<
>

Astros pressionam NFL por volta segura: 'Se não fizer sua parte, não tem futebol americano em 2020'

play
Enganou até a câmera: conheça a nova 'invenção' de Patrick Mahomes (0:05)

O astro do Kansas City Chiefs continua dando o que falar (0:05)

Jogadores da NFL usaram o Twitter neste domingo (19) em ação coordenada para fazer a liga ouvir as recomendações de profissionais da saúde sobre a questão da abertura dos training camps neste período de pandemia.

Vários desses jogadores usaram a #WeWantToPlay (Nós queremos jogar) nas suas mensagens.

O presidente da NFLPA (Associação de Jogadores da NFL), JC Tretter, publicou na plataforma: "O que você está vendo hoje são nossos jogadores se posicionando uns pelos outros e pelo trabalho que a liderança sindical fez para manter todo mundo o mais seguro possível. A NFL precisa ouvir a nossa aliança e adotar as recomendações dos experts".

A ideia dos tweets veio do cornerback do Miami Dolphins Byron Jones, que a sugeriu em uma reunião exclusiva de jogadores neste domingo, uma fonte contou a Dan Graziano, da ESPN. A ideia de Jones, segundo a fonte, era passar a mensagem ao público de que os jogadores querem atuar, mas também querem que os times garantam a segurança deles - que não é sobre esses atletas procurando apenas dinheiro ou dispensa dos training camps.

A NFLPA disse à ESPN que os jogadores não foram necessariamente instruídos a publicarem as mensagens, mas a União esteve "envolvida, para ter certeza que tudo o que foi publicado fosse baseado em fatos" sobre as negociações.

Entre os jogadores que usaram o Twitter está o quarterback do Seattle Seahawks Russel Wilson, que disse estar preocupado e apontou a gravidez de sua esposa como o principal motivo.

"Estou preocupado. Minha esposa está grávida. Os training camps estão prestes a começar. E ainda não temos um plano claro sobre a saúde e segurança de jogadores e suas famílias. Queremos jogar, mas também queremos proteger aqueles que amamos".

O wide receiver do New Orleans Saints Michael Thomas pediu ao comissário da NFL, Roger Goodell, que seguisse os passos do comissário da NBA, Adam Silver, para trazer o futebol americano de volta com segurança.

"Se Adam Silver pode respeitar as vozes e proteger seus jogadores da NBA, por que Goodell não pode fazer o mesmo? Ouça nossos jogadores", Thomas publicou.

Myles Garrett, do Cleveland Browns, esteve entre aqueles que afirmaram que não terá temporada se a NFL não "fizer sua parte".

"Se a NFL não fizer sua parte para garantir a saúde de seus jogadores, não tem futebol americano em 2020. Simples assim", disse.

JJ Watt, do Houston Texans, foi o primeiro jogador a fazer uma publicação a respeito de suas preocupações, na quinta-feira (16). Neste domingo, ele publicou uma lista atualizada do que os jogadores sabem e não sabem sobre a retomada dos treinamentos.

Na quarta-feira (15), o comitê executivo da NFLPA organizou uma conferência com aproximadamente 50 jogadores de alto nível da liga com a intenção de informar sobre como as coisas estavam andando frente ao começo dos training camps, um jogador contou a Jeff Darlington, da ESPN. Mas a ligação tomou algumas direções diferentes quando os jogadores sentiram que o sindicato não pôde responder algumas das questões mais simples apresentadas.

Entre outros, Watt expressou a necessidade de uma maior clareza no plano da liga de garantir a saúde e a segurança dos atletas. Como ele, vários jogadores perguntaram à NFLPA como eles poderiam ajudar e qual seria sua mensagem. Essencialmente, um jogador afirmou, a ligação culminou no movimento nas redes sociais deste domingo. Desde essa conferência, os jogadores estiveram trabalhando com a NFLPA para trabalhar em maneiras de criar uma voz unificada.

No sábado (18), quando a NFL mandou e-mail para todos os times informando que os training camps seriam iniciados no tempo previsto, um membro do comitê executivo da NFLPA contou à ESPN que viu a ação da NFL como uma maneira de acalmar as preocupações dos fãs da liga devido a um crescente sentimento dos jogadores - incluindo Watt e Patrick Mahomes - que expressaram frustração a respeito da falta de transparência da liga.

A fonte do NFLPA disse que esse vai e volta público deve levar a reuniões mais amplas entre a liga e o sindicato nos próximos dias, para se chegar a um maior entendimento sobre como a liga deve lidar com aspectos como treinamentos, testes, cláusulas daqueles que não querem fazer parte do retorno ou outros fatores que os jogadores acreditam não terem sido acordados adequadamente.

Entre os pedidos da NFLPA para a NFL estão: testes diários, corte da pré-temporada e período de "ramp-up" (21 dias para condicionamento físico, 10 dias de práticas sem equipamentos e 14 dias de "aclimatação de contato") assim que os training camps retornarem.