<
>

Alex Smith volta à NFL depois de 693 dias, 17 cirurgias e lesão que quase lhe custou a vida

Pela primeira vez desde sua grave lesão há duas temporadas, o quarterback Alex Smith, do Washington, voltou à NFL. Neste domingo, ele entrou no final do segundo quarto, depois que o titular Kyle Allen se machucou na derrota por 30 a 10 para o Los Angeles Rams.

Allen foi levado aos vestiários pelos médicos da equipe com o braço lesionado, abrindo espaço para um retorno histórico para Smith. Foi seu primeiro jogo desde quebrou a fíbula e a tíbia de sua perna direita em 18 de novembro de 2018, em duelo contra o Houston Texans.

Ele terminou completando nove de 17 passes, para 37 jardas, sem nenhum touchdown ou interceptação. Ele foi sacado seis vezes e tentou uma corrida – curta, para uma jarda.

Até este domingo, o quarterback precisou de 17 cirurgias para corrigir a lesão e lutou contra uma infecção que quase fez com que os médicos decidissem por amputar a sua perna.

Smith teve uma placa de titânio colocada em sua perna, e os médicos disseram que não há nenhum risco que seja maior para ele do que para qualquer outro jogador.

Nenhum outro jogador, no entanto, está retornando do que Smith passou, ou mesmo participou de um documentário – da ESPN, disponível aqui, no ESPN App – que mostrou o quão grave foi sua lesão, que colocou em risco até mesmo a sua vida.

Várias pessoas nos bastidores se perguntaram, antes do início da temporada, quais médicos liberariam Smith, de 36 anos, depois de assistirem ao documentário. A resposta acabou sendo essa: os próprios médicos do jogador. E depois os de Washington. Mas desde a volta aos treinos, o quarterback não foi atingido como seria em um jogo.

Washington considerou fortemente colocar Smith em sua reserva para lesionados no início da temporada, mas ele deixou claro para a comissão técnica que ele não estava simplesmente recuperado da contusão, mas queria jogar – e não apenas para provar que poderia.

No final de julho, uma fonte afirmou que o nome de Smith não estava sendo muito falado nas discussões sobre planos para a temporada. No dia 25 de julho, porém, seus médicos o liberaram, logo antes de quando ele teria que se apresentar a Washington para os treinos.

O quarterback evoluiu rápido e foi liberado pelo time em 16 de agosto para retornar às atividades completas de um jogo de futebol americano.

Exatos 693 dias depois, Smith retornou para fazer história neste domingo.