<
>

NBA Draft: Michael Jordan vê Hornets fazerem troca 'sem sentido' e acumula mais uma 'lambança' como dirigente

play
NBA Draft: Paolo Banchero é escolhido em 1º lugar pelo Orlando Magic; VEJA (1:13)

Jogador de Duke foi a 1ª escolha geral do Draft de 2022 (1:13)

Dono dos Hornets, Michael Jordan tem decisões controversas como dirigente na NBA há mais de 20 anos


O Draft da NBA de 2022 prometia para os torcedores do Charlotte Hornets, com as escolhas 13 e 15 no geral. Porém, a torcida do time cujo Michael Jordan é dono acabou ficando irritada com o recrutamento.

Jordan foi o maior jogador de todos os tempos da NBA e um dos maiores atletas da história do esporte. Mas suas decisões como executivo da liga em Drafts tem sido verdadeiras tragédias. E há mais de duas décadas tem sido assim. MJ pode ser um homem de negócios de sucesso inegável que o fizeram um bilionário, mas certamente os torcedores dos Hornets não estão satisfeitos com sua gestão.

Hoje em dia, ele não faz mais parte das operações diárias dos Hornets, com o general manager Mitch Kupchak tomando conta disso. Porém, MJ é quem assina os cheques e ainda assim consequentemente responsável pelas decisões em torno da franquia.

E ninguém entendeu a primeira movimentação dos Hornets no Draft. A franquia selecionou um dos melhores prospectos na posição de pivô, uma carência do time: Jalen Duren.

Segundos depois do anúncio, Charlotte trocou Duren para os Pistons. Até aí, tudo normal. Porém, os Hornets receberam uma escolha de primeira rodada de 2025. Detroit hoje está em reconstrução, mas pode não estar daqui três anos devido aos talentos que têm adquirido nos últimos anos. Ou seja, essa escolha de primeira rodada pode não ser tão alta em 2025. Além disso, como parte da negociação, os Hornets ganharam 4 picks de segunda rodada dos Knicks.

Ainda sem técnico e tentando renovar o contrato de Miles Bridges depois de uma excelente temporada, os Hornets especularam se livrar do vínculo de Gordon Hayward, que tem o maior salário do time (US$ 31 milhões), mas não tem rendido o esperado e se machuca com frequência, junto com uma das escolhas deste Draft.

Porém, acabou não acontecendo. E os Hornets continuam com o salário de Hayward e cederam uma escolha top 15 de Draft por uma futura apenas.

Essa não foi a primeira lambança de Jordan como dirigente no Draft - e provavelmente não será a última. Relembre as outras:

Draftou Kwame Brown em 1º

Em 2001, quando voltou às quadras, Jordan assumiu ao mesmo tempo um cargo como dirigente nos Wizards. E ele foi responsável direto pela franquia draftar Kwame Brown com a primeira escolha geral. Brown jogou 12 anos na NBA, mas foi um completo fracasso com médias de 6,6 pontos e 5,5 rebotes.

Draftou Adam Morrison em 3º geral

Morrison foi um fenômeno na universidade de Gonzaga. Porém, durou apenas 4 anos na NBA com média de 7,5 pontos. Apesar de ter conquistado dois títulos com os Lakers, a carreira dele na liga foi um desastre para quem foi draftado em 3º geral pelos Bobcats, cujo comandante das operações de basquete era Michael Jordan.

Draftou Cody Zeller em 4º em 2013

Zeller tem médias de 8,5 pontos e 6 rebotes na sua carreira. Os Hornets ainda deram a ele um contrato de mais de US$ 50 milhões. A decepção fica maior ainda se pensarmos que na mesma classe dele estavam Giannis Antetokounmpo, Rudy Gobert e CJ McCollum, todos draftados atrás de Zeller.

Draftou Michael Kidd-Gilchrist em 2º em 2012

O ala já não está mais na NBA depois de médias de 8,4 pontos e 5,4 rebotes. A escolha de Jordan fica mais vergonhosa ainda se pensarmos que o terceiro pick daquele Draft foi Bradley Beal e que ainda foram recrutados Damian Lillard, Andre Drummond, Khris Middleton e Draymond Green.