<
>

UFC: Johnny Walker fala sobre 'puxão de orelha' de Dana e diz: 'É meu estilo de luta, igual o Anderson Silva lutava'

play
Johnny Walker comenta crítica de Dana White: 'Ele é o chefe, tenho que escutar; mas não vou mudar meu jeito' (0:53)

Presidente do Ultimate disse que 'não se brinca no UFC'; brasileiro garantiu que só mudará nas comemorações (0:53)

Do céu ao inferno, após três vitórias incríveis e duas derrotas decepcionantes, Johnny Walker volta ao UFC para provar um ponto: que pode ser reconhecido como um dos melhores lutadores do mundo. E é com uma vitória sobre Ryan Spann no próximo sábado que ele espera recomeçar essa caminhada.

O lutador brasileiro, muito conhecido por sua irreverência dentro e fora do octógono, falou com a ESPN Brasil sobre um momento delicado: quando Dana White, o presidente do UFC, criticou sua postura. O carioca admitiu que precisa mudar parte de sua postura, mas fez questão de defender seu jeito, que foi o que fez chegar até aqui.

Após a derrota do brasileiro no UFC 244, no começo de novembro de 2019, Dana White mostrou insatisfação com Johnny: "Não é que ele tenha ido mal, mas você não pode se mover daquela forma tendo pela frente um Corey Anderson irritado como ele estava."

"Não se brinca nesse esporte, muito menos aqui", Dana White, presidente do UFC

Em entrevista exclusiva à ESPN Brasil, o lutador respondeu a declaração do 'manda-chuva':

"Ele falou, ele é o chefe, tem que escutar. Mas a única coisa que vai mudar é a comemoração, o resto vai continuar a mesma coisa. Eu não vou mudar meu jeito de ser. Se tiver que brincar, vou brincar", disse o brasileiro.

Toda regra tem uma história, e essa da comemoração não é diferente. No começo de 2019, Johnny Walker roubou a cena no mundo do MMA com uma sequência inesquecível: primeiro uma joelhada maravilhosa em Misha Cirkunov, que garantiu seu terceiro prêmio seguido de performance da noite com seu terceiro nocaute no 1º round; depois, ao celebrar o golpe e a vitória, uma lesão grave no ombro por ter se jogado no chão.

play
1:06

Johnny Walker relembra lesão em comemoração após nocaute absurdo e conta como foi no momento: 'Fiz m***'

Contra Misha Cirkunov, brasileiro acertou uma joelhada incrível, se jogou no chão para celebrar e lesionou o ombro

"Nunca tinha machucado naquela gravidade. Eu já tinha feito uma comemoração muito mais arriscada no UFC Fortaleza, mandando o mortal, a minhoca... Eu sou muito elétrico, hiperativo, preciso me controlar um pouquinho mais nas comemorações. Eu só fui comemorar, aí quando cai no chão senti a dor e pensei: "Nossa, machuquei... Acho que fiz m**** dessa vez". Aí fiquei no chão jogado, falei: "Desloquei o ombro", uma dor sinistra. E falei: "Fazer o que, né? Tenho que segurar a onda, fiz a m****, agora vamos embora". Aí fiz a cirurgia, fiquei parado uns 7 meses, aí voltei sem estar 100%", relembra o lutador ao falar daquele momento. Depois disso, garante que vai ficar mais focado e dar prioridade à saúde, sem riscos desnecessários.

"Acho que fiz m****", Johnny Walker ao relembrar momento em que viu que machucou o ombro

Mas aquela noite, oito meses antes do puxão de orelha de Dana, Johnny foi elogiado pelo presidente do Ultimate. "O futuro dele é brilhante. Ele é talentoso demais, só precisa cuidar dessa comemoração".

Johnny Walker garante que vai cuidar, mas ao responder seu chefe ele fez questão de defender sua postura dentro do octógono:

play
0:31

Misturando características suas com as de quatro lendas, Johnny Walker monta o lutador perfeito

Brasileiro detalhou que qualidades esse atleta teria de cada craque do UFC

"Eu sou muito profissional. Não brinco na hora da luta, eu brinco antes e depois. Na luta, se eu fizer alguma coisa, é só para distrair o cara, faz parte do meu jogo de luta. É assim que eu sou é assim que eu vou ser o resto da minha vida. Eu me sinto bem assim, é o meu estilo de luta, igual o Anderson Silva lutava. O que falar do cara? Foi extraordinário, carreira incrível, quando ele fazia, todo mundo aplaudia. Se desse errado, todo mundo vaia. É assim que é o jogo, é assim que as pessoas funcionam e são. Eu já estou acostumado".

Questionado se o Spider é seu ídolo, Johnny mostrou muita admiração pelo compatriota:

"Gosto muito dele. Quem não via suas lutas? Era muito empolgante. Um dos maiores de todos os tempos".