<
>

Sturridge foi chamado de 'Pelé' por brasileiros e valeu R$ 140 milhões; hoje, está esquecido e sem clube

O atacante Daniel Sturridge, de 30 anos, teve uma carreira pródiga até hoje.

Ele deu seus primeiros chutes na bola no pequeno Cadbury Athletic, em 1995, e, ao longo dos últimos 25 anos, passou por equipes como Manchester City (2006 a 2009), Chelsea (2009 a 2013) e Liverpool (2013 a 2019), além de ter disputado Copa do Mundo, Olimpíada e Eurocopa com a seleção da Inglaterra.

Em termos de títulos, ganhou Champions, Premier League e duas FA Cups pelos Blues, e mais uma Champions pelos Reds.

Na temporada 2013/14, aliás, fez parceria de ataque mortal com o uruguaio Luis Suárez no Liverpool, e terminou sendo eleito para a seleção da temporada do Campeonato Inglês - juntos, Sturridge (21 gols) e Suárez (31) anotaram 52 tentos na competição.

Neste período, seu valor de mercado chegou aos 25 milhões de euros (R$ 140 milhões, na cotação atual), segundo o site especializado Transfermarkt.

Em agosto de 2019, ele viu seu contrato com os Reds acabar e assinou com o Trabzonspor, atual líder do Campeonato Turco.

Após ter um bom início com a camisa da equipe, fazendo sete gols em seus primeiros 15 jogos, Sturridge parecia se encaminhar para a conquista de mais uma taça. Mas isso ruiu de forma trágica...

No início de março, o atacante foi suspenso por quatro meses do futebol profissional após ter quebrado as regras de envolvimento de um atleta profissional com sites de apostas. Além disso, levou uma multa de 150 mil libras (quase R$ 900 mil, na cotação atual).

Isto porque ele disse ao seu irmão, Leon, para apostar que ele seria transferido pelo Liverpool ao Sevilla, em janeiro de 2018 - algo que de fato ficou muito próximo de acontecer. No entanto, a negociação naufragou, e Sturridge foi emprestado ao West Bromwich.

A movimentação da aposta, porém, chamou a atenção da FA (Associação de Futebol da Inglaterra), que entrou com um processo por má-conduta contra o atacante.

Inicialmente, ele foi banido do esporte por apenas seis semanas, mas a FA entrou com recurso e, em março de 2020, o atleta acabou levando o gancho mais pesado, desta vez por quatro meses.

Com isso, ele teve seu contrato com o Trabzonspor encerrado, ficando desempregado. O jogador só pode voltar a pisar nos gramados em 18 de junho.

No momento, Sturridge está sumido, e não há notícias se ele negocia para jogar por um novo clube quando o futebol for retomado, depois que for amenizada a pandemia mundial de coronavírus.

Sua última aparição foi em 2 de março, quando ele usou seu canal oficial de YouTube para dizer que era inocente de todas as acusações, e que apenas enviou uma mensagem de texto normal através de seu celular ao irmão, garantindo que não se tratava de uma "dica quente" para fazer uma aposta.

O inglês ainda afirmou que o Trabzonspor inicialmente propôs que o contrato entre as partes fosse mantido, e o astro continuaria recebendo seu salário normalmente. Todavia, o atleta disse que "se sentiria mal" com essa situação, e pediu para que o vínculo fosse encerrado.

Pela seleção inglesa, Sturridge apareceu pela última vez em outubro de 2017, contra a Lituânia, pelas eliminatórias da Copa do Mundo 2018.

'A GENTE CHAMAVA O STURRIDGE DE PELÉ'

Daniel Sturridge, do Liverpool, tem grandes inspiração do Brasil em seu futebol.

Formado pelo Manchester City, time pelo qual atuou entre 2003 e 2009, ele era fã de Robinho, com quem treinou, jogou e aprendeu entre 2008 e 2009, na passagem do "Rei das Pedaladas" pela Premier League.

"O Sturridge e o (Vladimir) Weiss [jogador da seleção da Eslováquia] eram nossos 'moleques' no City. A gente sempre falava para eles que eles tinham samba no pé, pois eram muito habilidosos", lembrou o ex-zagueiro Gláuber Berti, ex-Palmeiras, Manchester City e seleção brasileira, em uma entrevista em 2016 à ESPN.

Ícone cult do City, o defensor atuou pelo clube de Manchester entre 2008 e 2009, e virou ídolo mesmo fazendo apenas um minuto em uma partida oficial.

Segundo Gláuber, Sturridge e Weiss, então recém-subidos dos juniores, gostavam de ver Robinho treinando para aprender novas maneiras de passar pelos adversários.

"Quando o time principal estava treinando, eles ficavam sentados do lado olhando. Assistiam principalmente ao Robinho, e aprendiam todos os dribles, depois ficavam imitando. Depois, a gente ensinava eles a falaram umas besteiras em português", contou o brasileiro.

Jogador da seleção da Inglaterra desde a categoria sub-16, Sturridge nunca chegou a se firmar no City. Apesar disso, Gláuber diz que sempre enxergou talento no camisa 15 do English Team.

Tanto é que ele ganhou um apelido um tanto quanto honroso.

"Nós, brasileiros, apelidamos de 'Pelé'. Vai falar que não parece (risos)?", divertiu-se o ex-palmeirense.

"Sempre foi um garoto com potencial enorme, só que na época ele não tinha muitas chances, aí às vezes ficava meio marrento, de cara fechada. Mas é um moleque sangue bom, abusado. Todos sabíamos que ele seria dos grandes, pois joga muito", relata.

Sturridge era querido pela torcida do City, que via nele um atleta de futuro. Tanto é que ele foi eleito o "melhor jogador jovem" da temporada 2008/09, em votação popular realizada no site dos Citizens. No entanto, seu contrato expirou sem ser renovado e ele acabou acertando com o Chelsea, em julho de 2009.

Em Stamford Bridge, contudo, seguiu sem conseguir se firmar. Jogou quatro anos pelos Blues, entre 2009 e 2013, sendo emprestado para o Bolton no meio do caminho.

Cansado de ficar no banco em Londres, resolveu que era melhor mudar de ares, e aceitou proposta do Liverpool, que pagou 12 milhões de libras (cerca de R$ 72 milhões, na cotação atual) por seu futebol, em janeiro de 2013 - uma "pechincha".

Na "terra dos Beatles", finalmente ele se encontrou. Ao todo, fez 67 gols em 160 jogos pelos Reds. Seu momento mais marcante foi mesmo com Luis Suárez na temporada 2013/14, quase levando o time de Anfield ao fim do jejum de títulos na Premier League (a equipe acabou com o vice, atrás do City).

Também ficou famoso por sua comemoração característica, na qual dança mexendo os braços - a celebração é uma das que o game Fifa imita exatamente igual até hoje.

Com a seleção da Inglaterra, Sturridge teve boas atuações na Copa do Mundo 2014 e na Euro 2016. Já nos Jogos de Londres-2012, terminou como vilão, mesmo após fazer uma boa fase de grupos pela seleção da Grã-Bretanha. Isto porque ele perdeu o último pênalti da decisão contra a Coreia do Sul, nas quartas-de-final, e acabou apontado como "responsável" pela eliminação da equipe anfitriã no torneio olímpico de futebol.