<
>

UFC: Após levar 1º nocaute da carreira, qual é o futuro para Conor McGregor?

play
Vitória de Dustin Poirier! Veja como Conor McGregor sofreu o 1º nocaute da carreira (1:01)

Dustin Poirier acabou com toda a aura do irlandês na trocação, aguentou os golpes que sofreu e encaixou uma sequência devastadora de golpes para conseguir um nocaute simplesmente impressionante (1:01)

A má notícia para os fãs de Conor McGregor é que ele foi nocauteado por Dustin Poirier no segundo round da luta principal do UFC 257, na Ilha da Luta, em Abu Dhabi, na madrugada de sábado para domingo.

A boa notícia para os fãs do irlandês? Ele imediatamente reconheceu não estava no seu melhor nesta luta, entendeu a razão e tem um plano para se tornar melhor da única maneira que ele conhece: lutando com mais frequência.

“É difícil superar a inatividade por um longo período de tempo”, disse McGregor após apenas sua terceira luta de MMA desde 2016. “Eu simplesmente não estava confortável quanto precisava estar, sabe o que quero dizer? É a inatividade”.

McGregor começou bem o suficiente, acertando um direto de esquerda logo no começo que chamou a atenção de Poirier. A luta rapidamente se tornou uma batalha agarrada, e Poirier conseguiu uma queda e por um breve momento teve o controle sobre McGregor no tatame. Assim que os lutadores ficaram de pé, Poirier começou a dar chutes na panturrilha de seu adversário, machucando bastante a perna direita (que fica na frente) de McGregor. Apesar de tudo isso, McGregor venceu o primeiro round na opinião dos três juízes que lá estavam.

Mas algo não estava certo. Não parecia o mesmo homem de outrora. Conor McGregor estava absorvendo diversos chutes de panturrilha e, embora tenha acertado alguns diretos com a sua mão esquerda, nenhum deles incomodou Poirier de verdade. Aliás, foi Poirier quem deu o golpe devastador, uma esquerda no meio do segundo round que fez McGregor se apoiar na jaula. Isso desencadeou uma onda de golpes Poirier que derrubou McGregor, atordoando a multidão na Etihad Arena. O nocaute técnico (TKO) veio com 2 minutos e 32 segundos.

play
0:13

Com muita dificuldade para andar, McGregor conversa com Poirier e diz: 'Vamos fazer isso de novo'

O mundo ficou em choque, e McGregor terminou caído contra Poirier. Ele mal conseguiu ficar em pé na sequência.

"Eu preciso de atividade, gente, vamos lá", disse um humilde McGregor. "Sabe, você não escapa de ficar inativo nesse esporte, e é assim que as coisas são".

McGregor disse a Stephen A. Smith, da ESPN, na última quinta-feira que gostaria de lutar sete vezes no próximo ano e meio. Não importa que seja a mesma quantidade de lutas quanto ele teve desde junho de 2015. Se McGregor competir em qualquer lugar perto desse ritmo no futuro, é claro que ele vai estar mais afiado.

Aumentar seu nível de atividade será como um elixir para o homem de 32 anos? O tempo vai dizer. Mas enquanto ele parecia um lutador perdido durante o curto tempo que esteve no octógono com Poirier, uma coisa é certa: McGregor não será tratado como tal pelo UFC.

Para a maioria dos lutadores, uma derrota como essa no octógono talvez seja melhor simbolizada pelo som cruel de uma porta fechando em seu rosto.

play
0:15

'Você quebrou minha perna, maldito': McGregor brinca com Poirier e dá parabéns a rival por nocaute

Conor sofreu o primeiro nocaute de toda a sua carreira

Mas McGregor luta artes marciais mistas de maneira diferente da maioria dos lutadores. Ele se situa onde as oportunidades são mais abundantes. E mesmo após essa derrota, McGregor tem inúmeras possibilidades pela frente.

A derrota acabou com as esperanças de McGregor de uma chance imediata de recuperar o cinturão de campeão dos leves que ele já teve. Mas o que de outra forma teria sido uma estrada gloriosa montanha acima, agora poderia seguir uma série de direções, e todas ainda são satisfatórias.

Mesmo depois de uma derrota dominante como a que ele sofreu pelos socos e chutes de Poirier, McGregor é grande o suficiente para que o UFC esteja procurando maneiras de injetá-lo de volta na mistura para a disputa do cinturão. Mas será que McGregor verá isso como seu melhor caminho a seguir?

Três anos e meio atrás, enquanto McGregor reinava como o primeiro campeão de duas divisões do UFC de maneira simultânea, ele fez um desvio para o mundo do boxe para uma luta muito lucrativa contra Floyd Mayweather. Foi o início do fim da temporada de McGregor como campeão do UFC - ele perderia os cinturões pena e leve em 2018 por inatividade - mas isso o tornou um homem mais rico e rendeu ao UFC um grande prêmio, também.

Hoje, McGregor é administrado pela mesma equipe que administra Manny Pacquiao, então se um retorno ao boxe é o que McGregor deseja, essa é uma luta que provavelmente poderia ser feita. Com McGregor não estando na conversa para disputa do título ou impedindo o ímpeto de qualquer outro lutador ou divisão, o UFC provavelmente não se importaria em lucrar mais uma vez.

McGregor também pode ir pela rota do espetáculo no MMA, ao completar sua trilogia com Nate Diaz. Seria uma grande luta, em termos de atenção que chamaria, mas uma coisa que não seria é um passo legítimo de volta à disputa pelo título. Desde os dois encontros entre esses homens em 2016, Diaz competiu apenas duas vezes, a mais recente em uma derrota em 2019 para Jorge Masvidal. Em sua entrevista dentro do octógono, momentos depois que Poirier o nocauteou, McGregor não parecia um lutador procurando um desvio. Se ele realmente tiver o ímpeto de voltar ao nível necessário para uma corrida pelo título, parece que o futuro imediato de McGregor gira em torno do destino de outro antigo rival, Khabib Nurmagomedov. O campeão dos leves do UFC anunciou sua aposentadoria em outubro e reiterou várias vezes na semana passada que não tem planos de voltar ao octógono.

Se o cinturão de Khabib ficar vago, provavelmente será colocado em jogo em uma luta entre Poirier e Michael Chandler, ex-campeão do Bellator, que nocauteou Dan Hooker no UFC 257. Esse é o confronto que o presidente do UFC, Dana White, disse que faz mais sentido durante a coletiva pós-luta.

Esse cenário deixaria Charles do Bronx Oliveira, que tem oito vitórias seguidas, como a sobra do peso leve. Estaria McGregor interessado em enfrentar o cara com mais finalizações do que qualquer um na história do UFC? Uma vitória sobre o brasileiro poderia colocar McGregor de volta na disputa pelo título?

Então, novamente, McGregor pode conseguir um encontro com quem ele quiser - seja Diaz, Justin Gaethje, Tony Ferguson ou qualquer outro. É assim que o UFC valoriza McGregor. Mesmo depois de ter sido nocauteado no UFC 257, uma luta marcada com McGregor continua sendo um bilhete de loteria vencedor. Praticamente qualquer lutador no vestiário do UFC aproveitaria uma oportunidade tão lucrativa.

Se Conor McGregor realmente quiser ser mais ativo, ele não terá dificuldade em encontrar parceiros de dança.