a palavra "Liberdade" no Twitter.

Jalen Ramsey, do Los Angeles Rams, e Leonard Fournette, do Tampa Bay Buccaneers, foram outras estrelas da NFL que publicamente mostraram ser contra a vacinação.

Segundo dados do "Our World in Data", mais de 49,3% da população norte-americana está completamente imunizada contra a COVID-19. Porém, tem sido comum as pessoas que optaram por não se vacinar, gerando até oferta maior do que a demanda em alguns estados.