<
>

NBA: LeBron não é a primeira lenda dos Lakers a mudar número na camisa; relembre as outras

play
Craque nas quadras, gigante fora delas: a homenagem dos Lakers no aniversário de Kobe Bryant (3:12)

Franquia de Los Angeles publicou um vídeo emocionante sobre a carreira do ex-jogador e seu amor à família; Kobe completaria 42 anos no último domingo (23) (3:12)

LeBron James irá mudar o número de sua camisa do Los Angeles Lakers para o número 6 na próxima temporada, uma mudança que a equipe anunciou oficialmente na segunda-feira.

James, que usou o número 6 como membro da seleção dos EUA e usa o mesmo dígito em sua camisa de treino, usou o número 23 durante suas três primeiras temporadas com os Lakers. Ele também vestiu a 23 por 11 temporadas em duas passagens pelo Cleveland Cavaliers, e anteriormente vestiu a 6 pelo Miami Heat.

*Conteúdo patrocinado por Claro, Ford, Bradesco, Samsung e Sadia

Esta não é a primeira vez que James tenta trocar o número de sua camisa dos Lakers. Em 2019, quando Los Angeles adquiriu Anthony Davis do New Orleans Pelicans, James estava pronto para desistir de seu número 23 para a estrela recém-chegada ao time, pois era também o número que Davis usou durante suas primeiras sete temporadas na NBA. No entanto, devido ao potencial de produção e problemas financeiros com a fabricante Nike, esses planos foram interrompidos.

O capitão dos Lakers não é o primeiro a fazer uma mudança numérica enquanto veste o roxo e ouro, como ex-membros do Hall da Fama e lendas da franquia como Kobe Bryant e Gail Goodrich mudaram no passado. Aqui estão as melhores trocas de camisa da história dos Lakers, incluindo alguns insights sobre as motivações que desencadearam a mudança.


Gail Goodrich, da 11 para a 25

Membro do Hall da Fama, Gail Goodrich tem seu nº 25 pendurado nas vigas do Staples Center, mas esse não era o número em sua camisa quando ele estreou com os Lakers em 1965. Quando o armador de 1,80m se juntou ao Lakers como um novato, o nº 25 que ele usou na UCLA foi levado pelo pivô Leroy Ellis, então ele se contentou com o nº 11. Em 1968 ele foi selecionado pelo Phoenix Suns no draft de expansão da NBA, e o nº 25 estava disponível para ele em Phoenix - - e permaneceu disponível quando foi negociado de volta para os Lakers, dois anos depois. Ele jogou seis temporadas em Los Angeles vestindo o nº 25, fazendo quatro aparições no All-Star e ajudando os Lakers a ganharem o título em 1972.


Eddie Jones, da 25 para a 6

Quando Jones se juntou aos Lakers como um novato em 1994, o nº 25 de Goodrich ainda não tinha sido aposentado e, na verdade, tinha sido usado por outros quatro jogadores desde Goodrich (incluindo Mitch Kupchak, que fazia parte da diretoria que recrutou Jones). No entanto, em 20 de novembro de 1996, os Lakers colocaram a camisa de Goodrich nas vigas, e Jones mudou para o número 6 - coincidentemente o mesmo número que LeBron James vai usar na próxima temporada. Isso é algo a que Jones está acostumado; ele também usou o número 6 por seis temporadas com o Miami Heat, apenas para ver James usá-lo lá também.


Kobe Bryant, da 8 para a 24

As razões pelas quais Kobe Bryant usava o nº 8 eram duplas. Primeiro, o nº 8, homenageou o número que ele usava quando jovem na Itália, onde sua família residia durante o tempo em que seu pai jogava profissionalmente na Europa. Segundo, remonta aos dias de sua participação no camp Adidas ABCD, onde Bryant usava o nº 143. 1 + 4 + 3 = 8.

Mas Bryant fez o pedido para mudar para a 24 em 2005, logo depois que os Lakers negociaram Shaquille O'Neal com o Miami Heat. Kobe estava pronto para um novo começo, mas devido aos prazos, ele teria que esperar até a temporada 2006-07 para obter seus novos dígitos.

"É uma espécie de ficha limpa", disse Bryant. "Comecei de novo. Basta começar do zero, focar no número que significava muito para mim."

Essa ficha limpa resultaria em mais dois títulos da NBA para Bryant, e seu único prêmio de MVP. Os Lakers iriam aposentar seus dois números em 2017, tornando-o o único jogador na história da NBA a ter dois números de camisa diferentes aposentados pela mesma franquia.

play
3:12

Craque nas quadras, gigante fora delas: a homenagem dos Lakers no aniversário de Kobe Bryant

Franquia de Los Angeles publicou um vídeo emocionante sobre a carreira do ex-jogador e seu amor à família; Kobe completaria 42 anos no último domingo (23)


Metta World Peace, da 37 para a 15...para a 37 de novo

Poucos jogadores tiveram tantos números de camisa, ou mudanças de nome, como Metta Sandiford-Artest. Artest, que passou seis temporadas com os Lakers, foi contratado como um agente livre para um contrato de cinco anos no valor de cerca de US$ 33 milhões. Em homenagem a Michael Jackson, Artest escolheu o nº 37 para sua camisa, em referência ao álbum Thriller de Jackson, que ocupou o primeiro lugar nas paradas por 37 semanas consecutivas.

Depois de chegar de forma memorável nas Finais de 2010 com Kobe Bryant para ganhar o título sobre o Boston Celtics em sete jogos, Artest fez outra mudança, de volta ao seu número de longa data de St. John's e como um novato na NBA, o 15. Artest também converteria seu nome, já que o mudou oficialmente para Metta World Peace em 2011.

Artest voltaria aos Lakers em 2015, depois de passagens pela China e Itália, vestindo o No. 37 mais uma vez.


LeBron James, da 23 para a 6

Esta não é a primeira vez que James engaveta o número 23 para o número 6. Em 2009, a última temporada de sua primeira passagem pelo Cleveland Cavaliers, James anunciou que mudaria os números das camisas e sugeriu que a liga deveria aposentar o 23 em homenagem a Michael Jordan. Até o momento, apenas duas equipes o fizeram: o Chicago Bulls e o Miami Heat, que têm o 23 de Jordan pendurado na parede de sua arena (Pat Riley aposentou-o em homenagem a Jordan por suas contribuições para o jogo), o que ajudou a James mudar o número da camisa original.

Aquela nem foi a primeira troca de camisa de James relacionada a Jordan: nas Olimpíadas de 2004, James ostentava o mesmo número 9 pela equipe dos EUA que Jordan usava em 1984 e 1992. No entanto, depois que essa equipe não conseguiu ganhar o ouro, James trocou para seu agora familiar nº 6 - que ele usa em homenagem a Julius Erving, seu segundo jogador favorito enquanto crescia - para todas as futuras aparições na equipe dos EUA.

Mesmo enquanto usava o número 23 em seu retorno a Cleveland e depois em Los Angeles, James continuou a usar o número 6 regularmente durante os treinos. Agora, começando na próxima temporada, ele se tornará o 12º Laker a usá-lo durante um jogo, juntando-se a Chucky Brown, Eddie Jones, Jelani McCoy, Maurice Evans, Adam Morrison, Josh McRoberts, Earl Clark, Kent Bazemore, Jordan Clarkson, Derrick Williams e Lance Stephenson.