<
>

NFL: 'A Alcateia', trio de quarterbacks dos Patriots em 2016 toma conta da liga nesta temporada

É difícil para o torcedor do New England Patriots esquecer a temporada de 2016/17. Além da vitória no Super Bowl LI sobre o Atlanta Falcons (o famoso 28-3), essa foi a única oportunidade de outro quarterback tomar o posto de Tom Brady desde 2008, quando este se lesionou na semana 1 e ficou de fora do restante da temporada.

Naquela oportunidade, os Patriots não foram aos playoffs, algo que só aconteceu mais uma vez nas 18 temporadas do time desde que Brady foi draftado. Então sua ausência assustava, a princípio. Mas dois reservas seguraram as rédeas: Jimmy Garoppolo e Jacoby Brissett.

A ‘Alcateia’, como Brady chamou o trio de quarterbacks, se desfez nos anos seguintes e só Brady permaneceu em New England – Garoppolo foi para o San Francisco 49ers e Brissett para o Indianapolis Colts. No entanto, o sucesso dos ‘lobos’ está chamando a atenção na atual temporada.

Até essa semana 8, os três quarterbacks somam uma forma impressionante de 21-2. Patriots e 49ers são os dois únicos times que não perderam até agora e os Colts lideram a AFC South com grandes chances de chegarem aos playoffs.

Os números

A primeira metade de temporada dos Patriots foi irretocável.

Na defesa, a franquia de Boston é a que menos cedeu pontos nas oito primeiras semanas, são 61 apenas, com média de pouco mais de UM touchdown por jogo. No ataque, o sucesso é exatamente o mesmo, já que Tom Brady comanda o time que mais pontua na liga. Já são 250 pontos na temporada, com média de 31 por jogo.

O outro time invicto da NFL são os 49ers. O ataque pode ser surpreendente nas mãos de Garoppolo, mas o supertrunfo da franquia na verdade é a defesa, que menos cede jardas na liga.

Os Colts perderam duas vezes nessas primeiras semanas, mas seguem fortes rumo ao título da sua divisão, o que não deixa de ser uma surpresa, já que o QB Andrew Luck, maior esperança da equipe, se aposentou antes da primeira semana, dando a chance para Brissett.

De volta aos quarterbacks, além de forma em 21-2, a soma de TDs-Interceptações deles está em 40-14.

As duas derrotas estão nas costas de Brissett, mas quando analisado individualmente, ele mostra o quanto vem sendo crucial na boa campanha de Indianapolis. Entre os três, Garoppolo tem o maior rating, com 100.6. Brissett tem 99.3 e Brady tem 95. Brissett é o que tem mais touchdowns.

Garoppolo tem menos TDs e mais INTs que os outros dois, mas é líder no quesito porcentagem de passes completos, com 70.8%.

Tom Brady é o primeiro deles em jardas, com 2251, e também em passes completos: 200.

Nostalgia

Voltando à temporada da 'Alcateia', após o quinto título dos Patriots, Tom Brady postou a seguinte foto em seu Instagram:

“Vocês podem não saber, mas me considero um pouco solitário. Costumo me imaginar como uma alcateia de um homem só. Mas quando os Patriots trouxeram Jimmy, eu sabia que ele era um dos meus. E minha alcateia – cresceu por um, então éramos dois – éramos dois na alcateia. Eu estava sozinho e Jimmy se juntou a mim. E nove meses depois, quando os Patriots me introduziram a Jacoby, pensei: ‘Espera aí, será?’ E eu soube com certeza – eu tinha mais um cara na minha alcateia. Então hoje, faço um brinde! Irmãos de sangue!”

Se você acha que a mensagem é bem tosca, faz sentido. Afinal, ela foi tirada de um trecho do filme ‘Se beber, não case’.

Como Brady disse, Garoppolo chegou primeiro. Ele saiu com bons números da universidade de Eastern Illinois e foi escolhido no Draft de 2014 com a 62ª escolha geral, se tornando a terceira opção de Belichick para QB.

O reserva de Brady até então era Ryan Mallett, que não havia sido titular em nenhuma partida de temporada regular pela equipe. O último a jogar no lugar do marido da Gisele foi Matt Casell, naquela trágica temporada sem playoffs de 2008.

Na mesma temporada que Garoppolo chegou, Mallett foi trocado para os Texans, e o calouro se tornou a primeira opção de substituto.

Sua chance no time titular veio só dois anos mais tarde.

Com a suspensão de Tom Brady nos quatro primeiros jogos da temporada pelo episódio do Deflategate (escândalo das bolas murchas), Garoppolo começou os dois primeiros jogos da equipe e fez seu nome. Até ele deixar o jogo contra os Dolphins machucado na segunda semana, foram 4 touchdowns e nenhuma interceptação, com média de 121 no rating.

Brady suspenso + Garoppolo machucado = Chance para o calouro.

Jacoby Brissett era da universidade de North Carolina State, que usa o apelido de Wolfpack (Alcateia). Ele foi escolhido pelos Patriots com a 91ª escolha geral daquele Draft.

Ele entrou como titular na semana 3, no lugar de Jimmy e, mesmo bem abaixo do rendimento dos outros QBs do time, não deixou uma impressão tão ruim. Foi uma vitória e uma derrota, com 0 TDs ou interceptações, até Brady assumir o time de novo na semana 5.

Por trás do sucesso

Os quarterbacks não trabalham sozinhos. Atrás do sucesso de Brady, Garoppolo e Brissett nesta temporada, existem três equipes bem sólidas, e mais do que isso, três mentes ofensivas brilhantes.

Jimmy G faz parte de um dos esquemas ofensivos mais elaborados e criativos da NFL. Kyle Shanahan assumiu o comando dos 49ers em 2017 após quase uma década trabalhando como coordenador ofensivo em Texans, Redskins, Browns e, por último, Falcons. O head coach explora muito seu ataque explosivo e veloz e Garoppolo pôde se adequar devidamente ao sistema nesta temporada.

Em Indianapolis, Frank Reich rege a orquestra. O treinador também tem anos de coordenação ofensiva, inclusive, cuidava do ataque dos Eagles de Nick Foles/Carson Wentz na temporada em que o time se sagrou campeão da liga pela primeira vez. Mais do que isso, Brissett pode se espelhar em Reich por este também ter sido reserva em várias oportunidades durante sua carreira de quarterback – que soube se impor quando necessário.

Bill Belichick é um treinador de mentalidade defensiva, claro, mas o ataque de Tom Brady não deixa de estar entre os melhores da temporada em várias categorias. Isso tem o dedo de Josh McDaniels, que coordena o ataque do time desde 2012 – ou seja, ele já foi campeão do Super Bowl em seis oportunidades. McDaniels quase chegou a deixar a equipe em 2018, para comandar os Colts, mas desistiu e quem assumiu foi justamente Reich.